quinta-feira, 31 de julho de 2014

Educação vem de berço

Educação vem de berço, vocês sabem. Há os que passam pela vida e nunca a terão, mesmo formados nas maiores graduações escolares. Educação é bem diferente de formação.
Agradecer é demonstração de educação, cada vez mais em desuso nos dias atuais. Assim como “dá licença”, “por favor”, "desculpe".
Os beócios orgulhosos acham que usar essas palavras, utilizar-se desses gestos, é se rebaixar, demonstrar fraqueza, pequenez.

Bem ao contrário. É sinal de grandeza, de elevação, de estar em outro patamar de evolução.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

30 anos da Banda Ave de Rapina

Ontem, a Banda Ave de Rapina se apresentou no palco do Centro Cultural Santo Antônio dos Anjos. Casa cheia e sucesso absoluto, numa das melhores atrações da Semana Cultural.

(O recital de piano, com Pedro Dominguez, marcado para acontecer às 16h30m não aconteceu, frustrando o público que lá compareceu.)

Muitos anos se passaram, tanta mudanças aconteceram com a gente, com os próprios músicos da Banda, transformações... Nem poderia ser diferente. Mas o “Ave” continua o mesmo quando eventualmente se apresenta. É tão bom ouvir e cantar seus sucessos. E rever entre o público, amigos e colegas de juventude de um tempo – década de 80 - que não volta mais, nunca mais. E também toda uma geração mais nova, que era criança ou nem tinha nascido quando do surgimento da Banda, mas que a curte hoje.

Evidentemente que dançar como antes o pessoal da minha geração já não dança mais.
“No presente a mente, o corpo é diferente. E o passado é uma roupa que não nos serve mais”..., como na canção de Belchior.

Duas, três horas em pé há três décadas eram fichinha, tirávamos de letra.
Hoje após sessenta minutos nessa posição - minha nossa! surge uma dor aqui, outra ali. As dobradiças do esqueleto já sofrem a ferrugem do tempo. Idade crocante, vocês sabem...

Ontem as costas até pediam socorro pelo encosto de uma cadeira, mas teimoso não dei os braços – e também as pernas, as costelas e a coluna – a torcer. Resisti bravamente, confesso, e meio que saracoteei (saracoteamos, Julita junto) até o fim do show. 
Já algumas outras canções blues do Ave a gente tem de ouvir de rosto colado na companheira. E abraços, e beijinhos e carinhos sem ter fim... Mas aí já é Bossa Nova.

- Hammmm meus vinte anos de boy, that’s over baby, como canta o Zé Ramalho.

Relembre, na parede da memória, uma apresentação da Banda Ave de Rapina em 1989, pelo SBT, no programa da Mariana Dombrova. Todo mundo novinho, começando a vida, um quê de ingenuidade, cabelo e roupa da hora:


E um show completo, mais recente, ano passado se não me engano:

terça-feira, 29 de julho de 2014

Nota de falecimento++++

Faleceu ontem em São Paulo, onde estava internado com problemas nos rins, pneumonia e após oito dias sofreu um infarto, Jacob Zin.
Funcionário aposentado do então Inamps, depois exerceu cargo na área da saúde na prefeitura de nossa cidade, administração de João Gualberto Pereira (1997-2000).
Funcionário exemplar e dedicado, atendia a todos sem distinção, sempre com uma palavra amiga, uma história, um conselho. 
Membro da Maçonaria, primeiramente na Loja Fraternidade Lagunense e depois na Loja Tordesilhas, onde foi Venerável, Jacob participava de inúmeras entidades beneficentes, mas atuando sempre nos bastidores em campanhas de caridade.
A verdadeira caridade, evidentemente, que é a praticada no anonimato, sempre ao lado da esposa Arlete.
Que o Grande Arquiteto do Universo o receba nos céus.

Sentimentos aos familiares e amigos.

PS: Corpo foi cremado, como era seu desejo, em São Paulo.

Parabéns Laguna em seus 338 anos

Há 338 anos, o bandeirante vicentista Domingos de Brito Peixoto partiu de Santos para fundar aqui no sul a Póvoa de Santo Antônio dos Anjos da Laguna.
"Com seus familiares, escravos, indígenas e homens de arma, pisou pela primeira vez, com propósitos de nele se fixar, o chão sulino e, olhando em torno, escolheu o local que lhe pareceu o melhor para deitar fundamentos a um povoado, dizendo aos circunstantes que acreditava ser aquele o sítio mais apropriado para fazê-lo".

A homenagem singela desta página, neste dia 29 de julho, ao fundador da Laguna, Domingos de Brito Peixoto – personagem de nossa história das mais importantes, infelizmente esquecido este ano na programação oficial da Semana Cultural.


sexta-feira, 25 de julho de 2014

Laguna no programa Cidade X Cidade, de Sílvio Santos

Semana passada, num papo na Raulino Horn, o pessoal começou a relembrar a participação da Laguna, na década de 70, no Programa Cidade X Cidade, do apresentador Sílvio Santos.

Nomes, detalhes e fatos foram mencionados. Na volta pra casa, me lembrei que já havia escrito sobre o tema neste blog, tempos atrás, inclusive trazendo algumas fotos. 
De fato, foi em agosto de 2006, portanto há oito anos. Muita gente leu na época, mas de lá pra cá novos leitores surgiram nesta página e sei que o pessoal não costuma ir aos arquivos, a não ser em busca de algo específico.
Portanto, repito o texto e fotos, atualizado e revisado, com novos dados e nomes, além de algumas frases e opiniões atuais de alguns participantes da época.

O apresentador senior Abravanel, conhecido popularmente como Sílvio Santos, estreou na televisão no ano de 1966, na Rede Globo. Seu programa, com quatro horas de duração aos domingos, era um sucesso no horário.
Em 1969, Sílvio continuava na Globo, e seu programa já durava longas seis horas. Entre os quadros de maior sucesso, estava o Cidade X Cidade, uma gincana cheia de tarefas, regras, comissões e, é claro, competidores. 

Não tenho uma gravação do programa com a participação de nossa cidade. Mas consegui no You Tube,  em duas partes, o quadro Cidade X Cidade no ano de 1980, disputado entre São Paulo e Rio de Janeiro, que mostram bem como era a atração. Aparecem alguns jurados, tarefas, concurso de beleza e até o fusca ganho como prêmio:



A Cidade da Laguna foi inscrita na competição, e até hoje se discute quem foi o responsável pelo fato. Uns afirmam que foi o ex-prefeito Assis Soares. Outros defendem que o responsável teria sido o prefeito Venâncio Luiz Vieira. E há quem aponte o nome do advogado Rogério Carvalho da Rosa pela entrada de nossa cidade na competição televisiva. 
Tenho a confirmação que foi o lagunense Rogério o responsável pela inscrição de nosso município, já que ele trabalhava em São Paulo, numa empresa que prestava serviços ou organizava o programa.

Sílvio Santos saiu da Globo em 1976, já que havia conseguido a concessão da TVS-RJ e passou a exibir seu programa pela Record e Tupi, no Rio de Janeiro; e pela Tupi e TVS, em São Paulo. Em agosto de 1981, vai inaugurar o Sistema Brasileiro de Televisão, o SBT.
Gugu vai voltar depois com o quadro Cidade X Cidade.

Mas ainda estamos no ano de 1978 e Laguna foi chamada a competir.
O prefeito era Mário José Remor. Convidou-se então um coordenador de equipe, o advogado Adib Abrahão Massih; e um relações públicas, na verdade um mestre de cerimônias, nosso amigo, e penso que ainda leitor deste blog, apesar de sumido, Carlos Araújo Horn, que certamente tem muito a comentar sobre o fato. Aliás, as fotos coloridas são de seu arquivo.

Nunca um povo foi tão mobilizado para participar de um desafio
A primeira cidade que enfrentamos foi Caçapava, em 20/05/78, do interior de São Paulo. Meia-dúzia de ônibus daqui partiu com os participantes e torcidas. Laguna foi vitoriosa, e depois da transmissão do programa na tarde de domingo, a coisa explodiu.
Praça Vidal Ramos ficava lotada, com o pessoal se despedindo e desejando
boa sorte aos participantes e suas caravanas.

Na segunda semana nossa desafiante foi a cidade de Tupã, em 27/05/78. Mais de uma dezena de ônibus foi em direção à capital paulista, com participantes e torcida organizada. Uma festa só.
Mais uma vez fomos vitoriosos e na terceira, quarta e quinta semanas, enfrentamos a cidade de Jacareí. Datas: 03, 10 e 17/06/1978.


Vencíamos quase todas as tarefas. Dentre elas, lembro-me que levamos um homem com o maior bigode; um galo que cantou ao vivo no palco (o galo viajou até lá, dentro de um saco de linhagem, levado por um caboclo que garantiu que o bicho ia cantar. E cantou! E cantou tanto que as gravações tiveram que ser interrompidas e ele, o galo, retirado do palco e bastidores. E creio que também do prédio, porque ao longe ainda se ouvia o cantar da ave; o casal casado de estatura mais baixa e mais alta (Este último o seu "Sapiranga" com a dº Conceição); a manchete de jornal mais assustadora (Xaxá com um exemplar do O Renovador e o seu "Monstro da Lagoa Santo Antônio dos Anjos); e nossos três estudantes que venciam sempre no teste de conhecimentos gerais.
Eram eles Flávio Brandão Delgado, Edésio Joaquim e Sara Raquel Nacif Baião.

Edésio ainda hoje relembra uma das perguntas formuladas: Qual era o nome do conselheiro de Kublain Klan? Flávio respondeu e acertou de primeira; na segunda rodada, a pergunta continuava indagando quem era o tal personagem, com uma pequena variação: Quem introduziu o macarrão na Itália? Desta vez Edésio respondeu: Marco Polo. Ponto pra Laguna.

No Clube de Regatas Tietê eram realizadas as provas esportivas, como natação.

Uma homenagem também foi feita ao professor Jairo Ulysséa Baião, Santos Guglielmi e ao saudoso Carlos Cordeiro Horn.

Além do mais, tínhamos quatro mulheres espetaculares, que venceram sempre por suas belezas e simpatias o concurso das mais belas mulheres da gincana. A loira, a morena, a mulata e a negra:  Marion Remor, Simone Cidral, Sônia Nascimento e Sônia Bento. Marion Remor arrancava suspiros e elogios, principalmente do jurado Sérgio Bittencourt.

Reparem bem: Em primeiro plano o saudoso Carlos Horn,  e o professor Jairo Baião, que foram homenageados no programa. No fundo, Carlinhos Araújo Horn, junto às quatro representantes da beleza lagunense. E o fusca como prêmio pela vitória.
Das cinco, fui em duas caravanas de torcida para São Paulo. Na segunda contra Tupã e na quinta vez, contra Jacareí, disputando a “nega”, como se diz, já que havíamos empatado com a cidade na quarta etapa.

Partíamos daqui na sexta-feira, por volta das 19 horas, da Praça Vidal Ramos. Dezenas de ônibus, passagens compradas junto ao comerciante Giorgios Andreadis, da Casa Moderna, lembram?Quatorze horas depois já estávamos no Teatro da Vila Mariana, onde eram gravados os programas.

Primeiro o “De calouros”, até por volta das 13, 14 horas. Foi quando fiz uma dezena (onde está?) de fotos dos jurados, como Décio Pichinini, Araci de Almeida, Pedro de Lara, Danuza Leão, Sérgio Bittencourt, Zé Fernandes, Elke Maravilha, e outros. 
Depois a gravação do tão esperado quadro Cidade X Cidade que era transmitido pela TV no outro dia, no domingo à tarde. Vídeo-taipe, claro, quando já estávamos de volta.

Sílvio Santos gravando o final do programa, ao seu lado Danuza Leão, integrante do júri.
À esquerda, o pessoal da Laguna.
As duas rádios da Laguna, Garibaldi e Difusora, compareciam com repórteres que forneciam flashs do local. Maior audiência.
Durante os intervalos das gravações, muitos artistas e fãs se reuniam para um café/refrigerante num bar defronte ao teatro, foi quando encontrei o dono da voz mais conhecida das tardes de domingo, o do locutor Lombardi, que já faleceu,  que não podia aparecer nas telas por força de contrato. Foi de uma simpatia única e até nos acompanhou num cafezinho. Disse-me, lembro-me bem, que a Laguna era a cidade mais animada que até então tinha passado pelo programa.

Vinhetas da época: “Sílvio Santos vem aí, lá, lá, lá, lá, lá...; ou “A Laguna taí, a Laguna chegou, pra alegrar a senhora e também o sinhô”...

Silvio Santos faz entrega a Carlos Araújo Horn do diploma de participação.
Procurando em meus arquivos, encontro algumas fotos que restaram da ocasião. São fotos em preto & branco, que tirei  por de trás de uma coluna, já que os seguranças do programa não deixavam ninguém fotografar. 
Somente mulheres sentavam no auditório e eram escolhidas as mais, digamos, apresentáveis para as primeiras filas. De minissaia e shorts. É assim até hoje.

Os homens tinham que ficar lá atrás, nos fundos, escondidos, não aparecendo para as lentes das câmeras. Consegui um lugar fora do alcance das filmagens. Era a única maneira de fotografar com minha pequena Kodak Instamatic 54x. Zoom? Isso não existia pra mim. Fazer o quê?

O representante de Caçapava e Carlinhos Horn da Laguna.

As gravações.


À esquerda, participantes de nossa cidade.
Evidentemente o programa tinha também o intuito comercial, e no instante em que a cidade começava a participar do quadro, diversas kombis aportavam nas duas cidades concorrentes com dezenas de vendedores oferecendo o carnê do Baú. Parece-me que Laguna, com o tempo, não atendeu às expectativas de vendas. Um dos veículos ficava estacionado defronte à Praça Paulo Carneiro, com os vendedores oferecendo os carnês aos pedestres.

Enfim, perdemos na quinta rodada contra Jacareí e lembro-me bem a recepção na Laguna aos participantes e torcidas. Já era o mês de junho e até a imagem de Santo Antônio veio recepcionar a caravana, na frente da Matriz. Discurso inflamado do dr. Adib, protestando que fomos injustiçados.
Chegada da caravana da Laguna, mais de 14 ônibus.


Os prêmios pelas vitórias no programa foram automóveis Volkswagens, uns fuscas cor de burro-quando-foge, que posteriormente foram sorteados numa rifa, com a renda em prol de entidades beneficentes de nossa cidade.


Nota de falecimento +++

Faleceu nesta manhã, no hospital CEPON (Centro de Pesquisas Oncológicas), em Florianópolis, onde estava internada, a senhora Telma de Oliveira Bacha, aos 68 anos, esposa de Ibraim Bacha.
Deixa os filhos André, Karin, Rodrigo e Almiro.
Sentimentos aos familiares e amigos.

Corpo está sendo transferido para Laguna para o velório e sepultamento.

PS: Velório na sala mortuária da funerária Santo Antônio dos Anjos (ex-Cine Roma), e sepultamento na manhã deste sábado.



quarta-feira, 23 de julho de 2014

A Globo e Hollywood não sabem o que estão perdendo

A Rede Globo e outras emissoras de televisão, não sabem o que estão perdendo.

Se mandassem uns olheiros à Laguna, contratariam alguns atores e atrizes para seus núcleos de elencos.
São personagens prontos e acabados que não precisariam nem fazer laboratórios para desempenhar seus papeis.

Tem cada artista! Para todos os gostos, com a vantagem é que já estão treinados e ensaiados para entrar em cena. Pode ser no gênero romance, tragédia policial, drama, ficção e alguns até terror.

Há bandidos desempenhando papel de mocinhos; ladrões posando de honestos; vigaristas de folha corrida achando-se injustiçados; malandros notórios e conhecidos de uma existência dizendo-se sempre assíduos trabalhadores; pobres posando de ricos (esse é o tipo mais comum)...
Alguns desses artistas merecem, há tempos, prêmios pelos seus ótimos desempenhos nos palcos da vida.

Um Oscar, um Globo de Ouro, um Troféu Imprensa viriam a calhar por justo e reconhecido merecimento.
Sinceramente, a Globo e Hollywood não sabem o que estão perdendo.

Pois então, abrem-se as cortinas, acendem-se os refletores, rufem os tambores no recinto e
And the Oscar goes to ...


(Escolham os seus preferidos).

terça-feira, 22 de julho de 2014

Nota de falecimento++

Faleceu ontem à tarde em nossa cidade, Erotildes Garcia, o “seu” Tidinho, 83 anos.
Foi presidente da Escola de Samba Brinca Quem Pode, e garçom por profissão. Trabalhou durante muitos anos nos eventos sociais da Laguna, principalmente em bailes no Clube Blondin, onde comandava a turma toda. Educado, atencioso com todos, fez muitos amigos. Residia no bairro Campo de Fora. Deixa dez filhos (seis mulheres, quatro homens).
Sentimentos aos familiares e amigos.


Corpo está sendo velado na capela mortuária do bairro Progresso e sepultamento ocorre às 14 horas desta terça-feira.

domingo, 20 de julho de 2014

Nota de falecimento+

Faleceu agora à tarde no hospital Regional de Araranguá onde estava internado há onze dias, Rogério Wendhausen, aos 76 anos.

Foi comerciante em nossa cidade (Loja Azulejão), presidente da Associação Comercial e Industrial da Laguna – ACIL (1979-1981), vice-prefeito, prefeito em exercício, secretário de governo nas pastas de saúde, finanças e obras nos governos de João Gualberto Pereira (1983-1988) e (1997-2000), membro da Irmandade e do Coral Santo Antônio dos Anjos.
Deixa a esposa Alba  e os filhos Rogério Jr. e Cláudia, além da irmã Maria Salete Wendhausen Barbosa.

Sentimentos aos familiares e amigos.


PS: corpo está sendo transferido para Laguna e será velado na sala mortuária da Central de Luto Cristo Rei, ao lado do Ceal. Sepultamento ocorre nesta segunda-feira às 15 horas.


sexta-feira, 18 de julho de 2014

Criador X criatura. Ou os nossos monstros do dia a dia

General Golbery do Couto Silva, um dos articuladores do golpe de 1964, no fim de sua vida, estertores da ditadura militar do Brasil, em entrevista em forma de desabafo, disse que havia parido um monstro.
Referia-se à criação, por ele, do temível Serviço Nacional de Informações, o SNI, que havia extrapolado suas funções originais, tendo vida própria e já não seguia mais as instruções de seu criador e primeiro gestor.

Na peça, livro e filme Frankenstein, a lenda do médico e monstro criado em laboratório, a revolta contra o próprio criador.
Criatura em geral mostrada monstruosa que se liberta do criador - economicamente, emocionalmente, psicologicamente? – numa rebeldia antropofágica, porque ao fim de tudo sucumbem os dois.
E não é assim em todas as situações? Na política, nos negócios, nas amizades, na família?
Luta do bem (novo, forte e triunfante) contra o mal (velho, fraco, perdedor)?

Chico Buarque canta em “Canção desnaturada”, a sua decepção, através da dor de uma mãe ao ver sua filha fugir com Max Overseas, no musical Ópera do Malandro.
Chico diz, entre outras coisas, usando a voz materna, e é claro feminina:

Se fosse permitido
Eu revertia o tempo (...)

(...) Recuperar as noites,
Que atravessei em claro
Ignorar teu choro
E só cuidar de mim...

Deixar-te arder em febre, curuminha
Cinquenta graus, tossir, bater o queixo
vestir-te com desleixo
Tratar uma ama seca
(...)
Tornar azeite o leite
Do peito que mirraste
No chão que engatinhaste, salpicar
Mil cacos de vidro

Pelo cordão perdido
Te recolher pra sempre
À escuridão do ventre, curuminha
De onde não deverias
Nunca ter saído.

Não é pura decepção de uma genitora (criadora)? A ponto de desejar que a filha (criatura?) nunca existisse? Ou que retornasse às origens? Arrependimento por tudo que fez em benefício da cria?

E aí fiquei meditando com meus botões da camisa: quantos monstros criamos ao longo de nossa existência? Monstros que cuidamos, alimentamos e depois se volvem contra nós?

Das monstruosidades imaginárias e apavorantes da nossa infância, na forma de bicho-papão, lobisomens, bruxas, homem do saco, etc., passando pelos pecados e traumas de toda uma existência perpetrados pela religião cristão-ocidental.

Das dúvidas, traumas e fobias da passagem da pré e adolescência, até anomalias de sangue, carne e osso, educados e diplomados já na fase adulta e que “hipócritas, andam disfarçados ao redor”.

Dos sorrateiros de sempre, procurando o momento adequado para nos assustar/matar no conhecido e dolorido punhal da traição.
- Até tu, Brutus? Na frase interrogativa e decepcionada do imperador Júlio César.

Por isso as tantas desilusões, os desapontamentos com atitudes mesquinhas, vaidosas, rancorosas e odiosas.
Na verdade esperamos demais dos outros e por isso as mágoas existenciais por aí, com comportamentos alheios que imaginávamos - tolos e ingênuos que somos - sempre diferentes.
Ou pelo menos não decepcionantes.

 ***


Mas é isso. Não liga não leitor, são divagações deste pobre escriba numa sexta-feira nublada de julho, vento sul, sujeita a chuvas e trovoadas.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

O mais do mesmo

Já escrevi aqui nestas páginas, em vários anos e administrações, sobre a realização da chamada “Semana Cultural da Laguna”.
Não me repito ao leitor, já estou cansado de me reproduzir aqui em tantos outros assuntos. Se houver interesse em alguma leitura, basta clicar, por exemplo, em:

Pois ontem, terça-feira, a menos de uma quinzena do início do evento, foi divulgada oficialmente a programação no site da prefeitura da 33ª Semana Cultural, a ser realizada este ano.

Programação aqui:

Que acharam? Leram direitinho? Novidades?  Gostaram? Não gostaram?
Como se lê, não haverá - mais uma vez - nem tomadas nem repúblicas. E nem vou entrar no mérito da questão, que o assunto dá pano pra manga.

50 mil reais para o Moto Laguna de inverno
A Semana é quase uma repetição em algumas atrações de anos anteriores. Exceção da realização do encontro de inverno de motociclistas, através do Laguna Moto Clube, entidade, é bom salientar, que recebeu da prefeitura, via Fundo Municipal de Turismo, através do Convênio 024/2014, a importância de 50 mil reais para realização do evento.
Nada de concurso literário, maratona fotográfica, torneio de pesca, futebol, mostra de cinema, encontro de bandas, corais, etc. Sequer umas rodadas de dominó.
Aliás, não há nem a participação do nosso Coral Santo Antônio dos Anjos!
E o Boi de Mamão? E as Bandas Carlos Gomes e União dos Artistas?
A Semana Cultural não é para resgatar a história e tradição?

No programa divulgado também não consta a tradicional salva de tiros às 6 da manhã, no dia 29, lá dos altos do Morro da Glória.
Ou querem a surpresa ou esqueceram de citar.

Vivas para a homenagem ao artista plástico Richard Calil Bulos, pena que chega tão tarde, ele que tanto lutou por Laguna através de seus escritos. E pagou muito caro por isso. Mas  Xaxá não gostava de homenagens, é bom que se diga. Mas exposição é sempre bem vinda.

E vivas também para o cartaz da Semana Cultural deste ano, que estampa o arquiteto, historiador, escritor e pesquisador Wolgang Ludwig Rau, responsável, junto com Salun Nacif, pela quase totalidade dos monumentos históricos da cidade (Tordesilhas, Jerônimo Coelho, Domingos de Brito Peixoto, Garibaldi...) além do projeto arquitetônico do Cine Teatro Mussi, inaugurado em 1950.

Mas a melhor homenagem que Rau poderia receber, seria a criação e inauguração de um espaço adequado, condizente, para receber sua valiosa coleção garibaldina, atualmente apertada na Casa Pinto Ulysséa.
E não deixar - jamais! - que seu acervo - cedido em comodato - retorne ao governo do estado, via Fundação Catarinense de Cultura - FCC, por isso ou por aquilo. Seria um absurdo!

Esqueceram a homenagem ao fundador?

E, finalmente, uma omissão imperdoável. 
Alô, alô, Leonardo Pascoal, alô, alô prefeito Everaldo dos Santos. Não há qualquer menção, no dia 29 de julho, dia do aniversário da cidade, a uma solenidade em homenagem ao Fundador da Póvoa de Santo Antônio dos Anjos da Laguna, o vicentista Domingos de Brito Peixoto.
Depositar, ao menos, uma corbelha aos pés da estátua, ali defronte ao Cine Mussi, ao som do nosso hino e bandeira.
A não ser que já tenham decidido – e eu não fiquei sabendo - que Domingos de Brito Peixoto não é mais o fundador da Laguna.


Pronto! Falei!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Trocando figurinhas

Alfredo Dias, o conhecido Babá do B.B. (Banco do Brasil) comenta comigo que sua figurinha do Barriga Verde F.C., de 1962, (nº 75) inserida no álbum era considerada fácil, ou “cherne” como se dizia naqueles tempos.
(Já estampei a página do álbum aqui no Blog há poucos dias, mas o repito, não tem problema).
O Barriga Verde foi campeão do Torneio Início daquele ano.

Elas, as figurinhas, não vinham dentro de envelopes como atualmente, mas enroladas num papel amarelo, em uma bala guloseima chamada Seleções.
O pessoal quando abria e via que era o Babá exclamava:
 – Que abuso! e jogava o papel ao chão. Sua fotografia rolava aos montes pelas ruas e calçadas, ele hoje conta rindo.
Em compensação, lembra Babá, a do Luiz Paulo Carneiro era figurinha difícil (nº 69), e dava direito a prêmios, como uma bola de futebol, boneca, etc.
E o Babá finaliza:

- Sabe como é, filho do dr. Paulo Carneiro, prefeito da Laguna, presidente do Blondin, o Luiz Paulo era figurinha carimbada.

Álbum do Barriga Verde F.C. 1962
Babá. Figurinha fácil, "cherne".

Luiz Paulo Carneiro. Figurinha carimbada.
Dava direito a prêmios, como bolas e bonecas.