segunda-feira, 27 de março de 2017

Entrevista coletiva do prefeito Mauro Candemil

O prefeito da Laguna, Mauro Vargas Candemil se manifestou em entrevista coletiva, na manhã desta segunda-feira (27), para tratar de vários assuntos relacionados a sua administração nesses primeiros meses de governo.

Na ocasião, o chefe do Executivo também se posicionou quanto à instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) pela Câmara Municipal da cidade.
Prefeito Mauro Candemil na coletiva de imprensa, tendo ao lado alguns vereadores,
entre eles Antônio Laureano (PMDB), que votou a favor da criação da CPI.
Foto/ Divulgação/PML.
Candemil - sem a presença do vice Júlio Willemann, frise-se - iniciou sua fala destacando que seu objetivo como prefeito, desde o início de sua gestão é fazer um mandato participativo. Citou que, na última semana esteve sozinho em Brasília, nos gabinetes de deputados e senadores no Fórum Parlamentar e que nenhum vereador se predispôs em acompanhá-lo para conseguir recursos para Laguna.

"Eu sempre quis uma Câmara parceira, porque meu principal objetivo é resgatar Laguna. Eu tenho a iniciativa privada de braços abertos, me aguardando voltar, mas eu não quis. Preferi lutar pela prefeitura dessa cidade", frisou.

Quanto aos questionamentos apurados em sessão da Câmara, referente às obras executadas provenientes do desastre que aconteceu na cidade no final de dezembro, o prefeito afirmou que aditivos apontados são de contratos da gestão passada, exceto um. "Todos foram analisados pela atual gestão, corrigidas incongruências; todos pactuados com suporte em pareceres do corpo jurídico da PML, para que não houvesse solução de continuidade ou interrupção de serviços essenciais.

Enquanto isso, foram elaborados novos editais para novas licitações para atendimento das necessidades inadiáveis do nosso Município", destacou.

Sobre a denúncia de uma servidora da 18ª ADR de supostas irregularidades, o prefeito salientou "que repudia qualquer alusão de minha participação, como Secretário Executivo, em qualquer ato ilícito. De qualquer maneira já temos provas, que foram protocoladas no Ministério Público. Friso que são denúncias inverídicas, armada por pessoas com a finalidade de obterem vantagens e criar obstáculos à minha administração".

Durante o encontro, o prefeito apresentou aos representantes da imprensa um documento entregue pela denunciante do departamento jurídico da 18ª ADR e que deixa claro que a intenção é propor um golpe institucional. "Neste documento, a denunciante afirma que foi coagida por algumas pessoas de má fé", salienta o prefeito.

Na oportunidade Mauro falou também sobre a luta para conseguir verbas e aprovações da Câmara para grandes projetos para a cidade. "Preciso unir forças, preciso que os vereadores comecem a enxergar a cidade como um bem para todos. Sem intenções apenas politiqueiras. Os recursos existem, mas sozinho eu não vou conseguir".

Penitenciária Industrial
O prefeito frisou que a proposta de instalação da penitenciária está descartada. "Eu apresentei algo que me foi sugerido e poderia trazer investimentos para a cidade. Mas, se o povo não quer, não vai ter", destacou.

Dívidas governos anteriores
Sobre a atual situação financeira do município, o prefeito salientou que a dívida já acumula um valor superior a R$ 29 milhões. "A cada dia nós temos uma nova posição. São dívidas acumuladas, de gestões anteriores, desde 1999. Mas, mesmo com este valor acumulado, conseguimos honrar as folhas de pagamento, os consignados de novembro e dezembro. Gostaria do reconhecimento. Temos feito o máximo possível".

O prefeito ainda salientou que a população não pode esquecer do que já foi feito por ele, como secretário da ADR com a ajuda do vice-governador, Eduardo Moreira. "Temos hoje a instalação da UTI, a Udesc com o curso de Engenharia de Pesca, a SC-100. São ações encabeçadas por mim", destacou.

Novos projetos
Alheio as denúncias, o prefeito salientou que irá continuar batalhando, junto de seu secretariado, que estava presente em peso na reunião, para realizar e dar andamento a todos as necessidades da cidade.

"Não posso admitir que Laguna continue estagnada. Vamos sim atrás de soluções para nosso Terminal Pesqueiro, iremos sim continuar lutando pela estrada da Barbacena, nosso esgoto será solucionado junto a Casan. E ainda, estamos atrás de recursos para um parque solar para nossa Ponte Anita Garibaldi, mais emendas e apresentação de projetos em vários Ministérios.

Pretendemos fazer, mas preciso somente de ajuda e incentivo. Vamos pensar na cidade, apenas", finalizou.

Fonte: PML

Um comentário:

  1. Creio que está é a postura correta. Dar conta das ações desenvolvidas e garantir com o apoio da municipalidade o crescimento de todos. Sem União nada se consegue. Temos que remarjuntos, numa mesma direção.

    ResponderExcluir