terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Um Ano Novo Feliz a todos os leitores

Fim de ano é tempo de retrospectivas. De conferir o balanço de nossas vidas. Débitos e créditos, despesas, investimentos, perdas e lucros.
É tempo também de recomeçar, numa nova data marcada pelo calendário convencional dos homens.
Tempo de promessas, maioria delas de difícil realização. Mas acreditar é possível, esperança sempre, eis aí uma das grandes dádivas de Deus.
Que o ano de 2014 seja repleto de esperanças e realizações a todos vocês. Que façamos nossa vida melhor, ao lado de quem amamos - e de quem nos ama -, familiares, amigos, colegas, vizinhos e que a nossa cidade possa tornar-se cada vez mais um lugar feliz.
Que a consciência cale fundo em cada político, nos administradores eleitos e suas promessas de realizações. Que suas ações sejam planejadas e não executadas de última hora, no afogadilho, querendo mostrar serviço. Não enganam mais. E que visem muitas dessas ações não o interesse próprio ou de um grupo, mas a felicidade dos cidadãos e que estes fiquem mais conscientes, exercendo verdadeiramente suas cidadanias, cobrando, exigindo dos seus representantes. E sem memória curta.

***

Ontem à tarde, segunda-feira, uma chuva de verão caiu sobre Laguna. Trovoadas, nuvens escuras, o dia virou noite, relâmpagos...
Minutos depois o sol voltou a brilhar e o fim de tarde mostrou todo seu colorido sobre os céus e a Lagoa Santo Antônio dos Anjos, de nossa cidade. Um arco-íris riscou o céu em seus matizes.


Uma demonstração de que tudo é efêmero, sempre há um recomeço e é preciso acreditar. Sempre.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Resultado do Sorteio do “Natal Premiado”, realizado pela Acil

O Sorteio da promoção "Natal Premiado" foi realizado no dia 27 de dezembro às 15h no auditório da Associação Empresarial da Laguna. O clima foi de alegria ao destacar os nomes dos contemplados. Proprietários e representantes das mais de 70 lojas participantes depositaram os cupons na urna principal, na expectativa de que seus clientes fossem os sorteados. A premiação total é de R$ 10 mil, divididas em 40 vale-compras de R$ 250,00 para privilegiar mais pessoas que acreditaram e investiram no comércio da cidade. A retirada dos prêmios poderá ser efetuada na ACIL a partir do dia 10 de janeiro de 2014.
Realização: ACIL. Apoio: CDL e Sincaval.

Confira abaixo os 40 ganhadores e as respectivas lojas:

1.         Maria Aparecida A Matar - Paraiso Presentes
2.         Rejane c Guedes - Le Mince
3.         Izaltina F. Vieira - Farmácia Fórmula Exata
4.         José Adilio de Souza - Pé de Pano Lingerie
5.         Pricila da Silveira - Cássia Modas
6.         Edna Cristina Rosa Cardoso - Cacau Show
7.         Helena Boppre Nunes - A Soberana Calçados
8.         Ilda Maria Ramos Guedes - Ótica e joalheria Werner
9.         Kely dos Reis Araujo - Paraíso Presentes
10.       Angelica da S. M. Farias - A Soberana Calçados
11.       Maria Albertina da Rosa - Ki-Lojão
12.       Rosililia Gordo Francisco - Mormaii
13.       Rosimere da Silva - Loja Primavera
14.       Flavia Nobre - O Boticário
15.       Rudmar Goulart da Silva - Colégio Stella Maris
16.       Pedro Augusto C Rosa - Paraíso Presentes
17.       Edson Remor Guedes - Le Mince
18.       Albertina Borges de Souza - Baiense Celular
19.       Maria Aparecida M Albino - Sala Vip
20.       Berenice Iara Calazans - Comércio de Confecções Lapa
21.       Paulinha Wigger - Paraíso Presentes
22.       Rosilene André Teixeira - Eletro Fretta
23.       Carlos Henrique de Souza Ávila - Ki-Lojão
24.       Antonio Medeiros Kuerten - Pé de Pano
25.       Hilario Szultz - Banco do Brasil
26.       Dilamar Ferreira da Rosa - Mormaii
27.       Karoline Oliveira Luz - By Chelo
28.       Rodrigo Martins Goulart - RM Ótica e Relojoaria
29.       Mario Prates - Rainha Calçados
30.       Alexandra Borges Souza - Colégio Stella Maris
31.       Helenita de o. Barbosa - São Paulo Magazine
32.       Gean Machado da Silva - Mormaii
33.       Pedro R. Rocha - São Paulo Magazine
34.       Kelly Amorin - Casa São Paulo
35.       Ricarda de F. S. Martinho - Bella Distribuidora
36.       Marcelo Machado da Silva - Paraiso Presentes
37.       Nelson José Gomes Siqueira - Eletrolar
38.       Braz Vieira - Ótica e joalheria Werner
39.       Ana Caroline R Peralta - Mormaii
40.       Maria Terezinha Oppermann - Ak´s Jeans


Fonte: 
Acil

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Dois jovens exemplos

Há uma linha de pensamento, adágio ou tese, que diz que filho bom já nasce pronto. Há também quem diga que filho bom é fruto 50% de seu nascimento; sendo a outra metade em função da criação de pais, tios e avós.

No mundo de hoje, ter um filho estudioso, trabalhador, com alicerces firmes, fincados em bases sólidas de valores de vida, é uma benção.
Na sociedade dos dias atuais, com seus valores efêmeros, suas teias que capturam os mais desprevenidos e desprovidos de valores morais, impondo regras do ter antes do ser, induzindo às drogas, ao consumismo, ao materialismo e valorizando em demasia bugigangas eletrônicas, ter um filho que não se deixa levar pelos prazeres mundanos e por todas as ilusões, é uma dádiva para poucos.

Ter um filho hoje em dia, que fique distante de tudo isso e que se dedique ao estudo, a evolução do saber, buscando galgar degraus de sabedoria é uma dádiva de Deus a quem se deve sempre orar e agradecer pela graça.

Pois se ter um filho assim já é difícil, convenhamos, então imagine ter dois que seguem todos esses preceitos?
Pense em dois jovens inteligentes, corretos em seus modos de ser, honestos, sinceros, e que, mesmo com todos esses atributos, essas qualidades, mantém-se humildes e bons de coração, educados com o próximo e queridos por todos?
Quase impossível não é verdade? Quantos exemplares você conhece? Existem muitos por aí? Contam-se nos dedos de nossas relações.
Família querida: Marianto, Fernanda, Angelita, Gustavo, Dida e Fernando (Mego).
Pois os filhos de Angelita Tasso Borges Fernandes e Fernando Lopes Fernandes, o  Mego, são tudo isso e muito mais.
Os netos da dª Dida e do seu Marianto, orgulhos de vô e vó, provam àquela máxima que o fruto realmente não cai longe do pé. E da madrinha, já que a Julita com muito orgulho abençoou o Gustavo na pia batismal e adora os dois irmãos.
Gustavo com a madrinha Julita.
Fernanda e o Gustavo sempre demonstraram, desde cedo, qualidades de espíritos evoluídos que são.
Exemplos de jovens que procuram elevar-se acima da mediocridade reinante e  que bem por isso merecem os aplausos de todos que os conhecem.
Fernanda, atualmente cursando o quarto ano de Medicina da Ufsc, é toda meiguice e determinação, demonstrando desde cedo a excelente profissional da saúde que já é  e será sempre. Em fevereiro que vem, segue para Tunísia, no norte do continente africano, onde fará estágio de três semanas em Tunis, no Hospital Charles Nicolle.
Os pais Fernando (Mego)  e Angelita com o filho Gustavo.
Gustavo, também ele aluno da Ufsc, sexta fase do curso de Engenharia Mecânica, segue neste dia 29 de dezembro para Toronto, no Canadá, onde na Universidade de lá, e durante um ano, fará Engenharia Mecânica com bolsa que conquistou. Um ranking das universidades dos Estados Unidos e Canadá, coloca a Universidade de Toronto em segundo lugar, atrás da Harvard, e no topo da lista de todas as universidades públicas norte-americanas.

Eis dois jovens, irmãos, que são precoces exemplos de vida, neste mundo tão conturbado dos dias atuais.
Parabéns a Fernanda e ao Gustavo, aos seus orgulhosos pais, tios e avós e tenham a certeza que merecem os nossos aplausos por mais estas conquistas que saberão por em prática nas trajetórias de suas vidas profissionais em prol do ser humano.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz Natal!

As esperanças sempre se renovam de dias melhores e mais felizes.
Ele vive, apesar do materialismo, do consumismo, do egoísmo dos nossos dias. Ele vive – apesar de tudo.
Um Feliz Natal a todos os leitores do Blog.
E nada melhor para retratar sua presença, nascimento e aniversário, que o lindo presépio da Matriz Santo Antônio dos Anjos. Presépio, símbolo da existência de Deus e de todo seu amor.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Curitiba é bonita demais

Curitiba realmente é a capital do Natal, ótima sugestão para as férias. A cidade se enche de luz, atrai turistas de toda parte para assistir os espetáculos.
Nossa Senhora da Luz dos Pinhais foi seu primeiro nome. Uma vista panorâmica de Curitiba, mostra como a capital dos paranaenses é muito grande. Sinceramente não tinha noção real do seu tamanho.
A população de Curitiba de acordo com Censo 2010 é de 1.746.896 habitantes (100% urbana; 832.500 homens e 914.396 mulheres).

Em 2006 a cidade ocupou a sexta posição entre as melhores cidades brasileiras para realização de eventos e turismo de negócios; no mesmo ano, o fluxo de turistas superou o número de habitantes. É o centro econômico do estado do Paraná e o quarto maior PIB do país

Em 2007 a capital paranaense foi eleita pela revista Viagem e Turismo, da Editora Abril, como a 4ª melhor cidade brasileira para viagens e turismo, ficando à frente de grandes centros turísticos nacionais, como Fortaleza, Natal, Gramado, Maceió e Recife.

Problemas? Muitos, como os de uma grande metrópole. O transporte público não é mais o mesmo mas ainda continua sendo modelo, encontrar um táxi não é fácil, muitos andarilhos, violência...

Mas é Curitiba, cidade cosmopolita, que continua bonita, apesar de milhares de pixações que enfeiam muros e prédios e lugares os mais inusitados, em disputa de grupos rivais.
Mas a cultura... ah! a cultura. Nunca vi uma cidade com tantas bancas de jornais e revistas. Em cada esquina, praça e rua se encontra no mínimo uma. E livrarias, sebos... Sem falar nas tantas feiras e feirinhas com seus artesanatos. E shows e peças teatrais que passam por cima de Florianópolis e vão direto a Porto Alegre. E floreiras, as praças e jardins bem cuidados, não se vê lixo no chão. Realmente é outro mundo, um ótimo lugar para se viver, bem por isso que o curitibano não troca sua cidade por nenhum outro lugar.


O Jardim Botânico de Curitiba ou Jardim Botânico Francisca Maria Garfunkel Richbieter, presta uma homenagem à esta urbanista.
É um dos principais pontos turísticos da cidade de Curitiba.

Em 2007 foi o monumento mais votado numa eleição para escolha das Sete Maravilhas do Brasil, promovido pelo site Mapa-Mundi.


Uma foto de recordação para o álbum, não pode faltar.

O Palácio Avenida é um dos mais importantes edifícios históricos de Curitiba no Natal Luz. Desde 1991, é tradicionalmente realizado nas janelas do Palácio Avenida, misto de agência bancária (HSBC) e espaço cultural, um espetáculo natalino com coral de crianças e músicas típicas.


A viagem pela Serra do Mar até Morretes, em trem, para provar o famoso Barreado, prato típico.Os dois imperdíveis.

As tradicionais Feiras de Natal nas Praças Santos Andrade e Osório.



O Museu Oscar Niemeyer.
O Museu é conhecido como o Museu do Olho, devido ao design de seu edifício, muito embora a inspiração seja a da árvore-símbolo do Paraná, o pinheiro-do-paraná (Araucária Angustifolia). O primeiro prédio foi projetado por Oscar Niemeyer em 1967, fiel ao estilo da época, concebido como um Instituto de Educação. Inaugurado no dia 22 de novembro de 2002 com o nome de Novo Museu. A instituição tem como foco as artes visuais, a arquitetura e o design, e seu acervo, atualmente representa uma instituição cultural com projeção nacional e internacional.

Bondinho da leitura, em plena rua XV de Novembro, no centro. O Bondinho foi instalado na Rua XV em 27 de outubro de 1973, na sequência dos trabalhos de implantação do calçadão da Rua das Flores. Mais recentemente o Bondinho passou por obras de revitalização e, em 20 de novembro de 2010, transformou-se no Bondinho da Leitura, posto de atendimento para o empréstimo gratuito de livros, que é parte das diversas ações do programa Curitiba Lê, desenvolvido pela Prefeitura e Fundação Cultural de Curitiba.
Quem circula pelo calçadão diariamente pode tomar emprestado livros de literatura de forma simples e gratuita, apenas com um documento de identificação e informando o endereço. No acervo, os leitores encontram clássicos da literatura brasileira e universal, e obras atuais de autores brasileiros e estrangeiros. Estão disponíveis mais de 2.500 títulos para todas as idades.

A chamada Linha Turismo, que passa por 24 pontos de Curitiba, com ônibus de dois andares.  A linha circula a cada 30 minutos e percorre 44 quilômetros em duas horas e meia. A capacidade total é de 92 pessoas, com espaço adaptado para cadeirantes e área para deficientes visuais acompanhados de cão-guia. Os veículos ainda são equipados com sistema de som para fornecer informações gravadas sobre os locais visitados em três idiomas: português, inglês e espanhol. É outro papo, não?
O roteiro começa na Praça Tiradentes, porém é possível embarcar no ônibus em qualquer um dos pontos de seu trajeto. O bilhete dá direito a um embarque e quatro reembarques, ou seja, o passageiro pode escolher quatro pontos para desembarcar e visitar, voltando quando quiser nos próximos ônibus, para continuar o passeio.
O bilhete custa R$ 27 e a linha funciona todos os dias da semana até o Carnaval.
 
A Estação-Tubular da Praça Tiradentes e o Ônibus Turismo.
As Estações-tubo. Curitiba possui um exemplar sistema de transporte público urbano. Serve de modelo para outras cidades, sem dúvida.

Os ônibus de Curitiba transitam por linhas de vias expressas exclusivas e possuem as chamadas estações tubulares de embarque. O sistema está sobrecarregado, dizem os técnicos, mas ainda é exemplo.


A Boca Maldita
“Boca Maldita" é a denominação de um espaço, sem área determinada, mas ao redor dos cafés, bancas de revista e bancos do calçadão na Avenida Luiz Xavier (Rua das Flores) no centro de Curitiba, onde se reúnem os "Cavaleiros da Boca Maldita de Curitiba", confraria esta que disseca todos os assuntos presentes nas manchetes dos jornais do momento em uma tribuna livre de palavras e pensamentos.
As floreiras de Curitiba bem merecem ser copiadas.

O obelisco existente em frente ao hotel Braz, faz uma homenagem ao local e a confraria.
Rua das Flores. Primeiro calçadão do Brasil.

A Boca Maldita surgiu em 13 de dezembro de 1956, fundada por um grupo que reunia, entre outros, o eterno presidente Anfrísio Siqueira e o jornalista Adherbal Fortes de Sá Junior. A institucionalização do espaço de conversas, no calçadão da Rua das Flores, se deu em 13 de dezembro de 1966 (data anterior ao calçadão), quando da criação dos estatutos e seu registro ocorreu em 29 de setembro de 1975”.
O lema da entidade é: "nada vejo, nada ouço, nada falo". (Fonte Wikipédia).


E daí? Ainda temos a nossa boca maldita aqui na Laguna também? Ou não? Pelo menos o lema da confraria lá de Curitiba hoje em dia é seguido religiosamente por muitos na Laguna que nunca querem se comprometer: "Nada vejo, nada ouço, nada falo".

domingo, 22 de dezembro de 2013

Pintando e repintando

Lembra daquela nota feita há alguns dias cobrando as faixas de segurança para pedestres que se encontravam apagadas?

Pois esta semana funcionários do Departamento de Trânsito municipal, inclusive no período noturno para não atrapalhar o trânsito, estão pintando e repintando a chamada sinalização horizontal da cidade.
Melhor assim, mesmo em cima da hora, aos 46 minutos do segundo tempo.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

52 municípios com contas rejeitadas pelo TCE referentes ao exercício de 2012. Laguna é um deles

O Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE/SC) completou, na última sessão plenária do ano, realizada nesta quarta-feira (18), a apreciação das contas dos municípios catarinenses referentes ao exercício de 2012. O número de contas com parecer pela rejeição cresceu se comparado com o ano anterior: de 11 para 52.

São eles: Alfredo Wagner, Anita Garibaldi, Araquari, Barra Velha, Bela Vista do Toldo, Braço do Norte, Calmon, Campo Belo do Sul, Campo Erê, Canelinha, Catanduvas, Caxambu do Sul, Celso Ramos, Cocal do Sul, Faxinal dos Guedes, Garopaba, Governador Celso Ramos, Grão Pará, Gravatal, Herval D’Oeste,  Irani, Itá, Itaiópolis, Ituporanga, Jaguaruna, Joinville, José Boiteaux, Laguna, Lauro Müller, Major Vieira, Maravilha.
Completam a lista os municípios de Matos Costa, Monte Castelo, Morro da Fumaça, Morro Grande, Otacílio Costa, Painel, Palma Sola, Palmeira, Papanduva, Ponte Alta, Pouso Redondo, Porto União, Rio do Campo, Rio Negrinho, Santa Cecília, São Cristóvão do Sul, São Martinho, Sombrio, Timbó Grande, Vargem e Xaxim.

Na apreciação das contas anuais, o TCE/SC verifica se o balanço geral representa adequadamente a posição financeira, orçamentária e patrimonial do município em 31 de dezembro e se as operações estão de acordo com os princípios fundamentais de contabilidade aplicados à Administração Pública municipal.

A manifestação do Tribunal, que pode ser por recomendar a aprovação ou a rejeição, orienta o julgamento das contas dos prefeitos pelas respectivas câmaras municipais e, segundo a Constituição Estadual, só deixa de prevalecer por decisão de dois terços dos vereadores.

Para o presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Salomão Ribas Junior, uma das razões para o aumento do número de contas com parecer pela rejeição é a dificuldade de muitos gestores cumprirem a Lei de Responsabilidade Fiscal em ano de final de mandato.

Pela área técnica, nós teríamos mais de uma centena de contas rejeitadas. Agora, é evidente que isso passa por uma ponderação tanto pelo Ministério Público, quando faz o seu exame, quanto pelo relator e, depois, pelo Plenário. Aumentou o número de contas com parecer pela rejeição. Houve um apuramento na parte do relatório técnico que também ajudou a conduzir. E também houve algumas dificuldades por parte das prefeituras. Era ano de eleição, uma certa frouxidão do cumprimento dos limites, extremamente rígidos da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), em nome de melhor desempenho para ganhar a eleição. Isso, claro, que contribui para que haja no final maior volume de restos a pagar e maiores transgressões da questão do déficit, sobretudo, déficit financeiro. Isso de fato aconteceu. Mas eu acredito que há um percentual razoável, considerando a regra geral de bom desempenho contábil das prefeituras de Santa Catarina.

Prefeitos e câmaras de vereadores podem solicitar a reapreciação das contas anuais depois da manifestação do Pleno, conforme prevê a Lei Orgânica do Tribunal de Contas. Chefes de executivos têm 15 dias após a publicação da decisão do TCE/SC no Diário Oficial Eletrônico (DOTC-e) para fazer o pedido de reapreciação. Legislativos municipais têm 90 dias, contados a partir do recebimento do processo.
Fonte: TCE/SC

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

No apagar das luzes de 2013, aumento de subsídios (salários) e alteração de estrutura na prefeitura da Laguna

No apagar das luzes do ano da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de 2013, Executivo lagunense manda dois projetos de lei para aprovação dos nobres vereadores, em sessão extraordinária realizada nesta quinta-feira, 19. Os dois projetos para 1ª votação são:

Projeto de Lei Complementar nº 031/13 (1ª votação).
Ementa: Altera a estrutura da Administração Municipal, extingue cargos, departamentos, coordenações e divisões, dispõe sobre vencimentos e cargos que específica e dá outras providências.

Projeto de Lei Complementar nº 032/13 (1ª votação)
Ementa: Reajusta o subsídio do Prefeito, Vice-Prefeito, dos Secretários e Secretários Adjuntos Municipais do Município de Laguna e, dá outras providências.

Pois é... Alguma dúvida que serão aprovados? Bem provável que por unanimidade ou ampla maioria.
Não vai ter um abraço de protesto na Prefeitura ou na Câmara, como em Gravatá?

Luiz Lauro Pereira Jr. – Modelista de embarcações, brilhando lá fora

Recebo das mãos do Luiz Lauro Pereira Jr., o Laurinho, filho do Lauro Pereira e da dª Geninha, não tem? Duas obras de grande valor e que ainda não possuia em minha biblioteca. Desde já agradeço ao Laurinho pela lembrança.

O livro “Barcos do Brasil”, editado pelo Iphan em 2011, que reproduz a exposição do mesmo nome, que reuniu 89 modelos de embarcações tradicionais brasileiras que fazem parte da Coleção Alves Câmara Século XXI.
A confecção de réplicas na escala 1:25 dos “barcos do Brasil” foi iniciada em 2005 pelo Museu do Mar, com o incentivo do navegador Amyr Klink e o apoio do Iphan. Três dos melhores modelistas navais do Brasil foram contratados para a missão.
Diz o presidente do Iphan, Luiz Fernando de Almeida, que “Carlos Heitor Chaves, Cnny Baumgart e Luiz Lauro Pereira Jr., podem ser considerados três dos melhores e mais experientes modelistas navais brasileiros, profundos conhecedores da história e dos detalhes construtivos dos barcos tradicionais brasileiros”.
Os trabalhos desses três, mais o do artesão Cilfarney de Oliveira, que confeccionou os personagens – marinheiros, pescadores, mestres, timoneiros, remadores, em escala – comporam o Projeto Barcos do Brasil, lançado pelo Iphan em 2008.

A outra publicação, é o 1º Seminário do Patrimônio Naval Brasileiro, composto pelos anais do primeiro seminário do gênero a realizar-se no Brasil e que aconteceu em março de 2005, em São Francisco do Sul –SC, que possui, como vocês sabem, o Museu Nacional do Mar.
Em 168 páginas traz dezenas de fotos e artigos sobre o tema, como “Métodos empíricos na construção naval”, de Armando de Senna Bittencourt; “Viagens de reconhecimento dos barcos tradicionais brasileiros”, de Dalmo Vieira Filho; “Embarcações do Maranhão”, de Luiz Phelipe Andrés; “Projeto de pesquisa sobre o patrimônio naval brasileiro”, de Edson Fogaça; “Piperis, almadas, jangadas”, de Nearco Araújo; “A nova coleção Alves Câmara”, de Carlos Heitor Chaves; “Navegando no modelismo”, de Conny Baumgart; “O restauro da canoa Luzitânia”, de Carlos Eduardo Ribeiro; e “Resgate das embarcações tradicionais regionais”, de Luiz Lauro Pereira Júnior.

O lagunense Luiz Lauro, em dez páginas, aborda a Canoa de Convés, embarcação histórica, típica das Lagoas Santo Antônio dos Anjos, Mirim, Imaruí e rios Tubarão, Capivari, Rio D’una, todas pertencentes ao complexo lagunar. Características, dados históricos, relatos e fotos, são trazidos pelo Luiz Lauro.
A canoa de convés foi utilizada na navegação de cabotagem entres as cidade da Laguna, Tubarão, Gravatal, Jaguaruna, Imbituba e Imaruí. A produção agrícola das pequenas propriedades agrícolas rurais do interior era escoada para ser negociada no cais do mercado público lagunense. Até o final da década de 70 ainda existiam alguns exemplares, diz Luiz Lauro, porém nas décadas posteriores desapareceram por completo.
 
Canoas de convés nas fotos superiores e o movimento no cais da Laguna

Luiz Lauro Pereira Jr. É um apaixonado por barcos e desde cedo estuda seus modelos, procurando conhecer e reproduzir com fidelidade cada detalhe dos barcos históricos que modela.
Constrói seus modelos em casa, nos momentos de folga do trabalho como funcionário da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan).
Sua coleção, com mais de 30 embarcações, levou dez anos para ser confeccionada e está em exposição permanente no Museu Nacional do Mar, fundado em 1993, em São Francisco do Sul, e sediado nos antigos armazéns do Hoepcke daquela cidade.


São Miniaturas que se encarregam de mostrar como eram as embarcações de diferentes povos ao redor do mundo. Uma beleza!
Luiz Lauro tem um sonho. Seu grande desejo é conseguir um espaço para expor sua obra na cidade natal da Laguna, onde nasceu e vive.
Eis uma sugestão para os nossos governantes, Fundação Lagunense de Cultura, Secretaria de Turismo, Iphan, para quando for inaugurado o famigerado Memorial Tordesilhas, há muitos anos em obras.

***

Faz parte da memória sentimental de muitos lagunenses, a canoa de convés. Lembro-me, década de 60, 70, de dezenas dessas canoas lado a lado ali nas docas do cais. O movimento era intenso em descarregar os produtos das zonas produtoras e também em embarcar produtos manufaturados do comércio local. E para isso dezenas de carroças e carrinhos de mão disputavam serviços, com seus tipos populares.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

De volta ao passado

Antigamente, nos tempos em que os bichos falavam, século passado, fazer uma fotografia não era tão fácil como hoje, com a proliferação de máquinas digitais e câmeras em celulares.

Na Laguna, na década de 70, que me refiro e vivi minha adolescência, tínhamos o fotógrafo profissional Ibraim Sérgio Bacha, pau para toda obra, isso é, nascimentos, batizados, casamentos, bailes, carnaval, acidentes, fotos para compor processos no fórum, procissões, futebol... Antes dele, seu progenitor, Almiro Bacha fazia os registros. Houve também, o Foto Vieira, em cima da velha rodoviária.

Na década de 70, o Gê (Geraldo Luiz da Cunha) começou a registrar muitos eventos, principalmente do pessoal mais jovem, nas baladas e barzinhos. O Gariba também andou se aventurando na arte. Acho que o Carlinhos Horn foi outro que se dedicou a fotografar. Ou foi só filmagem? Não lembro bem.
Mas era só. Poucos, pouquíssimos mesmo, tinham máquinas fotográficas, mesmo amadoras, das mais simples.
Não tinham, simplesmente porque eram muito caras.
O problema é que, além de comprar a máquina, tinha-se que arcar com o filme, 12, 24, 36 poses, e depois de clicadas, entregar para revelação, uma fortuna. Pode ser romântico, visto de hoje, mas era muito proibitivo pelo custo.
Em meados de 70, aos 16 anos, com parcela do meu segundo salário – o primeiro foi utilizado na compra de calças e camisas – comprei uma tão sonhada Kodak Instamatic 54X.
Pois comprei a máquina e sai registrando o que podia, dentro das minhas condições, claro. Tenho muitos exemplares daquela época, outros se perderam nos escaninhos da vida.
E a gente economizava nas fotos, fazia uma só e se dava por satisfeito. Pensa que é como hoje que se clica dezenas de vezes, de vários ângulos, repetitivas até.  O resultado a gente conferia dias depois, quando não, semanas, meses até, quando recebíamos na loja os envelopes, na maior expectativa. E dá-lhe cabeças e pés cortados, tremidas, olhos fechados... algumas fotos, pelo tempo passado, a gente nem lembrava mais que havia feito.
Bem por isso, até hoje valorizo muito fotos daquela época e de décadas anteriores, porque sei a dificuldade que foi em fazê-las.

Pois dia desses fui presenteado pelo Manoel Sebastião Bittencourt (O Maneca do Minimercado Mape, não tem?) com uma foto que me fez viajar.
Nela, em preto & branco, um time de futebol, onde estou entre os jogadores. Sim, sim, também tive meu tempo de futebol, de dribles, chuteiras kichute, bola de borracha nº 5. E barriga de tanquinho, e fôlego de avestruz, e cabelo cabelão... Estes três últimos foram–se. Mas ficou a memória que é o que sempre fica.

Era o time da lanchonete Vip’s, bar da moda, do beautiful people, como se dizia então, numa partida no campo do Centro Social Urbano, bairro Progresso, ali por 1979. Bons tempos aqueles...
Para ampliar, basta clicar sobre as fotos.
Em pé: Lauro, Valmir Guedes Jr. (Êta meu cabelão cotonete!), Toninho Kenner (hoje Vida Livre), (não lembro o nome).
Álvaro Alano Filho, Esaú (já falecido), Manuel Sebastião Bittencourt e Pedro Rosa Netto.

Esta foto não tinha em meus arquivos, mas tenho outra, uma irmã dela, clicada no mesmo dia. Tenho certeza que foram feitas com a minha máquina, até porque numa delas, a dos jogadores sentados, não apareço porque, evidentemente, estou por trás das lentes.
Alguns nomes dos jogadores permanecem em minha memória, outros sumiram nos tempos.
Reconheço alguns jogadores: Manuel Sebastião Bittencourt, Pedro Rosa Netto, Arlindo Ulysséa Arantes, Sérgio  João Simas Aguiar, Esaú, Álvaro Alano Filho, Toninho da Kenner (hoje Vida Livre) e o Ferrinho.
São páginas de um livro de recordações que hoje só interessam a quem viveu aquele instante e o folheia e que o leitor aqui do Blog não tem nenhum interesse e nem quer saber dessas histórias, de reminiscências de um passado que não volta mais, nunca mais.

Mas faço o registro mesmo assim, ora bolas!, agradecendo daqui ao Manuel por ter guardado a foto e lembrado de mim, que em priscas eras já fui zagueiro.

Pensando bem, até hoje, na vida, continuo na posição de zagueiro, vivendo e aprendendo a jogar, chutando a pelota para as laterais, me livrando de caneladas, rasteiras e carrinhos, fugindo das faltas e tentando impedir o gol do time adversário. Às vezes dá certo, às vezes não dá, mas o importante é estar e continuar no jogo. Ninguém quer ir para o chuveiro mais cedo, não é mesmo?

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Frase

“Que a história brasileira é mansa, pacífica e feita por grandes homens. Mentira! A história do Brasil é repleta de sangue, violência, revoltas, guerras e racismo”.


(Eduardo Bueno, jornalista e tradutor, sobre o que seria a maior mentira da historiografia brasileira.)

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O abraço ao Gravatá. Às favas a opinião pública

Moradores e apaixonados pela praia do Gravatá no domingo, 15, promoveram um abraço simbólico no local. A programação iniciou às 9h, na, agora denominada, Praça de Eventos Seival, no Mar Grosso.

O Movimento Cultural e Natural da Laguna foi um dos organizadores do ato, juntamente com associação de surfe e admiradores da natureza.
O abraço foi à beira-mar entre as encostas que protegem a praia do Gravatá e atraem turistas de várias partes. “Mostramos nosso respeito pelo meio ambiente e, principalmente, pelo nosso patrimônio e a vontade popular”, disse o vereador Eduardo Carneiro (PP), que apresentou emendas para transformar o local num Parque Municipal Natural Morro do Gravatá dentro do Plano Diretor, mas foi rejeitada.  

A medida é uma solicitação para preservar o local e deixá-lo intocável. Na quinta-feira, dia 12, sete vereadores derrubaram o veto do prefeito Everaldo dos Santos, autorizando a urbanização na área protegida. A emenda está dentro do Plano Diretor que recentemente foi discutido, recebeu emendas dos parlamentares.
As emendas ocasionaram revolta popular, manifestações por toda a cidade, recomendações do Ministério Público e abaixo-assinado. Nada adiantou e agora o Plano Diretor vai ser assinado e publicado no Diário Oficial do município.
(As fotos são: Divulgação/vereador Dudu Carneiro, Elvis Palma e www.rlj.com.br)


PS: Bem por isso tenho minhas dúvidas quanto à realização - e eficácia - das mal fadadas audiências públicas. Debater, conversar, discutir, etc. Para quê mesmo? Hoje em dia, quando os governantes, os ditos representantes, querem fazer diferente, mexer num Plano Diretor, aumentar gabaritos em construções, aumentar seus vencimentos, taxas e impostos, alteram, aumentam e pronto. Podemos gritar, berrar que eles fazem ouvidos moucos. Ignoram até as recomendações do Ministério Público! Não dão a mínima satisfação aos seus eleitores e não estão nem aí quanto aos reflexos políticos, porque sabem que na próxima eleição serão eleitos novamente. Ou não? Às favas a opinião pública.

Chega-se a conclusão que tudo é um jogo de interesses. Ou não?
Venceu, mais uma vez, a especulação imobiliária. 

Paulo Canhola “Palomba” e Leila

Dizem os estudiosos, que um casamento se mantém e torna-se duradouro, pelo amor (aí incluindo o sexo, o carinho, lógico) mas também o respeito, amizade, confiança, companheirismo e muito, muito diálogo.
Sem esses fatores, tão em falta hoje em dia, o barco naufraga mais cedo ou mais tarde.
Pois o casal Leila e Paulo Canhola “Palomba”, tão conhecido entre nós, tem tudo isso, além do ótimo humor que mantém viva a chama.

Conversar com os dois é ter a certeza de ótimos momentos, viver a alegria que faz tão bem. E olha que eles já passaram por várias vicissitudes nessa vida, inclusive na saúde, mas nunca se deixaram abater e sempre estão com sorrisos estampados e uma boa nova para contar.

Um abraço daqui do Blog ao vascaíno Paulo Canhola “Palomba” e a Leila, por existirem.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Ni Borges, a mais nova fotógrafa da Laguna

A mais nova fotógrafa da cidade, Alvani Borges, a Ni, vem provando com suas fotos, ser uma discípula fiel do fotógrafo Ronaldo Amboni, que lhe ministrou curso na área.

Ni vem surpreendendo seus amigos com fotos cada vez mais bonitas e profissionais, além de registros que nada devem ao bom fotojornalismo.

Com a máquina em punho, ela pode ser vista em diferentes lugares, horários e eventos, sempre procurando a melhor luz e um perfeito enquadramento para fazer o clic.

sábado, 14 de dezembro de 2013

Quarteto Opus 4 se apresenta

Quarteto Opus 4 estará se apresentando em dez comunidades um show de Natal, com apoio da prefeitura.
O quarteto é conhecido no meio cultural por suas interpretações de músicas populares e clássicas.
Formado pelos músicos: Fernando Ilibio (teclado e voz), Handel Silveira (violoncelo), Neusa Preuss (voz) e Gero Perito (violão e voz).

Ontem, sexta-feira, se apresentou no centro da cidade. Público aplaudiu, entusiasmado o repertório do Grupo. Gente e valores de nossa terra.

Confira as próximas apresentações:
15/12 – Bairro Portinho – Salão Paroquial – 20h30m (na última hora foi transferido para o Portal Turístico).
16/12 – Caputera – Salão Paroquial – 20h30m
17/12 – Parobé – Salão Paroquial – 20h30m
18/12 – Farol de Santa Marta – Salão Paroquial – 20h30m
21/12 – Ribeirão Pequeno Salão Paroquial – 20h30m
22/12 – Barbacena – Salão Paroquial – 20h30m Cancelado.

23/12 – Ponta da Barra – Salão Paroquial – 20h30m

Carlos Augusto Baião da Rosa só no glu-glu-glu

Chega esta época e uma ave torna-se tradicional à mesa. Mas mesmo antes do Natal e durante todo o ano, perus são vistos aqui e ali. Alguns até grugrulejam em torno do pano verde.

Pois em pleno ponto chic, na esquina da Felipe com Trajano, defronte à Livraria Catarinense, na capital do estado, encontro o inteligente Carlos Augusto Baião da Rosa, só “urubuservando”, ou melhor, peruando o jogo dos manezinhos.

As aves que aqui gorgolejam, gorgolejam como lá?

O por do sol na Lagoa Santo Antônio dos Anjos pelas lentes da Ana Barzan

Quem entende da arte de fotografar afirma que, para ser obter um linda foto, há necessidade de uma máquina fotográfica de qualidade, o momento certo, lugar, luz e enquadramento.
Mas antes de tudo, condição primária, é preciso que o fotógrafo tenha olhos de ver.
Ana Barzan já vem há tempos demonstrando que seus olhos, sensíveis, captam o momento exato para fazer o clic e bem por isso suas fotos têm recebido os maiores aplausos.

Eis uma foto feita por Ana, que recebe daqui os mais rasgados elogios. Ela merece:

Munir Soares escreveu e eu assino embaixo

Munir Soares em sua página COMUNIDADE, no Jornal A Crítica deste fim de semana, escreveu e eu assino embaixo:

O governante

Ser prefeito de uma cidade é um privilégio de poucos. A liturgia do cargo exige postura e atitudes dignas da posição que ocupa. Ser popular não é brincar no Moto Laguna ou puxar o saco do Papai Noel. Prefeito popular é aquele que se identifica com o povo e é respeitado por ele”.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Na Laguna, Papai Noel chega de lancha

Domingo à noite, em evento promovido pela ACIL e CDL, com apoio da Prefeitura, Sincaval e Copobrás, aconteceu a chegada do Papai Noel em nossa cidade, no chamado Natal dos sonhos.
E Papai Noel chegou de lancha (aquela, da Polícia Ambiental, não tem?) pelas águas da Lagoa Santo Antônio dos Anjos e atracou nas Docas.

José Alves Fernandes, o nosso amigo Mala, figura das mais conhecidas e que faz de sua vida um fazer e viver no amor e na caridade, esbanjava sorrisos e oh! Oh! Ohs! E as crianças se divertiam.

Os registros são de Elvis Palma, sempre em cima do lance; e Um sorriso & e um click.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Duas lindas imagens

O conhecido Rochinha, também Rei Momo da Laguna, esteve esta semana no Asilo de Mendicidade Santa Isabel, levando a alegria do Papai Noel. Um gesto de bondade e caridade para com o próximo.

Mais Rochinhas nós tivéssemos, com seu coração gigante.

A pressa dos dias atuais

“Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem
dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no
 futuro se esquecem do presente de forma que acabam por não viverem nem o presente, nem o futuro. E vivem como se nunca fossem morrer… e morrem como se nunca tivessem vivido”.
(Dalai Lama)

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Laguna não é mais a mesma

Os últimos dias foram terríveis para nossa cidade.
Vejamos: criança de dois anos morre por meningite; assassinato do advogado Sidnei Cravo; ataques e tentativa de estupro a duas jovens na praia do Mar Grosso; tiros, tentativas de homicídios, assaltos, acidentes de motos com mortes, inclusive de uma menor de 14 anos, aluna da Escola de Educação Básica Comendador Rocha.
Laguna está em 1º lugar na região da Amurel em 2013, com 12 homicídios. E o ano ainda nem terminou.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Bom fim de semana

Quarta-feira desta semana, fim de tarde, três cliques que fiz do espetáculo do Sol em seus raios colorindo os céus e as águas da Lagoa Santo Antônio dos Anjos na nossa Laguna. Eis a assinatura nos pincéis do Criador:

Ainda Joinville

Para eventos de grande porte, como o Festival de Dança, Joinville possui o Centro de Eventos Cau Hansen.
Inaugurado em 26 de junho de 1998, abriga também as sedes da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, do Instituto Festival de Dança e da Fundação Cultural de Joinville, que passou a administrá-lo a partir de junho de 2009.
O Complexo Centreventos Cau Hansen abriga em sua estrutura o Teatro Juarez Machado, a Arena Multiuso, o Expocentro Edmundo Doubrawa e o Centro de Convenções Alfredo Salfer. Contando com um palco de 1.200m2, a Arena Multiuso pode comportar até cerca de 6.000 pessoas na plateia, em arquibancadas e nos 32 camarotes.

A obra "O Grande Circo", do artista joinvilense Juarez Machado, colore a cerâmica da fachada do Centreventos Cau Hansen.

Escola do Teatro Bolshoi
A Escola do Teatro Bolshoi no Brasil é a única extensão estrangeira do Teatro Bolshoi de Moscou. Completou, em março de 2013, treze  anos desenvolvendo arte e cultura
Atualmente, a Escola conta, conforme informado pela guia que nos acompanha, com 280 alunos.
Com professores russos e brasileiros a instituição forma bailarinos com a mesma precisão técnica e qualidade artística aplicados na Rússia. O método utilizado é o Vaganova.
“Além de ensino gratuito, os alunos da Escola Bolshoi brasileira recebem benefícios opcionais que dependem dos recursos financeiros da Escola, como alimentação, transporte, uniformes, figurinos, assistência social, orientação pedagógica, assistência odontológica preventiva, atendimento fisioterápico, nutricional e assistência médica de emergência/urgência pré-hospitalar. Para isso devem apresentar bom rendimento na Escola Bolshoi e também no ensino médio e fundamental, pois a ausência de boas notas implica na perda da bolsa de estudo no Bolshoi”.

Festa das Flores

A Festa das Flores de Joinville é considerada a mais antiga do gênero no Brasil. Neste ano aconteceu de 12 a 17 de novembro.


É uma Festa que mobiliza os joinvilenses. As flores não estão apenas na mostra da Expoville, mas no dia a dia dos moradores. O motorista de táxi que nos leva, fala com orgulho da Festa, assim como o garçom, o recepcionista do hotel.


Há cem anos Joinville é considerada a Cidade das Flores. E, há 75, a Festa das Flores celebra essa tradição.


As flores, é claro, reinam absolutas com grande exposição, além de mostra de paisagismo, mercado de flores, oficinas de cultivo, além do tradicional concurso de orquídeas
O prefeito Udo Dohler diz: “A Festa das Flores simboliza fielmente o que é Joinville. Fazer da nossa cidade um bom lugar para viver inclui o culto permanente à cidade das flores”.
É realizada pela Fundação Turística e pela AJAO (Agremiação Joinvilense dos Amadores de Orquídeas).

Paralelo à Festa, exposição de motos, bicicletas e carros antigos, além de visitas à fazendas com seus cultivos de lírios (hemerocalis) em grandes extensões que sempre nos fazem lembrar “Olhai os lírios do campo”. Os campos do paraíso devem ser assim.

Olhai os lírios do campo, eles não tecem...

Rua Visconde de Taunay com Henrique Meyer.
E há todo o movimento da vida noturna da cidade, principalmente na rua Visconde de Taunay, região central, onde se concentram restaurantes, barzinhos e casas noturnas.
***
PS: E aí, a gente vendo tudo isso, fica pensando onde estão as atrações, além das belezas naturais, da nossa cidade? Como estão os eternos projetos de muitas administrações, para realização de festivais gastronômicos (siri, tainha, camarão, temos a riqueza que a maioria não tem) que passem a fazer parte do calendário turístico da Laguna?