Blog do Valmir - Laguna

Blog do Valmir - Laguna
E-mail: valmirguedes@yahoo.com.br Fone: (48) 9957-3954

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Eleições presidenciais de 1955. Janio Quadros, Juarez Távora e Ademar de Barros em campanha na Laguna

Houve um tempo em que candidatos à presidência do Brasil tinham que passar por Laguna para angariar votos. O eleitorado era grande e a cidade de suma importância no cenário político regional e estadual. Faz tempo...

Antes, um breve retrospecto político
Com um tiro no peito, em 24 de agosto de 1954, em seu quarto no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, o presidente Getúlio Vargas “sai da vida e entra para a história”, no dizer de sua carta-testamento.
É o fim trágico para uma situação que se arrastava há meses, com isolamento político e ameaças a sua família. O atentado  alguns dias antes a Carlos Lacerda e o tiro que matou o major Vaz selaram o destino de Getúlio.

No Congresso, a bancada da UDN exige sua renúncia, assim como generais assinam um manifesto. Há historiadores que defendem a tese em que Getúlio com seu suicídio, adiou em dez anos o golpe militar que viria em abril de 1964.

Em seu lugar assume o vice, Café Filho. Eleições são marcadas para 3 de outubro de 1955.
Primeira cédula confeccionada
 pela Justiça Eleitoral
É a primeira vez no Brasil que vai se usar a cédula eleitoral oficial confeccionada pela Justiça Eleitoral. Até então, os próprios partidos políticos confeccionavam e distribuíam as cédulas.

Eleições presidenciais de 1955
Brasil. Eleições marcadas para 3 de outubro de 1955. Mandatos de cinco anos. Para presidente, vice, governadores e prefeitos. Caravanas de candidatos à presidência e vice percorrem o país.
Pela primeira e única vez em sua história Laguna vai receber dois candidatos a presidência do Brasil.


Juarez Távora, pela UDN
O primeiro deles é Juarez Távora, juntamente com seu vice Milton Campos. Na caravana, presença aguardada do governador de São Paulo (e futuro presidente) o populista Jânio Quadros.

A expectativa é grande. Prefeito da Laguna Dr. Paulo Carneiro em seu primeiro mandato (31/01/51 a 31/01/56) chega a decretar feriado municipal no dia marcado para a visita, 9 de agosto, uma terça-feira.
No final da manhã, o avião que trazia a comitiva (acrescida de Domingos Velasco, senador por Goiás e Sandra Cavalcanti, vereadora no Rio de Janeiro) sobrevoou a nossa cidade por alguns minutos, sem contudo poder aterrissar devido à forte cerração que cobria o campo de aviação, no Mar Grosso.

O avião teve que descer em Tubarão e a comitiva tomou uma litorina da Estrada de Ferro Thereza Cristina, posta à disposição, em direção a Laguna, onde foram recepcionados na Estação do Campo de Fora.

O Jornal O Albor em sua edição do dia 13 seguinte, sábado, assim registrou a visita:

“Após as apresentações e cumprimentos, os dignos hóspedes dirigiram-se à cidade, onde, apesar do mau tempo reinante, o povo aguardava-os em frente ao Congresso Lagunense, local em que se realizou o grande banquete que lhe foi oferecido, com palmas e calorosos viva”.

Evidentemente que o povo deve ter ficado de fora, só no cheiro, espiando, com alguns dependurados nos beirais das janelas do Clube Congresso, certamente apreciando “as finas iguarias servidas”, os manjares e licores. Até porque não caberia todo mundo lá dentro.

Logo depois, conforme programação, a realização do grande comício no Cine Central (onde hoje se situa o Centro Cultural Santo Antônio dos Anjos).
E continua O Albor:

“Ali chegado, o povo (olha ele aí de novo) que superlotava a plateia e as galerias do Cine Central, prorrompeu em vivas e palmas prolongadas, até que foi dado início ao grande comício político, onde Juarez Távora, o primeiro candidato à presidência da República que, num gesto digno de nossa admiração e respeito, honrava com a sua destacada pessoa, a nossa terra, iria falar ao povo, expondo o seu programa de governo, caso seja eleito”.

Em primeiro lugar falou, em nome da juventude lagunense, o jovem (e já então orador de destaque e futuro desembargador de Santa Catarina) Norberto Ulysséa Ungaretti “destacou as figuras dos aclamados candidatos à presidência e vice, enaltecendo a vida honrada e o caráter impoluto de ambos”.
Em seguida falou Manoel Américo de Barros, presidente do Partido Democrático Cristão – PDC, da Laguna e a vereadora Sandra Cavalcanti (UDN-RJ).

Jânio Quadros e seus gestos histriônicos.
O locutor da Rádio Difusora (teria sido o Agilmar Machado?) avisou que devido à escassez de tempo, Jânio Quadros deixaria de ocupar os microfones. Foi uma vaia só.
O povo então – finalmente – protestou e não se conformou, exigindo a palavra do ilustre governador de São Paulo, já conhecido em todo o Brasil por seus discursos inflamados, populistas e eletrizantes e que vai levá-lo dali a cinco anos à presidência da República, com vassoura e tudo.
Muita gente estava ali, afinal, somente para ouvi-lo.

Pena que o jornal O Albor não registrou as palavras de Jânio Quadros, certamente recheadas de próclises, ênclises e mesóclises, como era seu estilo peculiar: "Me chamastes", "Fi-lo porque qui-lo", "Fá-lo-ia",
O jornal diz que Jânio “eletrizou com seu verbo quente, elegante e ao alcance de todos os que tiveram a felicidade de ouvi-lo e aclamá-lo ruidosamente”.
Capa do Jornal O Albor de 30/09/1955, com as fotos  dos candidatos
Juarez Tavora (presidência); Jorge Lacerda (governador de SC),
Heriberto Hulse (vice-governador) e Angelo Novi (prefeitura da Laguna).

Por último falou o candidato Juarez Távora. E novamente O Albor registra para posteridade:

“Fez breve explanação do seu plano de governo, sem nada prometer, a não ser justiça equitativa a tudo e a todos sem olhar a quem. Frisando bem, para que todos ficassem sabendo, que não tem compromisso com partido de qualquer espécie e que se for eleito, governará com homens de bem, seja de que partido for”.
Convenhamos, com um discurso desses, Juarez Távora não tinha mesmo como ganhar. Juscelino, pelo PSD, papou a eleição.

Adhemar de Barros, pelo PSP
O prefeito da Laguna, Dr. Paulo Carneiro discursa. Ao seu lado o candidato
 à presidência do Brasil Adhemar de Barros. Foto: arquivo Marega.
O segundo candidato a visitar Laguna foi Adhemar de Barros, pelo PSP, no mesmo ano de 1955, em setembro, 22, e que aqui esteve em reuniões e jantares com correligionários, entre eles Boaventura Barreto, presidente do partido em nossa cidade.
Prefeito da Laguna, Dr. Paulo Carneiro que, saliente-se, era filiado ao PSD, lhe deu boas vindas com um jantar de confraternização. Não esqueçamos que o candidato do PSD à presidência era Juscelino Kubitschek, afinal o vitorioso. Mas Dr. Paulo, como autoridade máxima do município, um gentleman, não deixou de fazer as honras da cidade.
Mas O Albor, cujo proprietário, Antônio Bessa, era udenista, só registrou a visita de Ademar de Barros em meras cinco linhas de seu jornal. Tonico Bessa não ia botar azeitona na empada do candidato do PSP, não é mesmo?

As eleições de 1955 e resultados:
Quatro foram os candidatos à presidência do Brasil.
Juscelino Kubitschek (PSD/PTB/PR/PTN/PST/PRT): 3.077.411 votos
Juarez Távora (UDN/PDC/PL/PSB): 2.610.462 votos
Adhemar de Barros (PSP): 2.222.725 votos
Plínio Salgado (PRP): 714.379 votos

Os candidatos à vice-presidência (que eram desvinculados):
João Goulart (PSD/PTB/PR/PTN/PST/PRT): 3.591.409 votos
Milton Campos (UDN/PDC/PL/PSB): 3.384.739
Danton Coelho (PSP): 1.140.261

Em Santa Catarina
Em Santa Catarina, para o governo do estado, venceu Jorge Lacerda (UDN), derrotando Francisco Gallotti (PSD).

Walmor de Oliveira vence na Laguna

Na Laguna, por pequena margem, o médico Walmor de Oliveira (3.791 votos) (PSD/PTN), que havia concorrido a deputado estadual no ano anterior, vence o médico Angelo Novi (UDN) (3.616 votos) à prefeitura, que havia sido vereador e candidato a deputado federal pelo PSP em 1954.

Deu no Blog do Renato Souza, inspiradíssimo (e afiadíssimo) nesta segunda-feira:

"O tabuleiro
As peças do tabuleiro da velha política do cabresto já se movimentam. Aqueles preteridos nas siglas atuantes da cidade já mexem suas escovas de dente para ir para o partido que mais tem opção de chegar à majoritária em 2016. Como perderam suas regalias e não são os mais queridos do rei...

Capitaneados pelo jovem e independente vereador, diga-se de passagem o mais atuante e coerente na casa do povo, querem seu também lugar ao sol, ou seria lugar nas futuras benesses? 

Resta saber se o hoje vereador vai continuar no partido e ainda com o acréscimo dos pesos mortos.  Atrevo-me a dizer que o partido em questão tá virando mulher traída por marafona em zona do meretrício, no final fica com o resto, o traste do marido pobre, doente e traíra".

Deu no Blog do Renato Souza, muito apropriadamente

"O sistema entrega a mão pra salvar o braço.
O sistema se reorganiza, articula novos interesses, cria novas lideranças. 
Enquanto as condições de existência do sistema estiverem aí, ele vai resistir. 
Agora me responda uma coisa, quem você acha que sustenta tudo isso?
É… E custa caro. Muito caro. O sistema é muito maior do que eu pensava. 
Pra mudar as coisas vai demorar muito tempo. 
O sistema é foda".

(Trecho final do filme Tropa de Elite 2)

Vereadores da Laguna aprovam Plano Municipal de Educação (PME) – sem a inclusão da “ideologia de gênero”

Câmara de vereadores da Laguna aprovou o Projeto nº 0043/15, oriundo do Executivo, que trata sobre o Plano Municipal de Educação – PME.
Prefeito já sancionou a lei, que levou o nº 1.811/15, de 11/06/2015, publicada no Diário Oficial nº 1763, de 16/06/2015.

No Plano, NÃO foi incluída nem aprovada a controvertida IDEOLOGIA DE GÊNERO.
O PME da Laguna seguiu o Plano Nacional de Educação ( PNE), Lei nº 13.005/14, 25/06/14, que foi votado e rejeitou a inclusão da ideologia do gênero no conteúdo programático das escolas.

Ele estipula que os Estados e os Municípios elaborem os próprios planos para que as metas sejam monitoradas e cumpridas localmente nos próximos dez anos.
Foi estipulado o prazo de um ano para que os estados e municípios aprovem seus novos planos de educação, prazo este que expirou no dia 24 de junho último.

O que é a Ideologia de Gênero?

“A ideologia de gênero afirma que o homem e a mulher não se diferem pelo sexo, mas pelo gênero, o qual não possui base biológica. É apenas uma construção socialmente imposta ao ser humano, por meio da família, da educação e da sociedade. Nesse sistema de ideias, o gênero deveria ser livremente escolhido e facilmente modificado pela própria pessoa”.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

A tesoura da censura trocou de mãos

“Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo".

A frase acima é atribuída a Voltaire. Alguns filósofos afirmam que ele não a escreveu, e sim uma de suas biógrafas, a escritora   Evelyn Beatrice Hall.

De autoria de Voltaire ou não, a locução resume bem uma chamada frase-lema de liberdade de expressão.
No regime ditatorial de 1964 a 1985, sabemos todos nós, o Brasil viveu sob censura. Músicas foram proibidas, manifestações estudantis, peças teatrais, livros e filmes foram proscritos.
Censores eram encarregados diuturnamente em descobrir, nas entrelinhas, mensagens subliminares, de cunho socialista, comunista. Jornais, rádios e canais de televisão tinham marcação cerrada em seus programas. Muitas vezes com censores permanentes em suas redações evitando críticas ao governo de plantão.

Bem por isso a utilização ampla de metáforas, para driblar o proibir.
Mas vivíamos então um regime de exceção, com todos os seus dissabores e percalços.
“A minha gente hoje anda falando de lado e olhando pro chão, viu?”, cantava Chico. Era o medo de expor ideias, emitir opiniões. Anos de chumbo. 

Hoje vivemos num estado democrático, com as instituições funcionando plenamente. Uma Constituição, escolha de representantes pelo voto. Há toda uma decantada liberdade de expressão.

Se você indagar e pesquisar por aí, é unanimidade o direito à opinião. Pura hipocrisia.
O grande problema para muita gente é que a opinião emitida deve coincidir com a sua, que lhe interesse de alguma forma. Deus me livre se você ousa discordar. Partem para o ataque. E ataques pessoais, com ofensas e impropérios de todo tipo. Não discutem ideias, não questionam posições, não aceitam o contraditório. Impõe as suas. Maioria não se identifica. Usa palavras de ódio e baixo calão. Mal educada e mal amada.

Hoje em dia o que mais tem por aí são patrulhas. Ferozes patrulhas de leitores nas páginas das redes sociais da internet,  em jornais, rádios e televisão. Aumenta a intolerância.

Zeca Camargo, há pouco, por exemplo, foi escorraçado por ter emitido uma opinião sobre o duvidoso gosto musical do brasileiro e da cobertura excessiva à morte de um cantor sertanejo. Teve que se redimir.
Luiz Carlos Prates, em Santa Catarina, foi demitido de emissoras por também expressar suas verdades, como comentarista. Leitores caíram de pau, exigindo sua cabeça. Gente que se acha acima do bem e do mal.
A verdade é que a tesoura da censura trocou de mãos.

Do jeito que a coisa vai, com esse politicamente correto adotado no país, logo ninguém mais poderá se manifestar. Há um aumento do espírito autoritário se instalando na sociedade brasileira.

Parece haver toda uma pressão para que você não pense, não tenha opinião. Uma grande pressão por parte de leitores, ouvintes, telespectadores inconformados porque as opiniões emitidas não “coincidem” com as suas. E desde quando tem de coincidir?

O país está se tornando sério demais, chato demais. Sem graça e sem risos. 
Jô Soares, Chico Anísio, Os Trapalhões, só para citar alguns exemplos, hoje em dia jamais repetiriam os sucessos que fizeram nas décadas de 70 e 80. Suas piadas e personagens arrancavam gargalhadas e aplausos do público.
Hoje os humoristas seriam facilmente enquadrados como racistas, homofóbicos, machões, coxinhas, petralhas, fascistas e sei-lá-mais- o-quê.
As redes sociais os detonariam em poucas horas e teriam que se enquadrar, sob pena de perderem seus empregos.
Sinceramente, é uma censura pior do que a usada na ditadura.

Pelo menos naquela época sabia-se quem estava do outro lado.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Os "espertinhos"

Por conta da instalação do sistema de estacionamento rotativo na Laguna, foram criadas diversas vagas para deficientes físicos e idosos, conforme determina a Lei. A demarcação se dá horizontalmente com pinturas nas vias e também através de placas.

Sobre as vagas de deficientes físicos nem vou abordar agora. 
É total desrespeito com eles por parte de muitos motoristas, como a gente presencia no dia a dia, inclusive mostrado pela televisão. 

Pois bem. Agora alguns espertinhos na Laguna encontraram uma maneira de estacionar seus veículos o dia inteiro no centro da cidade. 

São os mesmos espertinhos que passam a vida só querendo levar vantagem, passando o outro pra trás, achando todo mundo otário, usando sempre o jeitinho dito brasileiro, dando rasteira em cobra, puxando tapetes do próximo.

Como eles têm mais de 60 anos, estacionam nas vagas demarcadas (e agora isentas) e lá deixam seus carros por horas e horas, alguns o dia todo, enquanto trabalham.
Bem por isso, outros idosos que chegam para somente ir ao banco ou rapidamente pagar uma conta e/ou comprar numa loja, não encontram vagas.
Há exemplos nas ruas Raulino Horn e Gustavo Richard.
O tempo máximo permitido deveria ser até 2 horas.
Mas quem fiscaliza? 

Chega a ser irritante e é puramente questão de falta de consciência. Mas vai querer consciência e bom senso de certas pessoas...
E pode ver que alguns desses são o que mais criticam a corrupção no país.

Jeitinho brasileiro? Putz! Uma maldição.

Neves fora

Advogado e ex-vereador José Martins das Neves foi exonerado do cargo comissionado de Diretor-Geral do Legislativo Lagunense.
Portaria foi publicada ontem pelo presidente da Casa, vereador Roberto Carlos Alves.

Na mesma data de ontem, Portaria nº 072/15, já nomeou a nova diretora: Juliana Gomes Alves. 
Vapt-vupt.



quarta-feira, 1 de julho de 2015

O outro empréstimo, de R$ 5 milhões ao Badesc, é aprovado

Câmara de vereadores acaba de aprovar, em segunda votação, na sessão de hoje à noite, autorização (Projeto nº 040/15) para que o Executivo lagunense contraia empréstimo no valor de R$ 5 milhões junto ao Badesc.
Finalidade do dinheiro é ser usado na pavimentação da estrada geral Madre-Ribeirão.

Vereador Andrey Pestana de Farias (PSD) fez uso da palavra antes da votação, questionando o citado empréstimo e alertando seus pares.
Entre outras coisas indagou:
- Como é que vamos autorizar o Executivo a contrair empréstimo nesse momento?
- De que forma vai se pagar? Se não há dinheiro para nada? Nem para quitar aluguel? Se o próprio ex-secretário de Saúde afirmou hoje aqui que o dinheiro mal dá para pagar a folha da secretaria?
- Que há uma crise nacional?”.

Já o vereador Kleber Lopes (Kek) (PP) pediu um voto de confiança, dizendo:
“-Tem coisas que tem que acreditar.
- Esse dinheiro vai ser bem investido”.
- Dê um voto de confiança, tenho certeza absoluta que o valor colocado vai voltar em dobro, triplo à prefeitura, àquela comunidade”.

Vereador Zezinho Siqueira (PT):
“- Ouvi aqui esta noite Felipe Remor, secretário de Saúde até ontem, dizer que a prioridade deste governo é infraestrutura. Não é saúde, nem educação, e que é favorável ao empréstimo”.

Votaram contra o empréstimo de R$ 5 milhões os vereadores:
Andrey Pestana de Farias (PSD)
José (Zezinho) Luiz Siqueira (PT)

Votaram a favor do empréstimo de R$ 5 milhões os vereadores:
Eduardo (Dudu) Nacif Carneiro (PP)
Rodrigo Luz de Moraes (PR)
Kleber Roberto(KEK) Lopes Rosa (PP)
Renato Borges de Oliveira (PMDB)
Luiz Felipe Remor (PMDB)
Rogério Medeiros (PMDB)
Antônio da Silva (PR)
Patrick Mattos de Oliveira (PSB)
Hirã Floriano Ramos (PMDB)
Vilson Elias Vieira (PSDB)

O presidente da Casa, Roberto Carlos Alves (PP), só vota em caso de empate e em votações que exijam maioria absoluta.

Empréstimo ao Bndes é retirado de pauta da Câmara

Executivo municipal retirou de pauta solicitação apresentada à Câmara de Vereadores para aprovação de empréstimo ao Bndes no valor de R$ 11,9 milhões.
O dinheiro era para informatização da prefeitura, o conhecido georeferenciamento, conforme já informei neste Blog.

A solicitação foi retirada de pauta pelo prefeito com a justificativa que vai ser reavaliada e sofrer alterações.

Troca-troca

Odontólogo Rodrigo Luiz Constantino assume a titularidade da secretaria de Saúde. Portaria publicada no Diário Oficial de hoje.
Sonia Zanini, convidada para o cargo, declinou do convite, ao contrário do que divulguei aqui.

Já o ex-secretário Luiz Felipe Remor (PMDB) assumiu hoje à tarde sua vaga na Câmara, no lugar do vereador Orlando Rodrigues (PSD), como este Blog havia antecipado. Orlando pediu licença para tratar de assuntos particulares.

PS: Na verdade, bem explicadinho, a vaga é do vereador Thiago Alcides Duarte (PMDB), que está licenciado porque secretário municipal. Em seu lugar tinha assumido Renato Borges (PMDB), que continua, agora na vaga de Orlando Rodrigues.
Ufa!

Política & políticos

Mauro Candemil novamente está na Laguna.
Aliás, ultimamente o engenheiro tem aparecido muito por aqui. Sabe como é, eleições se aproximando em 2016...
Seu nome é um dos citados nas conversas políticas como possível candidato à prefeitura nas eleições do ano que vem.
O grande impasse é por qual partido.

No PMDB, onde é filiado desde sempre? Mas teria atualmente espaço na sigla, com Antônio dos Santos, irmão do prefeito, comandando com mãos fortes o partido em nosso município?
Ou ainda há ingênuo que acha que eles dois – Antônio e Everaldo - estão de relações estremecidas?

O prazo para filiação ou troca partidária acaba em breve, no início de outubro.
Alguns analistas dizem que Mauro pode ser cozinhado em fogo brando até lá, com conversas e promessas de que será ele o candidato ungido pelo PMDB da Laguna.
Depois de vencido o prazo o papo seria outro. Mesmo assim, quais as chances dele em bater chapa com o atual prefeito? Zero.

Alguns membros de outros partidos, como o PSD, acenam com convites para Mauro.
O engenheiro Candemil também demonstra interesse em assumir novamente a 19ª SDR da Laguna. Agora chamadas ADR's (Agências).
Pelo que soube agora ao meio-dia, eis o motivo principal de sua vinda nesta quarta-feira, dia útil, a nossa cidade. Seria seu trampolim para o ano que vem.

Mas aí surge impasse político. Para onde iria o atual titular Robson Caporal?

Tomada de posições

Filiados existem no PMDB da Laguna que estão descontentes com as posições do atual prefeito.
Mas na hora H, optarão por mudanças? Ou irão preferir as benesses do poder?

Já um babalorixá da política lagunense analisa que o PMDB deveria tomar logo posição, sob pena de perder o bonde da história.
O partido levou vinte anos, após Nelson Abrahão Neto (1989-1992) para assumir novamente o Executivo lagunense.

Se não mexer as peças corretas no tabuleiro político e no tempo exato, corre o risco de perder o governo. Ou não?

Reunião do PMDB

Membros da Executiva do PMDB da Laguna se reuniram na última sexta-feira, nas dependências do Iate Clube.
O papo foi descontraído, até festivo mesmo. Falou-se muito em unidade do partido em nossa cidade, com vistas às eleições do ano que vem.
Antônio dos Santos, irmão do prefeito comentou que Everaldo dos Santos é candidato à reeleição e usou a frase:
“Se é ruim com ele, pior sem ele”.

Mas sabe-se que há descontentamento de vários filiados do PMDB local e estadual com os rumos do partido na Laguna.

Uma das maiores queixas é que vereadores de outras siglas da coligação estão sendo mais ouvidos pelo prefeito em decisões e indicações.
Cabeças são pedidas e aceitas. Everaldo dos Santos estaria refém da Câmara? Ou pelo menos de alguns vereadores e do presidente da Casa, Roberto Alves (PP)?

As saídas de Luiz Fernando Schiefler Lopes (PP) da secretaria de Educação há poucas semanas, e de Luiz Felipe Remor, da Saúde (PMDB), e Maria Inês Uliano (PMDB) da chefia de gabinete, sinalizam para essa leitura?

terça-feira, 30 de junho de 2015

Está difícil

Imagem de Nª Senhora da Glória completamente às escuras há quase um mês;
Semáforos quebrados e sem funcionar;
Iluminação ao longo do cais apagada;
Monumentos históricos abandonados, sem manutenção;
Câmeras de segurança em sua quase totalidade, sem funcionar;
Praia poluída;
Sem carnaval das Escolas de Samba;
Sem Tomadas ou Repúblicas;
Sem Semana Cultural.

Está difícil a coisa.
E ainda querem cobrar taxas de turistas a partir do próximo verão.

Subiu a pressão, vereador?

Vereador Zezinho Siqueira (PT), solicitou licença sem vencimentos de seu cargo de motorista da prefeitura da Laguna.
Portaria já foi publicada no Diário Oficial da última sexta-feira, 26.

Muita pressão, vereador?

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Troca-troca na Câmara. Felipe no lugar do Orlando?

O papo que rola nos bastidores políticos da Laguna é que Luiz Felipe Remor, após a saída da secretaria de Saúde, assumiria seu posto na Câmara.
No lugar do vereador Renato (PMDB)?
Nada disso. Assumiria no lugar do vereador Orlando Rodrigues (PSD).
Como assim? Elementar meu caro Watson. Com essa mexida no tabuleiro o prefeito passaria a contar com mais um voto garantido.
Mas aí podemos perguntar: e o Orlando vai pra onde? Sai de foco?
Vai pra casa descansar?

PS: atualizando em 30/06/2015: Também nos bastidores políticos comenta-se que o vereador Orlando já teria voltado a apoiar politicamente o prefeito. Para comprovar tal fato basta acompanhar seus votos e discursos daqui pra frente e chegar-se-á a conclusão. 
Até aqui o discurso do vereador Orlando, principalmente depois que deixou a titularidade da secretaria de obras, era bastante crítico em relação ao chefe do Executivo, inclusive nas votações de projetos e pedidos de CPI's.

Em sendo assim não precisaria a troca. 


Trabalhão burocrático

Imagino o trabalhão que está tendo o departamento de Recursos Humanos da prefeitura da Laguna, com as centenas de exonerações e (re) nomeações acontecidas nos últimos meses, além de cálculos de indenizações, etc.
É um tal de tira daqui, bota ali, transfere para lá, indeniza este, retorna aquele.
Teve gente nomeada um dia e exonerada no dia seguinte, por exemplo.
Há quem já tenha rodado por algumas secretarias, uma espécie de pivô.
Você vai procurar o sujeito na prefeitura e somente o encontra mediante consulta ao sistema para saber sua lotação atual.
É de cantar a velha cantiga de roda:

“Escravos de jó
Jogavam caxangá
Tira, bota,
Deixa o Zé Pereira ficar
Guerreiros com guerreiros
Fazem zig-zig-zá”.

Comissão de vereadores visita Saúde

A Comissão (no lugar da CPI) formada por vereadores com vistas a um levantamento da real situação na secretaria de Saúde, já foi vista trabalhando na última sexta-feira.
Visitou as dependências da pasta, inclusive seu almoxarifado. Tem trinta dias para completar os trabalhos.
Comissão não estava completa, com os seis vereadores designados, mas anotações foram e estão sendo feitas e documentos solicitados.
População vai aguardar os resultados obtidos.
Mas posso perguntar: aguardamos os resultados em pé ou sentados?
O tempo dirá.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Sônia Zanini pode assumir Secretaria de Saúde

Informação que recebi neste fim de tarde, dá conta que Sônia Zanini foi convidada e teria aceitado assumir o cargo de Secretária de Saúde do Município, no lugar de Luiz Felipe Remor.

Mudanças na prefeitura. Ou rolam cabeças?

Pois é. Cidade acordou com a notícia de que Luiz Felipe Remor não era mais o secretário de Saúde. Ato do Chefe do Executivo, publicado hoje no Diário Oficial, já fez cessar a Portaria que o designou para o cargo.
Deve assumir sua cadeira na Câmara de vereadores.

A chefe de gabinete do prefeito, Maria Inês Uliano também deixou o cargo e assume a presidência da Fundação Irmã Vera.

Sem dúvida, nas duas situações, prevaleceram as pressões de alguns vereadores que há tempos vinham pedindo mudanças e as cabeças de ambos.
Mas caem pra cima, como se vê.

Prefeitura da Laguna quer tomar empréstimos de quase R$ 17 milhões

Outro assunto que tomou conta do plenário, suscitando amplos debates acalorados entre os edis, foram duas solicitações do Executivo, visando aprovação dos vereadores para a prefeitura da Laguna contrair dois empréstimos.

O Executivo lagunense quer tomar um empréstimo ao Badesc no valor de R$ 5 milhões para pavimentação da estrada do Ribeirão a Madre; e outro empréstimo ao Bndes no valor de R$ 11,9 milhões, este último tendo como justificativa a informatização da prefeitura, o conhecido georeferenciamento.

São quase R$ 17 milhões no total. É muito dinheiro, convenhamos, que terá que ser quitado com arrecadações.
Mas que arrecadações? Nesse momento de crise em que vive o país? Em que o próprio Executivo lagunense suspendeu pagamentos a fornecedores e novas contratações por 4 meses? Que cargos estão sendo extintos e exonerações sendo feitas (apesar de dezenas já terem retornado ou nem terem saído)? Que não há dinheiro para quase nada? Que aluguéis de imóveis estão atrasados?

O pedido para empréstimo de R$ 5 milhões ao Badesc já foi aprovado em primeira votação semana passada. Com votos contrários dos vereadores Andrey Pestana de Farias (PSD), Zezinho Siqueira (PT) e Eduardo Nacif Carneiro (PP).

Quanto à solicitação de empréstimo junto ao Bndes no valor de R$ 11,9 milhões, há vereadores que questionam o alto valor solicitado.
Na sessão da quarta-feira última, vereador Irã Floriano Ramos (PMDB) pediu vistas. Deve ir em primeira votação semana que vem.

Será aprovada?

“CPI dos Postos de Saúde” virou comissão

A “CPI dos Postos de Saúde”, proposta pelo vereador Zezinho Siqueira (PT) não foi votada na quarta-feira.
Havia grande pressão do público nas galerias no início da sessão, mas com a demora (levou mais de 5 horas), pessoal se desmobilizou e isso certamente mudou a disposição de alguns vereadores em votar sim a CPI.
Vereador Andrey Pestana de Farias (PSD) fez um discurso indignado, em tom elevado, até porque houve vereadores que em seus discursos, nos primeiros momentos, pareciam apoiar a criação da CPI, mas que, com o plenário vazio, voltaram atrás em seus pensamentos.

Em vez da CPI, criou-se uma comissão composta por seis vereadores para investigar a situação dos postos de saúde.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Quarta-feira agitada na Câmara de vereadores

Agitada porque primeiramente dezenas de moradores do bairro Progresso foram protestar pela situação em que se encontra o posto de saúde (Unidade Básica) do bairro, há um ano sem conclusão.
A edificação foi depredada, janelas quebradas, instalações elétricas furtadas. Muita sujeira por invasão de andarilhos e usuários de drogas. Em suma, dinheiro jogado fora.

O atendimento está sendo feito precariamente numa casa alugada.
O secretário de Saúde da Laguna, conforme reportagem exibida pela RBS, disse que “não imaginou que o local seria invadido durante a espera de contratação de profissionais”.
Faça-me o favor, Felipe Remor, que desculpa mais esfarrapada. Como assim, "não imaginava"? 
A situação de abandono do prédio do Posto de Saúde do bairro Progresso há tempos está sendo denunciada nas redes sociais, inclusive com fotos feitas por Elvis Palma.

Agora a secretaria de Saúde espera recursos para terminar o posto e recuperar a academia, situada ao lado. Recursos que passariam de R$ 300 mil.
Quer dizer, nem foi entregue e o prédio já precisa de mais dinheiro para terminá-lo.

Absurdo. O povo realmente tem que se unir e gritar bem alto, protestar e reivindicar pelos seus direitos para dar um fim a esse descalabro. É a saúde da população que está em jogo.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Morte de padre adiou festejos de Santo Antônio dos Anjos em 1984

Sexta-feira, 1º de junho de 1984. O dia amanhece cinzento e frio na Laguna, a despeito do sol que teimava em brilhar.
Na noite anterior a cidade foi dormir mais tarde devido à carreata (então chamada de serenata) realizada a partir da meia-noite de quinta-feira pelas ruas e avenidas, percorrendo o centro e bairros.
São dezenas de automóveis circulando, com festeiros e demais fiéis promovendo a abertura de mais uma Festa em honra ao padroeiro da cidade, a ser realizada de 1º a 17 daquele ano. Buzinas e foguetório marcam todo o trajeto.

Trágico acidente
Após as 10 horas da manhã daquela sexta-feira uma triste notícia, como um rastilho de pólvora, também vai percorrer a Laguna.
Um acidente automobilístico acontecido na BR-101 havia ceifado a vida do padre Luiz Agostinho Zocche Saccon, pároco auxiliar, ou vigário cooperador, como era então chamado, da Matriz Santo Antônio dos Anjos.
Incredulidade e tristeza geral no mundo religioso.
Logo chegou a confirmação. Sim, de fato, logo pela manhã, na BR-101, imediações de Imbituba e vindo de Florianópolis, padre Agostinho havia se acidentado com seu automóvel Voyage e uma carreta e, infelizmente, estava morto.

Padre Agostinho
Padre Agostinho. 
Foto: acervo de Victória Saccon Tramontin
Padre Agostinho, 30 anos, nascido em 24/12/1955, no hospital São Sebastião, em Turvo.
Foi batizado em 3 de janeiro de 1955 na paróquia de Turvo, pelo Frei Gregório Dalmont. Foram padrinhos Joaquim Lourenço (Victoria Saccon) Tramontin.
Era bastante conhecido no mundo católico da região sul e fazia um ótimo e elogiado trabalho, principalmente entre os jovens, faixa etária onde era muito querido. 
Havia sido ordenado padre em 20 de dezembro de 1982. Filho de Francisca Zocche Saccon e Domingos Valentin Fachin Saccon, moradores de Meleiro - SC, descendentes dos primeiros italianos que colonizaram a localidade.


Extremamente amigo e conselheiro, sempre estava postos a ajudar, estendendo a mão amiga em Cristo para retirar do mundo das drogas os que caíram no vício pernicioso e destruidor. Comandava a Pastoral da Juventude. E tinha apoio de Grupos de Jovens como a JUM - Juventude Unida do Magalhães e JUC - Juventude Unida Católica. Entre seus grandes amigos destacavam-se José Nazareno Duarte (Pisca) e José Alves Fernandes (Mala). 

Nosso amigo Mala relembra aqueles dias e de uma frase que lhe marcou. Quando batia o desânimo nos trabalhos em prol do próximo, principalmente pelo retorno de alguns jovens ao vício, padre Agostinho costumava aconselhar: "
- Não desanima, fé em Deus porque tudo tem conserto".

Sempre promovia os chamados “Retiros”, reunindo jovens da comunidade.
Padre Agostinho, com a família, quando de sua ordenação em 1982.
Foto: acervo de Victória Saccon Tramontin
No dia seguinte a sua morte, 2 de junho, sábado, iria promover no Clube Blondin, às 20 horas, o “Primeiro Encontro da Perseverança”, no intuito da descoberta do jovem a si mesmo, a Cristo e aos que lhe são caros.

Ainda em 11 de maio, padre Agostinho reuniu vários amigos em sua residência. Animando o encontro, o seresteiro Manoel Silva com seu violão. Muitas pessoas de sua relação compareceram. Prefeito Mário José Remor, Oscar Pinho, Olga Cabral, Padre Marcos Herdt, Fernando Guedes, Licélio Freitas e Edgar Pereira, entre outros.

Velório foi realizado durante todo o dia na Matriz de nossa cidade com centenas de pessoas se despedindo, principalmente jovens. 
No fim de tarde, começo de noite, os lagunenses, a pé, de ônibus e carro, foram até o trevo de nossa cidade, cantando, rezando e balançando lenços brancos no último adeus. Seu corpo foi sepultado em Meleiro-SC.

Sábias palavras e conselhos
Alguns dias antes, Padre Agostinho disse a um grupo de jovens: “O jovem deve procurar em Santo Antônio um exemplo de união”, e “casado é quem bem vive”. Disse também que “Antes de querermos ter devemos ser”.

A última carta
Naquela tarde de quinta-feira, padre Agostinho entregou na redação do Jornal O Renovador uma matéria (carta) para ser publicada. Com o jornal praticamente fechado, ela somente foi estampada na semana seguinte a sua morte.
Eis, na íntegra:

Retiro Descoberta
“Aconteceu neste último fim de semana (quinta a domingo à noite), encerrando com a Santa Missa em São Ludgero, um Retiro entre 33 jovens de nossa comunidade.
Retiro Descoberta , de fato promoveu a descoberta do Jovem a si mesmo, a Cristo e aos seus que lhe são caros.
Entre eles haviam drogados, marginalizados com os quais iremos continuar a reuni-los e fazermos a perseverança da Descoberta do Cristo a Deixa da droga.
Primeiro Encontro de Perseverança será no próximo sábado, dia 2 de junho, às 20 horas, no Clube Blondin. Todos eles estão com muito amor no coração, amor a si, a todos os seus e a todos. Querem de fato viver essa Descoberta. Vamos ajudá-los.
Vai ser feito também um trabalho de crescimento, de ajuda, de aceitação com os pais e familiares desses jovens que tanto necessitam de ajuda.
Com muito amor no coração, agradecemos a todas as pessoas que nos ajudaram a realizar esse Retiro Descoberta. Eles se descobriram e também descobriram a Cristo. Vamos ajudá-los a viver esta descoberta e a Cristo em seus corações e em suas vidas. Contamos com todos vocês. Se o seu filho não é drogado, maior motivo para ajudar os que são.
Ajudando os outros, você estará ajudando um irmão seu que sofre e que Cristo sofre nele.
Nós contamos com ajuda de todos. Muito obrigado, com muito amor”.
Padre Agostinho


Premonição?
No dia anterior a sua morte, emocionou com suas palavras as pessoas do bairro Roseta (hoje Progresso) que compareceram ao velório de dª Doraci Tomázia (Dedinho) de Souza, uma das fundadoras da igreja Nossa Senhora Auxiliadora.
Na encomenda do corpo deixou muita gente impressionada ao ouvi-lo dizer:
“Aos parentes e amigos os meus pêsames sinceros. A Doraci Tomázia, parabéns que vai ao encontro de nosso Pai. Hoje, é a Doraci, amanhã poderá ser um de nós”.

Festejos adiados
Por causa de seu falecimento, a Festa em honra ao padroeiro daquele ano foi adiada, só iniciando na sexta-feira seguinte, 8, após a realização da missa de sétimo dia. Padre Agostinho estava escalado para ser o orador da primeira trezena.
Hoje é nome de Creche no bairro Progresso, na Laguna, e rua em Meleiro - SC.

Foram festeiros daquele ano:

Cláudio Dias de Castro Ramos, Adelaide Pinho Moreira, Celso Schambeck, Maria Salete Folchini Barreiros, Maurício de Paula Carneiro, Adamândia Andreadis, Geraldo Izidoro Barreto, Beatriz da Silva Bem, Carlos Gonçalves Netto, Maria Salete Bez Birollo Teixeira, Antônio Maiatte, Olímpia Algarves, Mário Luiz Spillere da Silva, Adriana Nacif Carneiro.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

“Até Santo Antônio não foi poupado!”

Esta foi a manchete de capa do jornal Semanário de Notícias nº 126, de 13 de agosto de 1977, noticiando o furto do crucifixo da venerável imagem do padroeiro da Laguna.

E continuava o jornal:

“Verdadeiro vandalismo, sem precedentes na história da velha Laguna, foi registrado na madrugada de onze do corrente, qual seja a profanação da Igreja Matriz da Laguna, arrancando do pescoço da venerável imagem de Santo Antônio dos Anjos o crucifixo que ostentava.
Não sabemos, ou melhor, não encontramos no vocabulário da nossa língua como qualificar tão repelente procedimento. Só mesmo um tarado ou irreligioso, indivíduos sem fé poderiam ser capazes dessa façanha. Que o culpado, se descoberto, seja declarado indigno de continuar habitando a hospitaleira terra lagunense, mandando-o para bem longe!”.

A saudosa Nail Ulysséa, no capítulo “Três séculos na Matriz”, publicado na edição comemorativa do Tricentenário de nossa cidade, publicado um ano antes, em 1976, assim descreveu a peça, o crucifixo:

“Das imagens existentes no templo, chama logo a atenção do visitante, a majestosa imagem de Santo Antônio. Emoldurada pelo altar-mor, em tamanho maior que o natural, foi esculpida na Bahia, no século XVIII, em madeira de Laguna, remetida para este fim.
Imagem isenta de misticismo, de olhar alegre e lábios em sorriso, traz na mão direita uma grande cruz de prata e na mão esquerda um Menino Jesus, meio e formoso, de pé sobre as Escrituras. É coroado de um rico resplendor de prata cinzelada, cravejado de topázios. Pendente do peito, por uma fita de veludo vermelho, um habito da Ordem de Cristo, cravejado de pedras semipreciosas, brancas e vermelhas”.
(...)


O colunista do jornal, Munir Soares, na semana seguinte ao furto, em seu  conhecido estilo, escrevia:

Responso.
É uma oração muita usada para “achados e perdidos”. Sem dúvida nenhuma, um dos responsos mais usados em nossa comunidade, é o responso de Santo Antônio, capaz de achar até um candidato a deputado, em Laguna, capaz de unir as forças locais. Pois bem, a fita de Santo Antônio com o crucifixo, foram roubados e até agora continuam desaparecidos. Terça-feira é dia da devoção do santo. Não seria uma oportunidade de se rezar um responso coletivo?”.

***

Eis uma foto, de um cartão-postal, lembrança da festividade, de 1967, ampliada, da peça furtada:

No ano seguinte, o crucifixo foi substituído pelo atual, com alterações da fita durante os anos seguintes.

O autor do furto teria sido um colecionador de obras sacras? Um antiquário? Um ladrão a mando de alguém interessado somente no valor monetário das pedras semipreciosas?
Infelizmente até hoje o gatuno não foi descoberto, como desejou o indignado editor do jornal. E os responsos, as rezas e promessas foram muitas, como pediu Munir Soares.

E a peça, de valor artístico, histórico e material incalculável, nunca mais foi encontrada, entrando, ela também, para o rol dos mistérios da Laguna.

PS: Pode ser a luz, a foto, o ângulo, mas vocês não acham que há diferença no semblante de Santo Antônio dos Anjos, entre 1967 e 2015? 

Duas notícias que abalaram o mundo religioso da Laguna

Antes que termine este junho, mês dedicado ao nosso padroeiro, não posso deixar de trazer aqui duas matérias.
Uma delas sobre um furto a uma das peças da imagem de Santo Antônio dos Anjos.
Outro fato acontecido também abalou profundamente a população lagunense, festeiros e o mundo religioso da cidade.

Mas, calma, os dois fatos ocorreram há alguns anos, mas certamente desconhecidos em seus pormenores por muitos da atual geração.

Aguardem.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

A noite em que Santo Antônio dos Anjos foi ali e já voltou

O 13 de junho de 2015 vai ficar registrado na história religiosa da Laguna. Um sábado com intervalos regulares de chuva. Hora fracos, hora com mais intensidade.
Este ano, conforme a programação, a Transladação do padroeiro da Laguna sairia da igreja Nossa Senhora Auxiliadora, no bairro Progresso, a nossa antiga Roseta. Desde cedo moradores, principalmente na rua Almirante Lamego, enfeitavam a frente de suas casas com balões, faixas, tapetes, numa multicolorida homenagem à passagem de Santo Antônio dos Anjos da Laguna.

Fim de tarde, centenas de fiéis lotavam a igreja Auxiliadora, enquanto o padre Lenoir rezava a missa. No lado de fora, a cada minuto chegava mais gente de todos os bairros, inclusive de outros municípios, com capas de chuva, sombrinhas e guarda-chuvas. Casais, crianças e idosos.
17 horas, 17h e 30m e nada da Imagem aparecer. Foi quando chegou o aviso, vindo da Matriz, de que não haveria a tradicional Transladação devido à chuva, que não era tão forte assim, diga-se de passagem.

Incredulidade geral dos fiéis. Decisão de não sair teria sido tomada por membros da diretoria da Irmandade e também do padre, que é a última voz a decidir. Registre-se que houve discordância quanto à decisão.
- Santo Antônio aguarda o ano inteiro para sair, alegava, acertadamente, um irmão da Irmandade. 
Ar de desânimo e decepção nos festeiros, afinal trabalharam durante um ano, inúmeras reuniões, para justamente ver coroada de êxito a grande noite.
Com a notícia, na última hora centenas de pessoas se deslocaram à pé e às pressas do bairro Progresso ao centro da cidade. Alguns ainda duvidando do que estava ocorrendo. Frustração geral.

E mais uma vez, de última hora, depois de algumas reclamações e pitis, decidiu-se que o Santo iria somente até a rótula da avenida Colombo Salles e retornaria à Matriz. E assim foi feito, seguido da queima de fogos. O Santo foi até ali e logo retornou. Sem banda e música.

Na procissão de domingo outra indecisão. Também chovia, chuva fraca, garoa com intervalos. Se seguissem o mesmo critério da noite anterior também não haveria a procissão, deduziram centenas de fiéis. E por isso mesmo muitos ficaram em suas casas. 

Deduziram errado, porque aconteceu a procissão, que devido às obras no centro histórico, da rua Voluntário Fermiano (do Fogo) o cortejo religioso tomou a Jacinto Tasso, Celso Ramos (defronte ao CEAL), vindo pela avenida Colombo Salles, Osvaldo Cabral, Osvaldo Aranha, Voluntário Carpes e Jerônimo Coelho. 

Fogos, promessas, orações e muita emoção, até porque a fé em Santo Antônio dos Anjos da Laguna está acima de tudo, de questiúnculas, egos, vaidades, pormenores, indecisões e decisões errôneas. 
Ele fica, nós passamos.
Mas que o público na procissão foi diminuto, lá isso foi.

***

Podem falar o que quiserem, e este Blog está sujeito à críticas, mas no tempo do padre Toninho (Antônio Gerônimo Herdt), o Santo ia pra rua de qualquer jeito e fazia todo o trajeto, com chuva, vento ou frio.
Não tinha esse lhem-lhem-lhem, esse vai-não-vai. O santo saia e pronto! Gostassem ou não gostassem alguns. E todo mundo gostava.