sábado, 19 de março de 2016

Jota Quest para este sábado I

Titãs para este sábado II

Convite


quarta-feira, 16 de março de 2016

"LAGUNA FORMAS DO PASSADO": procura-se voluntários

Muitos prédios históricos no decorrer dos 340 anos de Laguna sofreram modificações ou acabaram demolidos. Os registros dessas edificações estão sendo resgatadas por estudantes, professores e voluntários apaixonados pelo patrimônio arquitetônico. 
Fotos: Bruno Espíndola

Eles têm a missão de reproduzir 130 edificações destruídas ou adulteradas em telas com tintas a óleo, pinceladas com persistência e paciência. Com fotos antigas e registros de jornais da época o trabalho ganha forma nas terças-feiras, às 19h, no Instituto Chachá, no centro histórico. No total faltam 23 telas para terminar o projeto intitulado Laguna Formas do Passado, iniciado por alunos e professores da Udesc. Nesta segunda fase, precisando de voluntários para concluir o registro. 

O Projeto começou como uma atividade de Extensão do curso de Arquitetura e Urbanismo da Udesc, durante o ano de 2012 com o nome “Livro Digital: Imagens de Laguna”. 

Atualmente, o pintor Artur Cook e o fotógrafo Bruno Espindola, cordenador do projeto, continuam o projeto no Instituto Chachá através de oficinas de pintura todas as terças-feiras. Eles produzem com as alunas Elisete Medeiros e Loreci Martimiano as telas das edificações que não foram pintadas na primeira etapa do projeto e as edificações identificadas posteriormente.
Para aqueles que sabem pintar e desejam participar de forma voluntaria no projeto pode se inscrever através do www.facebook.com/espacochacha ou comparecer nas terças-feiras, das 19h às 21h, no Instituto Chachá, localizado na rua Voluntário Fermiano (rua da Biblioteca Pública), no centro histórico. 

História social da cidade
O programa de extensão foi desenvolvido a partir do levantamento do patrimônio arquitetônico da cidade de Laguna. A metodologia incluiu o estudo das edificações, levantamento iconográfico com identificação dos acervos fotográficos existentes na cidade dos moradores Antônio Carlos Marega e Dalmo Faísca, também do arquivo do Iphan. 
O escritor Valmir Guedes contribuiu com textos e pesquisas sobre a história de algumas edificações. Os  imóveis foram selecionadas não só por critérios históricos, mas também por sua importância como participante da história social da cidade. 
A partir desta seleção foram elaborados desenhos e pinturas em tela, que posteriormente serão digitalizados para criação de um livro digital.

O projeto inicialmente contou com a participação da professora Adriana Fabre Dias e do professor Rafael Zanelato Ledo, ambos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Udesc, como coordenadores. E os acadêmicos Bruno Espíndola, Larissa Brosler e Maicon Padilha como bolsistas. 

E dos acadêmicos(as) Christian Gofferjé, Fernando Rebelo, Guilherme Salvini, Jaqueline Rathunde, João Mota, Lucas Grando, Luna Acemel, Meyriane de Mira, Pryscila Wolaniuk, Renata Bet, Siliene Amorim e Thaís Melnik, que juntos com os artistas Artur Cook (idealizador do projeto), Adilson Barros, Fernando Martins, Fabio Luz, Glaci da Silva, João Rodrigues Jr. e Wellington Teixeira participaram como voluntários pintando uma tela para o projeto, que teve em 2012 um total de 18 telas prontas. 
Fonte: PML