sexta-feira, 7 de julho de 2017

Relíquia: Urna contém terra da primeira sepultura de Anita Garibaldi

No dia 10 de fevereiro de 1980, o acervo da Casa de Anita, localizada na Praça Vidal Ramos, era revigorado com a solenidade de entrega de uma pequena urna (sarcófago) de madeira. Em seu interior, um punhado de terra retirada da Landa Pastorara, em Mandriole (Itália), local da primeira sepultura da heroína de dois mundos, Anita Garibaldi.
A doação à prefeitura da Laguna, feita pela “Societá Conservatrice del Capanno Garibaldi”, composta de garibaldinos da Emilia Romagna, coroava de êxito um trabalho do maçom Salun Jorge Nacif, irmão da Loja Fraternidade Lagunense e membro do Conselho Municipal de Cultura.
Salun durante cinco anos manteve intensa correspondência levando sua solicitação junto às autoridades italianas.
O garibaldino Guerrino Guerrini, presidente da Società, providenciou o envio. A urna contendo a terra da sepultura veio via diplomática das Embaixadas do Brasil e Itália. E trazida a Laguna pelo deputado federal Adhemar Guisi.
 
Local da primeira sepultura de Anita na Itália. Foto: Rádio Marconi
A entrega foi formalizada pelo vice-cônsul da Itália em Santa Catarina Arno Suarez Cuneo, com a presença do prefeito da Laguna Mário José Remor, do vice João Gualberto Pereira, do secretário de Educação e Cultura José Paulo Arantes, do diretor do Museu Anita Garibaldi Manoel Américo de Barros, do historiador Wolgang Ludwig Rau, do deputado Adhemar Ghisi, entre outras autoridades.
Presente também à solenidade, o major Mário Boronzi, membro da Associação Garibaldina, grafólogo, escritor e historiador, que veio da Itália para conhecer a nossa cidade.
Na oportunidade, o dr. Adib Abrahão Massih fez a alocução, ressaltando o valor histórico para o patrimônio municipal. (A madeira da urna necessita de restauração, tantos anos passados).

O arquiteto, historiador e escritor Rau também discursou e fez um pequeno relato sobre as sete sepulturas de Anita na Itália e explicava:

“A terra foi recolhida da primeira sepultura de Anita, na Landa Pastorara, a uma distância de 800 metros da Casa Guiccioli, em Mandriole, onde Anita morreu ao anoitecer de 4 de agosto de 1849, nos braços do marido Giuseppe.
O garibaldinos e seus adeptos, consagraram o local, construindo uma alameda de acesso, com uma monumental coluna erguida, com lápides de mármore contando o que ali aconteceu”.

E finalizou Rau:

“Considerando a universalidade da matéria e do espírito, onipresentes por força do Grande Arquiteto do Universo, Deus, esse punhado de terra arenosa da planície lacustre de Comacchio e de Ravena, ao ser “depositada” na “Casa de Anita”, formaliza o simbólico retorno ao rincão natal da famosa filha da Laguna, Ana Maria de Jesus Ribeiro, esposa dileta do grande José Garibaldi, da nossa Anita Garibaldi”.

Um comentário:

  1. Muito boa a matéria. Desconhecia como foi. José de abreu. Florianópolis.

    ResponderExcluir