Blog do Valmir - Laguna

Blog do Valmir - Laguna
E-mail: valmirguedes@yahoo.com.br Fone: (48) 9957-3954

quarta-feira, 23 de julho de 2014

A Globo e Hollywood não sabem o que estão perdendo

A Rede Globo e outras emissoras de televisão, não sabem o que estão perdendo.

Se mandassem uns olheiros à Laguna, contratariam alguns atores e atrizes para seus núcleos de elencos.
São personagens prontos e acabados que não precisariam nem fazer laboratórios para desempenhar seus papeis.

Tem cada artista! Para todos os gostos, com a vantagem é que já estão treinados e ensaiados para entrar em cena. Pode ser no gênero romance, tragédia policial, drama, ficção e alguns até terror.

Há bandidos desempenhando papel de mocinhos; ladrões posando de honestos; vigaristas de folha corrida achando-se injustiçados; malandros notórios e conhecidos de uma existência dizendo-se sempre assíduos trabalhadores; pobres posando de ricos (esse é o tipo mais comum)...
Alguns desses artistas merecem, há tempos, prêmios pelos seus ótimos desempenhos nos palcos da vida.

Um Oscar, um Globo de Ouro, um Troféu Imprensa viriam a calhar por justo e reconhecido merecimento.
Sinceramente, a Globo e Hollywood não sabem o que estão perdendo.

Pois então, abrem-se as cortinas, acendem-se os refletores, rufem os tambores no recinto e
And the Oscar goes to ...


(Escolham os seus preferidos).

terça-feira, 22 de julho de 2014

Nota de falecimento++

Faleceu ontem à tarde em nossa cidade, Erotildes Garcia, o “seu” Tidinho, 83 anos.
Foi presidente da Escola de Samba Brinca Quem Pode, e garçom por profissão. Trabalhou durante muitos anos nos eventos sociais da Laguna, principalmente em bailes no Clube Blondin, onde comandava a turma toda. Educado, atencioso com todos, fez muitos amigos. Residia no bairro Campo de Fora. Deixa dez filhos (seis mulheres, quatro homens).
Sentimentos aos familiares e amigos.


Corpo está sendo velado na capela mortuária do bairro Progresso e sepultamento ocorre às 14 horas desta terça-feira.

domingo, 20 de julho de 2014

Nota de falecimento+

Faleceu agora à tarde no hospital Regional de Araranguá onde estava internado há onze dias, Rogério Wendhausen, aos 76 anos.

Foi comerciante em nossa cidade (Loja Azulejão), presidente da Associação Comercial e Industrial da Laguna – ACIL (1979-1981), vice-prefeito, prefeito em exercício, secretário de governo nas pastas de saúde, finanças e obras nos governos de João Gualberto Pereira (1983-1988) e (1997-2000), membro da Irmandade e do Coral Santo Antônio dos Anjos.
Deixa a esposa Alba  e os filhos Rogério Jr. e Cláudia, além da irmã Maria Salete Wendhausen Barbosa.

Sentimentos aos familiares e amigos.


PS: corpo está sendo transferido para Laguna e será velado na sala mortuária da Central de Luto Cristo Rei, ao lado do Ceal. Sepultamento ocorre nesta segunda-feira às 15 horas.


sexta-feira, 18 de julho de 2014

Criador X criatura. Ou os nossos monstros do dia a dia

General Golbery do Couto Silva, um dos articuladores do golpe de 1964, no fim de sua vida, estertores da ditadura militar do Brasil, em entrevista em forma de desabafo, disse que havia parido um monstro.
Referia-se à criação, por ele, do temível Serviço Nacional de Informações, o SNI, que havia extrapolado suas funções originais, tendo vida própria e já não seguia mais as instruções de seu criador e primeiro gestor.

Na peça, livro e filme Frankenstein, a lenda do médico e monstro criado em laboratório, a revolta contra o próprio criador.
Criatura em geral mostrada monstruosa que se liberta do criador - economicamente, emocionalmente, psicologicamente? – numa rebeldia antropofágica, porque ao fim de tudo sucumbem os dois.
E não é assim em todas as situações? Na política, nos negócios, nas amizades, na família?
Luta do bem (novo, forte e triunfante) contra o mal (velho, fraco, perdedor)?

Chico Buarque canta em “Canção desnaturada”, a sua decepção, através da dor de uma mãe ao ver sua filha fugir com Max Overseas, no musical Ópera do Malandro.
Chico diz, entre outras coisas, usando a voz materna, e é claro feminina:

Se fosse permitido
Eu revertia o tempo (...)

(...) Recuperar as noites,
Que atravessei em claro
Ignorar teu choro
E só cuidar de mim...

Deixar-te arder em febre, curuminha
Cinquenta graus, tossir, bater o queixo
vestir-te com desleixo
Tratar uma ama seca
(...)
Tornar azeite o leite
Do peito que mirraste
No chão que engatinhaste, salpicar
Mil cacos de vidro

Pelo cordão perdido
Te recolher pra sempre
À escuridão do ventre, curuminha
De onde não deverias
Nunca ter saído.

Não é pura decepção de uma genitora (criadora)? A ponto de desejar que a filha (criatura?) nunca existisse? Ou que retornasse às origens? Arrependimento por tudo que fez em benefício da cria?

E aí fiquei meditando com meus botões da camisa: quantos monstros criamos ao longo de nossa existência? Monstros que cuidamos, alimentamos e depois se volvem contra nós?

Das monstruosidades imaginárias e apavorantes da nossa infância, na forma de bicho-papão, lobisomens, bruxas, homem do saco, etc., passando pelos pecados e traumas de toda uma existência perpetrados pela religião cristão-ocidental.

Das dúvidas, traumas e fobias da passagem da pré e adolescência, até anomalias de sangue, carne e osso, educados e diplomados já na fase adulta e que “hipócritas, andam disfarçados ao redor”.

Dos sorrateiros de sempre, procurando o momento adequado para nos assustar/matar no conhecido e dolorido punhal da traição.
- Até tu, Brutus? Na frase interrogativa e decepcionada do imperador Júlio César.

Por isso as tantas desilusões, os desapontamentos com atitudes mesquinhas, vaidosas, rancorosas e odiosas.
Na verdade esperamos demais dos outros e por isso as mágoas existenciais por aí, com comportamentos alheios que imaginávamos - tolos e ingênuos que somos - sempre diferentes.
Ou pelo menos não decepcionantes.

 ***


Mas é isso. Não liga não leitor, são divagações deste pobre escriba numa sexta-feira nublada de julho, vento sul, sujeita a chuvas e trovoadas.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

O mais do mesmo

Já escrevi aqui nestas páginas, em vários anos e administrações, sobre a realização da chamada “Semana Cultural da Laguna”.
Não me repito ao leitor, já estou cansado de me reproduzir aqui em tantos outros assuntos. Se houver interesse em alguma leitura, basta clicar, por exemplo, em:

Pois ontem, terça-feira, a menos de uma quinzena do início do evento, foi divulgada oficialmente a programação no site da prefeitura da 33ª Semana Cultural, a ser realizada este ano.

Programação aqui:

Que acharam? Leram direitinho? Novidades?  Gostaram? Não gostaram?
Como se lê, não haverá - mais uma vez - nem tomadas nem repúblicas. E nem vou entrar no mérito da questão, que o assunto dá pano pra manga.

50 mil reais para o Moto Laguna de inverno
A Semana é quase uma repetição em algumas atrações de anos anteriores. Exceção da realização do encontro de inverno de motociclistas, através do Laguna Moto Clube, entidade, é bom salientar, que recebeu da prefeitura, via Fundo Municipal de Turismo, através do Convênio 024/2014, a importância de 50 mil reais para realização do evento.
Nada de concurso literário, maratona fotográfica, torneio de pesca, futebol, mostra de cinema, encontro de bandas, corais, etc. Sequer umas rodadas de dominó.
Aliás, não há nem a participação do nosso Coral Santo Antônio dos Anjos!
E o Boi de Mamão? E as Bandas Carlos Gomes e União dos Artistas?
A Semana Cultural não é para resgatar a história e tradição?

No programa divulgado também não consta a tradicional salva de tiros às 6 da manhã, no dia 29, lá dos altos do Morro da Glória.
Ou querem a surpresa ou esqueceram de citar.

Vivas para a homenagem ao artista plástico Richard Calil Bulos, pena que chega tão tarde, ele que tanto lutou por Laguna através de seus escritos. E pagou muito caro por isso. Mas  Xaxá não gostava de homenagens, é bom que se diga. Mas exposição é sempre bem vinda.

E vivas também para o cartaz da Semana Cultural deste ano, que estampa o arquiteto, historiador, escritor e pesquisador Wolgang Ludwig Rau, responsável, junto com Salun Nacif, pela quase totalidade dos monumentos históricos da cidade (Tordesilhas, Jerônimo Coelho, Domingos de Brito Peixoto, Garibaldi...) além do projeto arquitetônico do Cine Teatro Mussi, inaugurado em 1950.

Mas a melhor homenagem que Rau poderia receber, seria a criação e inauguração de um espaço adequado, condizente, para receber sua valiosa coleção garibaldina, atualmente apertada na Casa Pinto Ulysséa.
E não deixar - jamais! - que seu acervo - cedido em comodato - retorne ao governo do estado, via Fundação Catarinense de Cultura - FCC, por isso ou por aquilo. Seria um absurdo!

Esqueceram a homenagem ao fundador?

E, finalmente, uma omissão imperdoável. 
Alô, alô, Leonardo Pascoal, alô, alô prefeito Everaldo dos Santos. Não há qualquer menção, no dia 29 de julho, dia do aniversário da cidade, a uma solenidade em homenagem ao Fundador da Póvoa de Santo Antônio dos Anjos da Laguna, o vicentista Domingos de Brito Peixoto.
Depositar, ao menos, uma corbelha aos pés da estátua, ali defronte ao Cine Mussi, ao som do nosso hino e bandeira.
A não ser que já tenham decidido – e eu não fiquei sabendo - que Domingos de Brito Peixoto não é mais o fundador da Laguna.


Pronto! Falei!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Li e gostei

Li, gostei e trago lá do Blog do Renato Souza para vocês:


sexta-feira, 4 de julho de 2014

Trocando figurinhas

Alfredo Dias, o conhecido Babá do B.B. (Banco do Brasil) comenta comigo que sua figurinha do Barriga Verde F.C., de 1962, (nº 75) inserida no álbum era considerada fácil, ou “cherne” como se dizia naqueles tempos.
(Já estampei a página do álbum aqui no Blog há poucos dias, mas o repito, não tem problema).
O Barriga Verde foi campeão do Torneio Início daquele ano.

Elas, as figurinhas, não vinham dentro de envelopes como atualmente, mas enroladas num papel amarelo, em uma bala guloseima chamada Seleções.
O pessoal quando abria e via que era o Babá exclamava:
 – Que abuso! e jogava o papel ao chão. Sua fotografia rolava aos montes pelas ruas e calçadas, ele hoje conta rindo.
Em compensação, lembra Babá, a do Luiz Paulo Carneiro era figurinha difícil (nº 69), e dava direito a prêmios, como uma bola de futebol, boneca, etc.
E o Babá finaliza:

- Sabe como é, filho do dr. Paulo Carneiro, prefeito da Laguna, presidente do Blondin, o Luiz Paulo era figurinha carimbada.

Álbum do Barriga Verde F.C. 1962
Babá. Figurinha fácil, "cherne".

Luiz Paulo Carneiro. Figurinha carimbada.
Dava direito a prêmios, como bolas e bonecas.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Factóide

É propaganda política mal intencionada. Um fato divulgado com sensacionalismo, verdadeiro ou não.
É uma técnica muito utilizada por políticos visando manipular a opinião pública, principalmente a população menos esclarecida.
O que têm de (des) governantes por aí usando dessa ferramenta.

Mas não enganam mais ninguém. A não ser os que querem ser enganados, aí não tem jeito.

sábado, 21 de junho de 2014

Cópias, plágios e farsas

É comum ultimamente, principalmente depois que inventaram os tais Ctrl+C, Ctrl+V, a reprodução de notas, fotografias e artigos na internet. Quando a fonte é citada, não há problema algum, penso eu. Mas há veículos de comunicações e autores que exigem autorização por escrito para tal.

Mas o que a gente mais percebe é a mera reprodução, sem menção à autoria.
Quem é da área, logo percebe quando um artigo em jornal, um editorial, não foi escrito por tal pessoa, ainda mais se a gente conhece mais de perto a tal pessoa.
Há o estilo, as frases, as palavras, enfim, todo um modo de escrever que denuncia o farsante.
E hoje, com a internet, pouca coisa escapa aos olhos dos Googles da vida.
Basta digitar um ou dois parágrafos na busca que logo vem o artigo original, o nome do autor e o veículo onde foi publicado. Fácil, fácil, não se engana mais ninguém.
E tem gente por aí que se diz jornalista que copia descaradamente, muitas vezes sem se quer se dar ao trabalho de alterar o próprio título da matéria, a manchete, ou trocar um sinônimo, um adjetivo.

Tornou-se também um péssimo hábito em programas de rádios, principalmente os jornalísticos, a mera leitura de matérias de jornais de uma cidade, da região ou do estado, sem citar a fonte.
O ouvinte menos avisado, o incauto, fica a achar que o departamento jornalístico da emissora está trabalhando arduamente para produzir as matérias lidas. Tudo não passa do famoso e antigamente chamado “Gilette-press”. Assim fica fácil e qualquer um que pelo menos saiba ler – e às vezes nem precisa tanto – pode produzir um programa dito jornalístico.

Continuemos. Um amigo meu, professor aposentado, que já pertenceu às bancas examinadoras e também foi orientador de trabalhos TCC’s, os tais trabalhos de conclusão de curso, me disse há algum tempo que a cópia, o plágio, virou uma praga.
Há muitos trabalhos originais, verdadeiras pesquisas que merecem a reprodução em livros. Outros, à lixeira.
Mas tem que ficar muito atento, ter muita leitura de bibliografias para distinguir quando parágrafos, às vezes longos trechos são copiados de outros autores por alunos malandros, que posam de inteligentes e de espertos, mas do tipo esperteza do mal.

Como são milhares de TCC’s para orientação e julgamento em todo semestre, em centenas de cursos nas mais diversas faculdades, muita coisa passa desapercebida e às vezes o aluno recebe um dez brilhante, com estrelinhas, mas injustamente, porque fruto de um trabalho de outrem copiado, plagiado. Uma farsa.

Se for descoberto há como denunciar, me disse ele, e o aluno pode até ser desmascarado e perder o diploma de conclusão de curso.

Amarelou

Um colega esta semana na Raulino Horn, numa roda, se proseava todo, vestindo uma camiseta na cor amarelo-desbotado, dizendo que a vestimenta dava sorte para a seleção brasileira  e com ela assistiu há quatro Copas do Mundo.
No que outro respondeu na lata:

- Logo se vê. Bem por isso que depois de tantos anos a tua camiseta virou uma baby look! Olha o umbigo aparecendo!

Só para constar:

De acordo com o Código Penal, é tráfico de influência solicitar, exigir, cobrar ou obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato praticado por funcionário público.

Queimando o filme

Tem um sujeito que anda dizendo por aí, pelas esquinas e em algumas reuniões, que será candidato a vereador nas próximas eleições.
Mas o tal sujeito é tão arrogante, tão boçal, tão raivinha, cria tantas inimizades, fez e faz tantos inimigos, que periga chegar em 2016 e ele receber somente os votos da mulher e dos filhos.

E olhe lá!

terça-feira, 17 de junho de 2014

Festeiros de Santo Antônio dos Anjos 2015

Última novena, domingo à noite, fiéis sempre estão curiosos para saber a nominata dos 14 festeiros do ano seguinte.
Pois, atendendo a pedidos, aqui estão os nomes, em ordem alfabética. 
Desejo sucesso e muito trabalho a todos eles e torço que as duas bandas da terra e os artistas plásticos da Laguna (decoração e ornamentação), sejam mais prestigiados:

Ana Luiza Falchetti Pestana
Ana Paula Brum
Coca Schlickmann
Graça Neus
Juliana Fidélix Siqueira
Silva Vieira Ramos
Vilma Feuser

Djair Borges Jr.
Jurandir Figueiredo
Otávio Luiz Alberton
Pedro Paulo da Silva
Roberto Pedro Prudêncio
Rhoomenning Rodrigues
Ronaldo Coradini

Busto de Jerônimo Coelho foi recuperado

Busto está em poder da Guarda Municipal.
Foto: Elvis Palma
Soube ontem à tarde, extraoficialmente - secretaria de Comunicação Social da Prefeitura, no site, ainda não noticiou o ocorrido - que o busto de Jerônimo Coelho foi recuperado pela Guarda Municipal da Laguna, graças à denúncia telefônica de um morador das proximidades da praça. A peça será entregue à Fundação Lagunense de Cultura. 
Um sujeito embriagado arrancou o busto do pedestal na noite de sexta-feira. Através de denúncia do morador, que presenciou a lamentável cena, a Guarda Municipal chegou a tempo de recuperar o busto, que rolava pela calçada.
Não se enquadra como danos ao patrimônio público? Foi detido o tal sujeito? Não era o caso de fazê-lo prestar serviços à comunidade? Limpar a praça, por exemplo, durante um mês?

Melhor assim que o busto foi recuperado, mas não retiro uma palavra do que escrevi. 
Que o acontecido sirva de alerta às nossas autoridades. Nossos monumentos estão abandonados e precisam de manutenção, forte iluminação e segurança. Não há câmera de monitoramento no Largo do Rosário, por exemplo. 

Convenhamos. Se um sujeito embriagado consegue arrancar um busto de um pedestal é porque a peça não está bem afixada. Não é o caso de reforçar todos os monumentos e placas?
Parabéns primeiramente ao morador que denunciou à Guarda Municipal o dano ao patrimônio público no exato momento em que ele ocorria e a esta que prontamente agiu.


***

Blog do Moacir Pereira registrou o fato:


Busto de Jerônimo Coelho desaparece e é encontrado em Laguna
O busto de Jerônimo Coelho, fundador da imprensa e da maçonaria de Santa Catarina, desapareceu no fim de semana do pedestal situado no centro histórico de Laguna.
A informação tomou as autoridades e a população de surpresa. Hoje a tarde veio a notícia dada pelo jornalista Valmir Guedes Junior de que um bêbado teria retirado o busto no sábado e saiu com ele pelas ruas centrais de Laguna.

A Guarda Municipal já identificou a autoria e a localização do busto e deverá entrega-lo a Fundação Lagunense de Cultura.

sábado, 14 de junho de 2014

Sumiu o busto em bronze de Jerônimo Coelho situado no Centro Histórico da Laguna

A Praça Jerônimo Coelho, no Largo do Rosário, no Centro Histórico da Laguna, amanheceu neste sábado sem o busto de Jerônimo Coelho. 
Pedestal amanheceu vazio. Uma das placas (a outra, em acrílico, está uma sujeira)
com dizeres informativos, mais abaixo, já sumiu há tempos.

O pedestal que trazia o busto do ilustre lagunense, o catarinense de maior renome do Império, fundador da Imprensa e da Maçonaria Catarinense, amanheceu vazio.
No próximo 31 de julho se comemora 183 anos da criação e circulação do primeiro jornal em nosso estado, O Catharinense. 



Em Florianópolis, ano passado, os bustos de Victor Meirelles, José Boiteux, Cruz e Sousa e Jerônimo Coelho foram furtados do Jardim Oliveira Belo, Praça XV de Novembro. Até hoje não foram recuperados e outras peças estão sendo confeccionadas para reposição.
Laguna seguirá o triste exemplo?
O que diz a Associação Catarinense de Imprensa/Casa do Jornalista? Alô, Alô presidente Ademir Arnon e jornalista Moacir Pereira. O que dizem as quatro Lojas Maçônicas da Laguna? Nem uma moção de protesto pelo sumiço? Um pedido de providências? E daí vereadores?

***
O leitor é testemunha. Não me canso de repetir aqui há anos sobre a situação dos nossos monumentos (Ainda em fins de maio último repeti a dose. Veja:

E mais algumas publicações:




Nossos monumentos e pontos turísticos estão abandonados, sem maiores cuidados e limpezas. Reina a escuridão em todos eles. Placas em bronze foram furtadas (Tordesilhas, Busto de Garibaldi, Nª Senhora da Glória, Obelisco, Domingos de Brito Peixoto, Almirante Lamego, etc) e até hoje não repostas. E ninguém, ABSOLUTAMENTE NINGUÉM, dá bola!
Na Praça Jerônimo Coelho, por exemplo, onde sumiu o busto, não há câmara de segurança instalada e luminárias estão queimadas.

Há que se preocupar mais com nossa cultura e história que estão indo pelo ralo do desinteresse de nossas autoridades municipais. E daqui a pouco mais de um mês uma nova Semana Cultural faz parte do calendário. Comemorar o quê?
E milhares de livros da Biblioteca Pública Romeu Ulysséa continuam em caixas no chão! E as poucas estantes que existem estão completamente enferrujadas. Risco até de tétano nos leitores!            
Blá-blá-blá sem atitudes de nada adianta.

Pergunto: Na troca de governo passado, no início de 2013, foram feitos inventários nos Museus Anita Garibaldi e Casa de Anita? 

E no acervo Garibaldino do professor Rau (cedido em comodato pelo governo do estado através da Fundação Catarinense de Cultura) para Laguna? Faltam peças ou não? Se faltam, quantas e quais? Onde foram parar? Alguém foi responsabilizado? Registrou-se as ocorrências à época? A Laguna corre ou não o risco de perder o acervo do arquiteto, historiador e escritor Rau?
Se perdermos o acervo alguém tem de ser responsabilizado.
Por que não alugar ou adquirir um imóvel condizente e transferir para lá o maior acervo sobre Garibaldi, Anita e a época em que viveram?

E já que estou perguntando, vou continuar: Qual a arrecadação mensal de ingressos nos dois Museus?  Têm balancetes publicados? Quero trazer aqui para os leitores. Onde é aplicada a arrecadação?

Eis o Busto em bronze de Jerônimo Coelho que sumiu do pedestal no Centro Histórico da Laguna.
E AGORA?
Atualizado em 16/06/2014, às 12:00h

Soube agora há pouco, extra-oficialmente - site da prefeitura ainda não publicou o ocorrido - que o busto de Jerônimo Coelho teria sido recuperado pela Guarda Municipal - graças à denúncia telefônica de um morador das proximidades da praça - e hoje à tarde será entregue à Fundação Lagunense de Cultura. Um sujeito embriagado arrancou a peça do pedestal  na noite de sexta-feira. Graças à denúncia do morador, que presenciou a cena, a Guarda Municipal chegou a tempo de recuperar o busto que rolava pela calçada.
Não se enquadra como danos ao patrimônio público?

Melhor assim que o busto foi recuperado, mas não retiro uma palavra do que escrevi acima. 
Que o acontecido sirva de alerta às nossas autoridades. Nossos monumentos estão abandonados e precisam de manutenção, iluminação e segurança. Não há câmera de segurança no local. 
Se um sujeito embriagado consegue arrancar um busto é porque a peça não está bem fixada. Não é o caso de reforçar todos os monumentos e placas?
Parabéns primeiramente ao morador que denunciou a cena à Guarda Municipal,  e a esta que prontamente agiu.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Um visual diferente, Laguna em clima de Copa do mundo

Nas fotos de Elvis Palma, hoje pela manhã, O Morro da Ponta da Barra ornamentado com enorme bandeira com as cores do Brasil.

É o clima da Copa do Mundo na Laguna. Dá-lhe Brasil!


quarta-feira, 11 de junho de 2014

Umas & Outras

Falta entrosamento
Sou leigo em futebol, mas como todo brasileiro, sou mais um técnico a dar palpites.
Sem fazer maiores previsões, mas pelo futebol mostrado nos jogos amistosos contra o Panamá e a Sérvia, o Brasil não irá muito longe neste Mundial.
Os jogadores são muito adaptados aos seus clubes de origem. Não há entrosamento na seleção brasileira. Além do mais, depositar esperanças somente num jogador como Neymar, não dá. E aquele meio campo...
Aguardemos. E vamos torcer.

Luz
Lembram quando me referi aqui da escuridão da Imagem de Nossa Senhora da Glória, lá no alto do morro?
Pois esta semana voltou a receber os holofotes, substituindo àquela luz fraca instalada no chamado “outono rosa” do ano passado.

Luz II
Por falar nisso, as doze luminárias do Jardim Calheiros da Graça também voltaram a iluminar o lado Norte. Reclamação que também postei aqui há alguns dias.
Pena que o centenário chafariz não voltou a funcionar. Assim como falta uma geral no nosso tradicional Jardim, além do tratamento das árvores, o plantio de grama e flores.
É pouco? Mas é isso que levanta a  alto estima do povo e não o fazendo prejudica a imagem de um governante. Mas vai explicar isso a quem se acha o máximo.

Engana que eu não gosto
Quando alguém com cargo em algum governo, como exemplo o de secretário, ameaça sair, desembarcar, enviando recadinhos à imprensa ou postando em redes sociais sobre o fato, sempre fico com os dois pés atrás.
Porque me ponho a pensar que se trata apenas isso: recadinho. Para aumentar o “passe” com o chefe ou ter sucesso em alguma reivindicação não atendida. Às vezes basta uma conversa ao pé do ouvido, um afago, uma passada de mão na cabeça e tudo volta ao normal.
Quem quer sair, sai e pronto! Zé fini!

O Galo de Ouro
Revista Veja desta semana traz reportagem especial sobre Eder Jofre. Lendário e maior pugilista brasileiro de todos os tempos. Campeão mundial em duas categorias (galo e pena).
Eder fez 81 lutas, de 1956 a 1976. Perdeu apenas duas vezes por pontos. Abandonou a carreira aos 40 anos.
Hoje aos 78 anos, vive com sua filha, numa casa em São Paulo. Apresenta quadros de confusão mental e perda de memória.
Diagnosticado primeiramente com a doença de Alzheimer, seu histórico sugeria na verdade, de acordo com a reportagem, encefalopatia traumática crônica, doença bastante comum em boxeadores e jogadores de futebol americano, que afeta o cérebro.
Triste realidade para um grande campeão. Na década de 70, crianças e adolescentes torcíamos por ele em suas lutas representando o Brasil.
O Galo de Ouro como foi denominado.

Fraco
Movimento fraco no Centro Cultural Santo Antônio dos Anjos após as trezenas. Melhorou um pouco no fim de semana passado e voltou a cair nas últimas noites.
Pessoal se queixa que faltam atrações musicais no lado externo. Ou o culpado será o frio? Ou a falta de grana no meio do mês?
Movimento deve melhorar a partir do feriado municipal em honra ao padroeiro, 13, sexta-feira. E sábado, 14, quando da transladação, porque aqui acorrem tradicionalmente políticos e autoridades, principalmente em ano de eleições. O beija mão vai ser grande.

É dinheiro ou não é?
As conversas e comentários na cidade, o ti-ti-ti, é quanto aos valores recolhidos em forma de ISSqn à prefeitura da Laguna pelo Consórcio Camargo Corrêa/Atarpa M. Martins/Construbase, que executa a ponte sobre o Canal de Laranjeiras.
Em documento enviado à presidência da Câmara de vereadores de nossa cidade, Luiz Gustavo de Oliveira Zanin, Gerente do Projeto, informa que foram recolhidos até agora cerca de R$ 17 milhões.
Zanin informa também que a projeção de recolhimento de ISSqn de hoje até o final da obra, no primeiro semestre do ano que vem é de R$ 6.500.000,00 (Seis milhões e quinhentos mil reais).
O que todos se perguntam é onde todo esse dinheiro foi aplicado.
Uma prestação de contas feita no papel, ao povo lagunense seria bem vinda. É o mínimo que se espera.
  
Às escuras
As Docas do Centro Histórico continuam às escuras, sem os holofotes que a iluminavam e com muitas luminárias queimadas ao longo do cais.
Quem resolve?
Até quando?

sábado, 7 de junho de 2014

Depois dos cinquenta anos é assim

Chega um tempo na vida da gente que começamos a reencontrar amigos, familiares e conhecidos somente em velórios. Cruz credo!

E também nas antessalas de consultórios e clínicas médicas.

Na manhã chuvosa da última sexta-feira , os consultório médicos situados no prédio do antigo Banco Nacional do Comércio, estavam lotados. Algumas poucas crianças acompanhadas de suas mães para o atendimento com o pediatra dr. Celso Palma.
Mas a maioria do pessoal era para consultas com o dr. Oscar Pinho e o clínico (e geriatra) dr. Silvinho Castro.
No atendimento na recepção, a Sônia e Clair se desdobravam, entre carteiras, formulários e fichas.

Uma senhora mais apressada perguntava se não existia uma fila preferencial para idosos. No que a Sônia calmamente explicava que ela já estava exatamente na fila para idosos, com seu término lá na escadaria de entrada do prédio.
E sempre chegava mais um.

Um conhecido senta ao meu lado, usando bengala e gemendo. Indago os motivos e ele me responde que é o ciático que está novamente incomodando.
O “novamente”, ele frisou, entre dentes.

Defronte, um amigo se remexe no banco e me conta que está com pontadas. Acha que pode ser uma pneumonia. Começou a sentir a dor quando tirou a camisa no quintal da casa e uma corrente de vento nordeste, o tal "vento encanado" bateu de cheio... Uma bobeira.
- Mas na nossa idade não podemos mais fazer isso não, alerto.
E lembro saudosista quando ele e eu jogávamos bola nas areias da praia, inverno e verão, e depois, suados, mergulhávamos nas águas geladas do Mar Grosso. Ou que após as peladas no campinho do Magalhães tomávamos banho com água de torneira ou de mangueira, ali no poço da casa da Dª Adalgisa.
Mas isso foi há muito tempo...
- Agora meu amigo, até a água do chuveiro tem de estar quentinha, completo.

- A verdade é que depois do cinquenta anos muita coisa começa a ficar proibitiva, exclama um senhor ao meu lado. No que concordo inteiramente com ele, lembrando alguns tons de cinza... da idade.
E ele continua:
- Antes, meu filho, eu não tinha dinheiro para comprar o que eu desejava comer ou beber. Hoje tenho melhores condições financeiras mas não posso mais porque a glicose é alta, o nível de colesterol está absurdo e o fígado é fraco.

A senhora ao seu lado, acho que sua mulher, entra na conversa e diz:
- Depois dos cinquenta é assim mesmo, o que é pra ficar duro amolece e o que é pra ficar mole endurece!.

Epa!!! Ainda não, ainda não!!!

Por coincidência, outro conhecido chega mancando, senta ao meu lado e diz que está com “gota”.
Será que foram umas cervejinhas que tomei assistindo ao jogo amistoso do Brasil?
Vai saber...
-O que vai ser de mim na Copa? Choraminga ele.

Um amigo meu de juventude (não disse? Mais um chegando, assim mesmo no gerúndio), companheiro dos bailinhos do 3 de Maio e da sessões do Cine Mussi, entra com as mãos na barriga, ventre estufado, suando em bicas e com calafrios. Marca a consulta, me cumprimenta e após alguns minutos, quando desocupa uma vaga, senta ao meu lado.
Entre um gemido e outro vai contando sua sina. Ele me diz que já fez de tudo, já comeu passas, chupou laranjas, tomou dúzias de laxantes e nada. Está simplesmente há mais de uma semana sem evacuar. 
- Minha nossa! Coitado! Que situação!
E aí me desculpe leitor o humor azedo e fora de hora, eu sei, mas fiquei pensando no paradoxo: logo ele que na nossa juventude era conhecido como o maior cagão da turma.

Pra ocê vê o que a idade faz com a gente...

E assim corre a manhã, numa antessala de espera de um consultório, onde vamos em busca de um alento, de um lenitivo, de remédios que curem ou atenuem nossas dores físicas.

Já as dores d’alma, as feridas existenciais, estas são mais difíceis. Não há mágica  ou curativos às decepções, mágoas e injustiças do dia a dia.

A não ser a fé em Deus e o tempo, que tudo sara, tudo abranda. E também esquece.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

O lagunense é f... (II)

Há algum tempo, numa roda, um sujeito, comerciante dos mais conhecidos na Laguna, ao ver chegar outro comerciante, certamente seu concorrente nos negócios, exclamou:
- Oh! fulano, pensei que já tinhas morrido!
Silêncio constrangedor de todos os presentes pela grosseria pronunciada.
O outro então, calmamente respondeu:
- Tu vais ver com’eu duro!

A cacofonia, claro, foi proposital. Dali a algumas semanas o tal sujeito que tinha pensado que o outro já tinha batido as botas, morreu de repente.
Quanto ao outro, até hoje anda por aí, nas ruas da cidade, esbanjando saúde, vivinho da silva e sempre que é solicitado conta a tal história.
- Tu vais ver com’eu duro!

É fato, aconteceu na Laguna, terra de casos raros.

***
Por conta das obras da Ponte Anita Garibaldi, feitas pelo Consórcio Camargo Corrêa, são centenas de trabalhadores morando em nossa cidade. Alguns deles fazem suas refeições no próprio restaurante situado no canteiro de obras (na antiga estação de Cabeçuda). Outros almoçam e jantam em alguns restaurantes da Laguna.
Imaginem vocês que por conta do esforço braçal, da energia gasta, a quantidade de comida posta no prato é grande.  Quase sempre o peso é livre. A turma precisa se alimentar. E bem.

Pois dia desses, no tradicional restaurante Pardhal’s, um dos Buffets – em minha opinião - mais diversificado e saboroso de nossa cidade, onde o suco e o refri chegam em segundos e o atendimento é nota 10, sem cara amarrada, um conhecido lagunense caprichou no prato, uma verdadeira montanha de comida. Se fosse pesado a balança teria marcado tranquilamente mais de um quilo e meio. O “morro” era tão grande que impressionou os presentes. A comida derramava-se pelas bordas.
Foi quando um amigo do tal sujeito, ao observar a cena à mesa, tascou:
- Pô! Isso é o que pode se chamar de “Prato Camargo Corrêa”.


Pronto! Desde o acontecido o nome pegou e um prato exagerado hoje na Laguna está batizado com este apelido.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

O lagunense é f...

Uma senhora agora pela manhã, bem perto do meio-dia, vinha caminhando pela calçada da Raulino Horn.
Outra senhora, das mais conhecidas, ao cruzar com ela, observa sua sacola de plástico com três marmitex (quentinhas) para o almoço. E tasca:
- Mas tu come tudo isso!!!???

 ***

Um sujeito cruza com outro e na porta do Centrão Lanches exclama:
- Fulano, tu não envelheces nunca? Não és normal.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Os craques do futebol do passado - Barriga Verde F.C.


Nas figurinhas que tanto sucesso fizeram à época, conforme testemunhos de vários pessoas, os onze titulares: Iberê, Luiz, Luiz Paulo, Búrigo, Tonico, Lelé, Marinho, A. Mattos, Babá, Edir e Jairo.

Em tempos de futebol, Copa do Mundo, álbum de figurinhas (para completar o meu ainda falta quatro 1 cromo, nºs 12, 50, 152 e 470, alguém "tereria"?), (Álbum completo)  a página acima é de um álbum de figurinhas do Barriga Verde Futebol Clube, que foi Campeão do Torneio Início de 1961 - Liga Tubaronense de Futebol (LTF).

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Tão longe, tão perto

Na última quinta-feira, estivemos na noite de autógrafos da IV Coletânea da República dos Autores “Tão longe, tão perto”.
Noite agradável, de rever os amigos e conversar sobre literatura.
Como diz a escritora cearense Vicência Jaguaribe no prefácio da obra, “Os autores desses textos são pessoas que encontram, na arte de escrever, não só um passatempo, mas também uma maneira saudável de esconjurar seus próprios demônios”.

Parabéns ao grupo e que venham outras coletâneas.

Fátima Barreto Michels, Maria Regina Chagas de Souza Vieira e José Genário Machado
autografam exemplares da IV Coletânea da República dos Autores Tão longe, tão perto.
Vereador Andrew Pestana de Farias, à direita, prestigiando o lançamento do livro.

Regina dos Santos, Fátima Barreto Michels, Maria Regina Chagas de Souza, José Genário,
Dulce Claudino, Maria Heloísa Fernandes e Pedro Correa.

Bruno, Wilma e Fábio Feuser, entre amigos.

Escritora Dulce Claudino e Jairo Duarte, sempre presentes.

Nós, Adelina e Oclândio Siqueira, casal que veio de Florianópolis para
 prestigiar a noite literária.

Os agradecimentos e apresentações. Escritora Maria Heloísa Fernandes
deu uma canja musical com repertório da MPB.
Irmã Maria, Lourdes Barreto, Selma Quirino, Fátima e Antônio Michels.

Jornalista Rômulo Camilo, da Folha Lagunense e sua bela Carolina Fernandes.

domingo, 1 de junho de 2014

Níver

Aniversariando hoje, 1º de junho, coincidindo, claro, sempre com o início das festividades em honra ao padroeiro Santo Antônio dos Anjos, nossa estimada e assídua leitora, professora, escritora, poeta, fotógrafa Maria de Fátima Barreto Michels, que comemora a data ao lado de familiares, principalmente junto ao marido e sempre companheiro Antônio Michels.
Fátima Barreto Michels é uma das mais aguerridas em prol da cultura lagunense, sempre registrando as mais diversas manifestações na área e entrevistando personagens da Laguna. E participando de diversas coletâneas, ela que também faz parte do Grupo Carrossel das Letras, junto ao batalhador José Genário Machado e demais escritores.

A Fátima, um grande abraço nosso e os desejos de muita saúde e felicidades.

Movimento

Domingo movimentado na Laguna. Tudo por conta do vestibular realizado pela Udesc em todo o estado, e que tem a nossa cidade como um dos pólos da tradicional universidade.
Restaurantes e cafeterias lotados, com os estudantes realizando provas no turno matutino e vespertino. Muitos familiares também, acompanhando. Museus e pontos turísticos sendo visitados, muitas fotos.
Tão bom ver a nossa Laguna assim, com novas caras no cenário e uma alegria contagiante pelas ruas, ainda mais aliado ao início das festividades em honra ao Padroeiro.

Faz tempo que a gente não mais presencia esse panorama.

sábado, 31 de maio de 2014

Níver

Com um suculento almoço em sua residência em Tubarão, Renê Vargas aniversariou seus 62 anos, ao lado de familiares e amigos.
Convidados, lá estivemos para cantar os parabéns a você e passar uma tarde agradável, com muitas histórias e risadas.
A carne de panela e o salpicão estavam saborosos, preparados a quatro mãos pelas mestres-cucas Maria Alice de Oliveira Brígido (Mariquinha) e sua amiga Siníca.
Daqui deste espaço mandamos um forte abraço, felicidades e muitos anos de vida, ao Renê e sua esposa Terezinha Brígido Vargas.


P S: Ainda retornei pra Laguna, com a “feira” da semana, uma cesta de horti-fruti: laranja-crava e laranja-açúcar, chuchu, limão, banana-figo, ovos, mel..., tudo do quintal, colhido fresquinho, na hora. 

Terezinha e Renê, sempre amigos e simpáticos.
Renê com os presentes.
Nádia e o botafoguense Renato Vargas, garantia de boas risadas.
Siníca e Maria Alice (Mariquinha) deram um show na cozinha.
Pelo tamanho da panela de pressão, à direita na foto, vocês podem imaginar a fartura.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Coisas da vida. E da idade

Aguardando para atravessar a rua, observo um sujeito caminhando apressado pela calçada da rua Raulino Horn. 
Um conhecido lhe chama alto pelo nome.
Ele então responde que estava com pressa e não podia parar para conversar.
O primeiro insiste, já meio de longe:
- Mas a onde tu vais assim com tanta pressa?
O sujeito sem parar de caminhar, pergunta:
- Pra onde tu achas que corre um velho?
E sem esperar ele mesmo responde, já ofegante, fazendo uma careta de dor:
- Estou correndo pra farmácia, lógico.

***
Outra historinha que já contei aqui, mas sempre vale repeti-la:

Suspirando e gemendo

Venho pelo calçadão da rua XV de novembro (se é que aquilo pode se chamar de calçadão). À minha frente, a alguns passos, dª Zulma Sant’Anna, vocês todos conhecem, uma das batalhadoras da Casa da Sopa e do Centro Espírita Fé, Amor e Caridade, não tem?
De repente, com um grande suspiro, dª Zulma senta-se rapidamente numa das cadeiras de plástico ali existente na parte externa de uma lanchonete.
Preocupado, pensando que ela podia estar sentindo algo, logo perguntei:
- Algum problema dª Zulma, posso ajudar?
Ela rapidamente, com um sorriso estampado responde:

- Nada não meu filho, obrigada, está tudo bem. É que velho não pode ver uma cadeira vazia que vai logo sentando, gemendo e suspirando.