quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Iluminação da Ponte Anita Garibaldi deve ser paga pela prefeitura, decide TRF4

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, negou recurso movido pela prefeitura da Laguna contra uma decisão da Justiça Federal que obrigava o município a arcar com os custos da iluminação da Ponte Anita Garibaldi. 

Dívida chega a R$ 200 mil e é mais uma a ser paga pelo futuro prefeito Mauro Candemil que assumirá em 1º de janeiro de 2017. 

Enquanto isso, o prefeito Everaldo dos Santos, a dois meses de deixar o cargo, edita decreto em cima do cangote da população, aumentando ainda mais a Cosip (imposto de iluminação) e diz que vai recorrer ao STJ. 

Clic RBS traz matéria sobre o fato. Aqui

Mário José Remor - Retrato de uma época

No próximo dia 11 de novembro, às 20 horas, na sala de eventos do Iphan, Praça Vidal Ramos, 118, acontece o lançamento do livro de minha autoria, com 208 páginas, contendo dezenas de fotografias:

 MÁRIO JOSÉ REMOR
 Retrato de uma época

A partir do ano de 1977, com a posse do prefeito eleito Mário José Remor e sua equipe, Laguna entra numa fase que marcou época em sua história.
O Balneário Mar Grosso ganha um impulso em seu desenvolvimento com o loteamento das terras do antigo aeroporto.

Em pouco tempo surgem novos prédios e casas. Hotéis são ampliados e construídos. Ruas e avenidas são rasgadas, num surto de desenvolvimento em infraestrutura nunca antes visto em nossa história. Um Plano Diretor é implantado.

Logradouros públicos, em mais de uma centena, são pavimentados a lajotas e asfalto, recebendo as devidas nomenclaturas. Acessos turísticos, drenagem, abastecimento d’água, postos de saúde, escolas e uma clínica pediátrica são inaugurados. Maquinários e veículos são adquiridos.

Um novo aeroporto é construído na Praia do Sol. Um estádio de futebol é erguido no aterro do Alagamar, no bairro Magalhães, e é fundada a equipe do Laguna Esporte Clube (LEC), com participação em torneios e campeonatos de futebol, inclusive em nível estadual.

Olimpíadas anuais congregam centenas de estudantes dos estabelecimentos escolares do município.
Implantação do projeto de conservação do patrimônio histórico. Restauração de alguns casarios.

No mês de julho de cada ano acontecem as Semanas Culturais, irmanando os habitantes da cidade nos mais variados eventos e atraindo visitantes para o chamado turismo de inverno. Desfiles, bandas, grupos musicais e folclóricos, concursos literários e de fotografias, festa gastronômica da tainha e exposições plásticas, são algumas das atrações.

Monumentos homenageando vultos de nossa história são inaugurados. Laguna ganha projeção nacional, participando com grande sucesso do programa Cidade X Cidade, do apresentador Silvio Santos.

O carnaval lagunense, de rua e de Escolas de Samba atraindo milhares de foliões de várias partes do país e do exterior, gaúchos e argentinos em sua grande maioria. Cidade lotada. O comércio local faturando como nunca.
Foram seis anos de administração de Mário José Remor tendo como principal meta o desenvolvimento da Laguna em todos os setores.

No fim de seu mandato, ao descer as escadarias da prefeitura, agora como um cidadão comum, Mário José Remor trazia a consciência dos que cumpriram o seu dever.
Em seu discurso de despedida, humilde, agradeceu e dividiu os aplausos recebidos:

“Não devemos o sucesso alcançado até aqui somente ao nosso esforço, a fé que depositamos em nosso povo, o dever de honrar um passado de glórias e heroísmo, mas também – e isso faço questão de frisar -, a ilustres homens públicos que, compreendendo o nosso amor a esta terra, estenderam-nos as mãos, oferecendo-nos sua colaboração decisiva e honesta”.

E finalizava suas palavras pedindo aos lagunenses que refletissem sobre a sua conduta à frente dos destinos do nosso município. “Isso será o bastante”, frisava.

O livro
Eis o que é proposto neste livro: uma reflexão sobre a trajetória de vida de Mário José Remor, algumas pinceladas retrospectivas sobre sua administração do município da Laguna e o retrato de uma época, com seus inúmeros capítulos diversificados.

Não pretendi, ao elaborá-lo, uma longa pesquisa acadêmica, com suas teses e antíteses, seu rigor científico e metodológico com vistas à conclusão de mestrados e doutorados.
Evidentemente, como todo retrato, o resultado final dependerá também do fotógrafo. Do ângulo que ele escolher para o registro, da velocidade e abertura do diafragma da máquina, da entrada de mais ou menos luz e do enfoque sobre o fotografado.

Espero, sinceramente, que eu não tenha “queimado o filme” como se dizia antigamente e que a fotografia tenha saído com ótima qualidade.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Os estragos do vendaval e chuva deste domingo

Final da tarde de ontem, domingo, foi realmente assustador. Fortes ventos e chuva atingiram todo o sul do estado. Laguna, Tubarão, Capivari de Baixo, Sangão, Balneário Rincão e Araranguá foram os municípios mais atingidos. Na cidade azul, que mais sofreu o impacto, uma criança morreu devido à queda de duas árvores sobre o automóvel em que se encontrava. Houve muitos destelhamentos em prédios (galpões) industriais e residenciais, além da queda de árvores.

Desde ontem a quase totalidade da região sul ficou sem energia elétrica, sendo restabelecida, aos poucos, somente no fim da tarde de hoje. Há também falta d'água. Na Carioca, durante à tarde de hoje houve a formação de extensa fila de pessoas em busca do líquido.

Na Ponte Anita Garibaldi, em Cabeçuda, um caminhão, com placas de Joinville tombou. Motorista não sofreu ferimentos. 
Em Capivari de Baixo, motoristas estacionaram seus veículos sob o viaduto da BR-101, fugindo do temporal.

Imagens postadas nas redes sociais mostram o desespero das pessoas. Dylo Simas editou algumas delas e as publicou.

sábado, 15 de outubro de 2016

Roupa Nova - Sapato Velho (Clipe Original de 1981). Quem lembra?



"Hoje não colho mais as flores de maio, nem sou 
mais veloz como os heróis..."

Votos da seção 90 são anulados em Pescaria Brava.Deyvisonn continua prefeito eleito

A junta eleitoral presidida pelo juiz Paulo da Silva Filho da Comarca da Laguna anulou, na última quinta-feira (13), os votos da Seção 90, situada na Escola de Educação Básica Honorata Freitas, no bairro Sertão do Siqueiro, em Pescaria Brava.

A anulação não se aplica apenas à majoritária. Os votos da proporcional – ou seja, para os vereadores – também foram anulados.
A anulação ocorreu em função da comprovação de que uma pessoa já falecida apareceu como votante da seção.

Com a decisão, Deyvisonn de Souza segue como prefeito eleito do município, ampliando a vitória sobre Antônio Honorato de um voto para 76 votos.

Após a publicação da ata, há um prazo de 48 horas para recurso da decisão da junta eleitoral. Caso isso ocorra, este será julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

A defesa da coligação ‘Pescaria Brava no Rumo Certo’, do atual prefeito à reeleição Antônio Honorato (PSDB), adiantou que entrará com recurso no Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) para pedir a nulidade do pleito eleitoral na cidade.

Jornal Diário do Sul deste sábado traz matéria a respeito. Aqui

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Jantar festivo da Escola Comendador Rocha

Com um jantar festivo na noite de terça-feira (11), direção, professores, funcionários e seus familiares da Escola de Educação Básica Comendador Rocha, comemoraram antecipadamente o Dia do Professor, marcado no calendário para este próximo sábado, 15.

A professora Ayescha Kfouri, gentilmente abriu as dependências de sua aconchegante casa para o evento, abrilhantado pela alegria e voz do cantor Gean Pierre, com “palhinhas” das professoras Silvana, Ana Lúcia, Adriana e professor Marco Antônio Silva, apresentando sucessos dos anos 70 e 80.

E rolou a festa até altas horas, com discursos de boas vindas do competente diretor do estabelecimento escolar, Norberto Pedro Amorim e do assessor de direção Joel dos Reis. Presentes também a gerente de Educação Karmensita Almeida da Rocha Cardoso e da supervisora de Ensino Daisi da Silva Santos, ambas da 19º Agência Regional da Laguna

O cardápio, a cargo dos mestres-cucas Ronaldo e Glória Kfouri, além do casal Ayescha e Gelson, e da Aline, que se desdobraram na cozinha goumert, agradou todos os paladares. O bacalhau estava divino e o filé mignon ao molho madeira, uma delícia.

Declamações de poemas, abraços, beijos, sorrisos, dança e alegria, embalaram a noite, porque esses mestres merecem todas as homenagens, pelo esforço e dedicação visando o saber de crianças e jovens, mesmo enfrentando todos os percalços do sistema educacional em nosso país. 
Mas a noite era de festa e de confraternização.

Fiz algumas fotos:

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Nota de falecimento+

Faleceu no começo da noite desta quarta-feira, no Hospital Senhor Bom Jesus dos Passos da Laguna, João Alfredo Dias, o Babá, aos 74 anos, que vinha há tempos se tratando de um câncer.
Deixa a esposa Vera Regina, os filhos João Alfredo Dias Filho  e Ricardo Santana Dias e dois netos. 
Corpo está sendo velado na sala mortuária da funerária Central de Luto Cristo Rei, ao lado do Ceal e sepultamento será às 16 horas.

Sentimentos aos familiares e amigos.
***
Adeus, Babá
Numa velha nota social publicada no extinto jornal lagunense Semanário de Notícias, na década de 70, guardo em meus arquivos as seguintes palavras sobre o Babá:

“João Alfredo Dias é encontrado invariavelmente alegre e risonho pelas ruas da nossa cidade. Comunicativo e sensível, sua simpatia é espontânea e um convite à fraternidade e um estímulo à solidariedade”.

Eis, num parágrafo somente, um verdadeiro retrato de João Alfredo Dias, o Babá, morador perene da chamada Praça da Bandeira (hoje República Juliana), que com seu andar descontraído, no gesto sereno e nos curtos cabelos loiros, exprimia a palavra benevolente e a bondade no coração.

Babá eterno no álbum de figurinhas
do Barriga Verde F.C.
O Babá do Banco do Brasil, de tantas histórias. Da equipe do Barriga Verde F.C. dos áureos tempos do futebol lagunense. O Babá do álbum de figurinhas da bala guloseima Seleções, em 1962, campeão do Torneio Início. 
Babá torcedor do Fluminense.

Babá dos olhos emotivos, que chorava parentes e amigos idos. Babá do riso fácil e da humildade.
Babá que lamentava sempre o desaparecimento dos tradicionais clubes sociais, seus buffets, ecônomos e sócios que marcaram épocas, no bate-papo descontraído, regado sempre a uma cerveja, de uma Laguna que não existe mais.

Babá que ainda há poucos meses realçava em nossas conversas ocasionais os cuidados com a saúde do seu coração. E a traição, o inesperado, o surgimento de uma doença ingrata, cruel e que tem levado tanta gente querida do nosso convívio.

Babá eterno na figurinha nº 75 do álbum e na memória e saudade de todos nós que o conhecemos.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Nota de falecimento+

Faleceu na noite deste domingo, por volta das 19 horas, vítima de enfarte, enquanto dormia, Paulo Canhola, o “Palomba”, aos 77 anos. Figura das mais conhecidas, ligada aos meios futebolísticos.
Corpo está sendo velado na sala mortuária da funerária Central de Luto Cristo Rei, ao lado do Ceal e sepultamento vai ocorrer às 16 horas no cemitério municipal.
Nossos sentimentos aos familiares e amigos, principalmente a esposa Leila (Lita). Lá se vai o seu "papai".

**************
Paulo Canhola, o “Palomba”
Uma das memórias do nosso futebol, principalmente dos jogos locais dos áureos tempos do Barriga Verde F.C. 

Palomba era um sujeito de muitas histórias, jogador de futebol que também o foi, como tantos outros, como o lagunense Mengálvio, meio-campista do Santos e da Seleção Brasileira, de quem era amigo. E dos seus irmãos Figueiró: Luiz Marona e Beneval (já falecidos) e Tuíco, que brilharam no futebol gaúcho.

Sempre me socorria - dele, do Dalmo Faísca ou do “seu” Nelson (dedinho) Souza - quando queria saber de antigas escalações de times da cidade, em desbotadas fotografias do passado.

Ainda semana passada, quase meio-dia, o encontrei ali perto do calçadão da XV de Novembro.
-Guedes, ele me chamou ao longe. Logo notei seu ar preocupado, sem o costumeiro sorriso.
Explicou que não encontrava o seu carro e que a Leila (Lita) o esperava em casa para o almoço.  Já tinha dado duas voltas pelo Jardim o procurando, apertado o alarme de busca e alerta junto à chave de ignição, e nada.

-Será que roubaram? Ou é o “alemão” já me pegando? Indagou, brincando.
-Nada disso, retruquei, querendo consolá-lo. Essas coisas acontecem nas melhores famílias, meu caro Palomba. É porque deves ter estacionado o carro em local diferente do lugar que estás acostumado a parar todos os dias. Saísse da rotina. Só isso. Já aconteceu comigo e certamente com um monte de gente por aí. 
E propus ajudá-lo a procurar o veículo.
Acompanhando seus passos vagarosos, no estilo bonachão, lá fomos nós com os olhos atentos nos estacionamentos e conversando sobre o Vasco, seu time de coração.

Ao passar pela esquina do antigo Café Tupi comentei que havia lido certa vez que quando essas coisas acontecem, esses tipos de esquecimentos, a gente deve procurar fazer uma ligação indireta, uma espécie de retrospectiva dos últimos momentos do que sumiu. 
-Como assim, indireta?
-Procurar lembrar algum detalhe, um fato acontecido ou percebido, por exemplo, logo ao descer do carro. Não lembras de nada?

Ele olhou pra mim certamente estranhando a conversa. Coisa de doido, deve ter pensado. Se ele não lembrava nem onde havia deixado o carro, como iria lembrar de algum detalhe? Ora bolas!
Alguns passos adiante parou de repente e me olhou novamente. Seu ar de preocupação havia sumido e já estava sorrindo.

Sim! Sim! Agora lembrava, quase gritou. Quando desceu do carro tinha visto um bonito tênis na vitrine de uma loja e pensou em comprá-lo. Dito e feito. Havia estacionado seu carro em frente à Rainha Calçados, na rua Gustavo Richard. Lá estava ele.

Chegando ao lado do veículo, abriu a porta para entrar, deu um obrigado pela ajuda e disse:
-Guedes, a tua ideia deu certo mesmo hein? Valeu! Vamos lá em casa almoçar? Tomar uma cervejinha?
Agradeci o convite, respondi que já tinha compromisso, ficasse para outro dia.

Dei tchau, ele também deu tchau e foi assim que me despedi para sempre de Paulo Canhola, o Palomba.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Vivemos esperando dias melhores...

Denúncias na eleição em Pescaria Brava

Reportagem da RICNotícias desta sexta-feira pela manhã apurou possíveis irregularidades na eleição de Pescaria Brava à prefeitura, que foi decidida por apenas um voto. Até gente morta teria voto registrado.
Justiça já foi acionada pela chapa que perdeu as eleições.

Para assistir a reportagem de Renam Meinen e imagens de Fabiano Cruz, com apresentação de Paulo Alceu:

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Quem emBARCA na BARCA?

Desenho da Barca: Marega

Versos (Quadrinhas): Valmir Guedes Jr.

A Barca aguarda no cais
Toda florida e adornada,
Candidaturas derrotadas
Transformadas em marujadas

É uma Barca bonita
Toda pintada nos costados
Traz seu nome na proa:
“A Barca dos Derrotados”.

Samir do Ki-lojão
E das terras de Maomé,
Partiu bom marujo
Mas logo ficou a pé

Tanara sem estrela
cantou vitória primeiro
Seu vermelho virou lilás
no final ficou terceiro

Renato e Felipe
Quase ninguém os abraça
com os votos dos infiéis
não alcançaram a graça

O passageiro Rosinha
Teve seu nome zerado
Entra de vez na barca
Ou terá que seguir a nado

No timão do navio
Vai o Kilica faceiro
E na segurança da barca
Vai o Silva Bombeiro

Denei e Mari Inês 
Que não estavam dentro
Olhavam pro vigilante
ao lado do Michel Bento

Chico do Xavante
A sua Taba não votou
Contou, contou e contou
E no número 85 ficou

Babalu foi bem votada
Num vestido votos pediu
O problema foi receber
apenas um cheque de mil

Com roupinhas de grumetes
Sobem as mulheres a bordo
São as elegantes “barquetes”
Desfilando a bombordo

Nádia as recepciona
E organiza o bailete
entram Cida e Karmensita
Alzira e Elizete

Ana, Daniela e Luíza
também sobem no convés
mais Fernanda e Eliane,
esse baile está dez

Bem no meio do mar
A nossa Barca vai adiante
Já não parece uma Barca
É uma ilha flutuante

Alexandre perninha desistiu
Mas no fim seu número saiu
Vai em pé na barquinha
Levando com ele o balinha

Bem abraçados como irmãos
Mestres da Barca eles são
Barzan e Waldyzinho
Vão juntos no porão

Paulinho da rádio elétrica perdeu
Mas com isso eu concordo
Porque os tripulantes precisam
de um eletricista a bordo

Adilson e Patrick
com o Beto ali perto
escutavam com atenção
o discurso do Correto

Jaco tentou de novo
Na proa ficou em pé,
Pensando onde estariam
os votos do Preto e do Parobé?

Fábio farmacêutico
Vai receitar muito doril
Pra marujada enjoada
a opção é o plazil

Casimiro teve um sonho
De mau gosto e sem jeito
Em vez de vereador
Tinha sido eleito prefeito

O Lezo tentou de novo
vai subir na embarcação
Lá no mar verá ao longe
O tamanho do ondão

Bem votado o Tavinho
 embarcou de fininho
Pra não ser reconhecido
disfarçou-se de Vilsinho

Havia muitos doutores
em busca de uma vaguinha
O leitor ignorou e mandou
todos pra barquinha

E o Ronaldo Boca
Que é professor renomado
Vai ter que dar mais aulas
Pra arranjar um trocado

Barreiros locutor da Barca
Faz um último chamado
Quem não estiver a bordo
Vai ter que seguir a nado

Fotógrafo oficial da Barca
Elvis juntou o populacho
mandou todo mundo sorrir
e fez o retrato, só acho!

Ao som do “Cisne Branco”
Para algum porto distante
Leva o insígne-partinte,
Deixando o insígne-ficante...

Desejamos à nobre tripulação
bom descanso e regresso
e que no ano de 2020
todos tenham sucesso!

BOA VIAGEM...

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Mauro Candemil: a realização de um sonho

Mauro Vargas Candemil realizou um sonho de muitos anos. Pode-se dizer de uma vida toda: tornar-se prefeito da Laguna, terra que o viu nascer em 15 de agosto de 1944, primogênito da dª Zulma e do seu Sadi Candemil. Juntamente com o caçula Mauri, foram moradores da Travessa Manoel Pinho, d'trás do Clube Congresso, no centro histórico, não tem?

Tenho em meus arquivos, exemplares de jornais da década de 70 (há mais de 40 anos!) onde, recém-formado em engenharia pela UFSC, seu nome já aparece em listas de prefeituráveis por nossa cidade, pelo então MDB, ainda no antigo e forçado bipartidarismo criado pelo regime militar.

Acalentou sempre esse desejo em conversas com familiares e amigos. Premido pelos estudos e afazeres profissionais (aliás, tal qual a muitos de nós), exerceu suas funções em outras localidades, Florianópolis em sua maior parte. 
Mas ao contrário de alguns poucos lagunenses, nunca esqueceu Laguna. Aqui tinha residência, aqui votava, aqui tinha amigos e familiares. Para cá se dirigia, sempre que podia. Nunca perdeu sua referência.

Aqui participou de manifestações culturais, esportivas, sociais, carnavalescas, religiosas e políticas, acompanhando atentamente o desenrolar dos acontecimentos, o dia a dia da Laguna.

Por duas vezes, em 1990 e 1994, foi candidato a deputado estadual. Lembro-me bem de suas reuniões e jantares fraternais realizados na capital do estado, congregando lagunenses que lá moravam em busca da união por um objetivo maior. O saudoso Jacques Calil Bulos era um dos mais entusiastas na aglutinação do pessoal em torno do Mauro e de seus ideais.

Ficando na suplência, assumiu o cargo de deputado por rápidas duas vezes, período onde pode reivindicar por sua (e nossa) amada Laguna. Foi de sua autoria, por exemplo, o pedido para criação de um curso superior de Engenharia de Pesca em nossa cidade. Eis o embrião da futura Udesc que instalada há poucos anos, com dois cursos e outros que virão, tantos benefícios traz para Laguna.

Candemil trabalhou na Sul Americana de Engenharia – Sade, na Luminar, Santa Rita e foi diretor de Distribuição da Celesc.
Foi candidato a prefeito da Laguna em duas ocasiões. Em 1996 e 2008.
Coordenador de campanhas, do ex-prefeito Nelson Abrahão Neto (1989-1992), do ex-governador Luiz Henrique da Silveira e do vice-governador Eduardo Pinho Moreira. Foi também duas vezes secretário da 19ª secretaria Regional.

Na presidência por três vezes do Lagoa Iate Clube (LIC) e também de seu conselho deliberativo, mostrou seu dinamismo e capacidade, reunindo nomes importantes para trabalhar na diretoria daquela tradicional sociedade florianopolitana. Deixou seu legado.

Na Laguna, sua paixão e atuação nos esportes e carnaval já vêm de longe e são conhecidas de todos. Da sua participação na juventude como componente do Cordão Carnavalesco Bola Branca, de tantas lembranças, às memoráveis partidas de futsal através do time Candemil na quadra do Ginásio de Esportes Bertholdo Werner.

Em 1979 começou a participar, como carnavalesco e compositor, de sua Escola de Samba de coração, a Vila Isabel. Foi a melhor fase da azul, branco e vermelho. Muitos de seus sambas de enredo, musicalmente interpretados por Helinho da Vila, são cantados até hoje. "Quem diria..." e "Quem viu, viu, quem não viu, verá...", são exemplos de sucessos.
Basta dizer que a Escola do Morro da Nalha sagrou-se naqueles anos (1979 a 1983) cinco vezes campeã consecutiva. O igualmente saudoso Zaverio Eghert também estava lá na equipe, entre tantos outros nomes de famílias carnavalescas, como Primitivo, Santos, Souza (Catarina), Fernandes e Rosa.
Mauro Candemil é casado com Elys Schneider Westphal, advogada.

Pois bem. Feito esse rápido resumo, rabiscadas essas informações, relembrada essas memórias, concluo este texto. 

As eleições de 2 de outubro de 2016 passaram e já entraram para os registros da história.
Mauro Candemil e seu vice Júlio Willemann receberam 10.250 votos dos eleitores lagunenses e a partir de 1º de janeiro de 2017 e pelos próximos quatros anos, estarão à frente no comando da administração de nosso tricentenário município.

Senhores, a nossa Laguna tem pressa! Em algum momento do passado político ela se perdeu na curva e ficou para trás em vários aspectos. Sorumbática em diversas áreas, perdida e abandonada em vitais setores de seu desenvolvimento socioeconômico, como tristemente somos sabedores. 

Portanto, há muito que se fazer pelo soerguimento de nosso município, reconduzindo-o ao seu lugar de destaque no cenário regional e estadual. Há que se ter fé em nosso povo, com muito esforço, ideias, dedicação e realizações, honrando um passado feito de glórias e heroísmos. 

Mãos à obra, muito trabalho e sucesso!

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Composição da Câmara por partidos

O PT da Laguna não conseguiu eleger vereador à próxima legislatura e o PSDB dobrou o número de vereadores na Câmara, com os neófitos Rhoomening Rodrigues “Pingo" e Osmar do Gás.

A maior bancada continua sendo a do PP, com 5 vereadores (Rogério Medeiros, Patrick Matos, Roberto Carlos Alves,  Kleber (Kek) e Preto Crippa, vindo logo após o PMDB com 4 (Valdomiro (Macho), Thiago Duarte, Cleosmar Fernandes e Tono Laureano).

O PSD viu sua bancada diminuir para apenas 1 vereador (Adilson Dois Irmãos), e o PR continua com 1 edil (Rodrigo Moraes).
 

Alguns outros números da eleição na Laguna

Dos 34.257 eleitores aptos a votar na Laguna, em suas 108 seções, compareceram 28.859 (84,24%). Abstenção: (15,76%).

Para prefeito: votos brancos: 959 (3,32%), e votos anulados: 1.348 (4,67%).
Votos válidos: 26.552 (92,01%).

Para vereador: votos brancos: 798 (2,77%), e votos anulados: 880 (3,05%).
Votos válidos: 27.181 (94,19%). Votos nominais: 26.104 (96,04%). De legenda: 1.077 (3,96%).

Renovação na Câmara?

Muita pouca renovação na Câmara de vereadores da Laguna. Dos 13 vereadores, 7 foram reeleitos (Valdomiro Macho (PMDB), Rogério Medeiros (PP), Thiago Duarte (PMDB), Patrick Matos (PP), Roberto Carlos Alves (PP), Kleber Kek (PP) e Rodrigo Moraes (PR)). 

Sem considerar que Pretto Crippa (PP), que foi reeleito, vinha substituindo Dudu Carneiro que não concorreu à reeleição, assim como Andrey Pestana de Farias (PSD) e Orlando Rodrigues (PSD).

Três vereadores que concorreram não foram reeleitos: Vilsinho (PSDB), Silva Bombeiro (PP), ex-PR e Zezinho Siqueira (PP), ex-PT.

Rhoomening (PSDB) (filho do Orlando), Osmar do Gás (PSDB) e Adilson Dois Irmãos (PSD) são os três neófitos na Câmara a partir de 1º de janeiro do ano que vem.

Retornam ao Legislativo lagunense, após 4 anos, os vereadores Cleosmar Fernandes (PMDB) e Tono Laureano (PMDB).

Votação dos demais candidatos a vereador na Laguna, (em ordem decrescente)

14   Tavinho (PP): 822 VOTOS
15   Zezinho Siqueira (PP): 659
16   Vilsinho (PSDB): 652
17   Maria Inês Uliano (Mari)(PSDB): 581
18   Hira Ramos (PP): 556
19   Coronel Denei (PSDB): 547
20   Jaco (PP): 475
21   Professor Ronaldo (Boca) (PSD): 413
22   Nádia Tasso Lima (PMDB): 409
23   Silva Bombeiro (PP): 408
24   Waldyzinho (PMDB): 383
25   Cida Ramos (PMDB): 355
26   Paulinho da Rádio Elétrica (PSB): 340
27   Karmensita (PSD): 337
28   Zé Gaúcho (PDT): 309
29   Dr. Wagner Zopelaro (PSB) 304
30   Gustavo Barzan (PSD): 282
31   Alzira do CAIC (PSC) 237
32   Babalu (PSD): 234
33   Jairinho (PP): 214
34   Adilson Chaverinho (PRB): 209
35   Ana Feuser (PT): 190
36   Patrick de Souza (PSD): 182
37   Beto Tiburcio (SD): 168
38   Fábio Farmacêutico (PP): 165
39   Dr. Pedroso (Pedroso) (PSB): 144
40   Elizete Escola Castelinho (PSB): 143
41   Peterson (PDT): 140
42   Michel Bento (PSDB): 133
43   Elias Ochs (PV): 118
44   Willian Castro (PDT): 117
45   Pedro Pedrada (PSB): 114
46   Prof. Emerson Diecks "Amo" (PR): 104
47   Kleiner Nascimento (PRB): 87
48   Chico do Xavante (PMDB): 85
49   Daniel Euzebio "Dede" (PR): 83
50   Barreiros da Rádio (PSB): 81
51   Altamir (PDT): 79
52   Kaká (PT): 77
53   Roberto Vandre Rosa Betinho (PSB): 73
54   Valmir Teles de Santana (PMDB): 68
55   Duarte do Sindicato (PT): 65
56   Lauro Cardoso Marinho (PMDB): 65
57   Lezo (PSDB): 65
58   Adolfo Weber da Silva (PMDB): 64
59   Daniela Berti (PV): 61
60   Wallaston de Oliveira (PSDB): 59
61   Augusto da Topic (PSB): 57
62   Correto (PDT): 56
63   Manoel Carlos (PT): 53
64   Dirceu Corvina (PT): 51
65   João Carlos Black (PT): 47
66   Valdir Santana Tche (SD): 46
67   Adriano B.A (PV): 44
68   Helen Mendonça (PP): 42
69   Isac Lopes (PSC): 42
70   Casimiro (PSD): 41
71   Nelson Antônio (PT): 40
72   Claudio "O Vigilante" (PSDB): 36
73   Fernanda Duarte Araujo (PDT): 35
74   Eliane Cristina (PMDB): 32
75   Professora Maria Helena (PT): 29
76   Edson Fernando "Pampo" (PT): 28
77   Anna Claudia Kutianski (SD): 26
78   Rosangela (PT): 24
79   Carolina Lopes Natal (PRB): 22
80   Rubinho (PSB): 20
81   Profesora Ariane (PSDB): 17
82   Luíza Torres Siqueira (PP): 16
83   Miguel Maiato (PSC): 16
84   Lizandra (Lilica) (PSD): 15
85   Passos (PSC): 14
86   Flávia Bressan (PP): 12
87   Rosa Maria Fernandes (PSB): 10
88   Sérgio Luiz de Souza (PSD): 10
89   Balinha (PMN): 9
90   Alexandre Perninha (PSC): 8
91   Izabel (PDT): 7
92   Diana Marinho (PP): 7
93   Dona Lourdes (PMN): 2
94   Kilika (PMN): 1
95   Mylena (PSDB): 1
96   Cristina dos Santos (PSB): 1
97   Thaise Henrique (PP): 1
98   Evelyne (PP): 1
99   Zuleida Rosa (PMDB): 0
100       Eva Almeida da Rocha (PSD): 0
101       Gi Aguiar (PSDB): 0