quinta-feira, 22 de maio de 2014

Há muito tempo, um ensinamento

Há alguns anos, numa roda social em Florianópolis, o saudoso professor, desembargador Dr. Norberto Ulysséa Ungaretti, ao ser apresentado a uma pessoa de minhas relações - um parente - ao apertar sua mão, reclamou e ensinou imediatamente a esse parente – e eu fui testemunha - que a mão do interlocutor, do próximo, deve ser apertada com entusiasmo, calorosamente.

É um gesto - ministrou ele - que demonstra calor humano, sinceridade, fraternidade, amor. Não se deve estender a mão languidamente, morna, sem vontade, como muitos o fazem. Isso demonstra desinteresse, frieza, egoísmo e indiferença com o próximo.
Minutos depois, em meu ouvido, sempre muito verdadeiro e sincero, Ungaretti segredou que eu tomasse cuidado com a tal pessoa de minhas relações, porque ela demonstrava até na própria aparência e conversa, ser falsa, calculista, vingativa. E perigosa!
Obviamente - o leitor deve imaginar - não gostei da observação, até porque se tratava de um parente meu... Quem gosta de ouvir a verdade? Mesmo assim não demonstrei contrariedade.

Não acatei seus conselhos, tolo que sou. Deixei-me levar pelos sentimentos afetivos, pelo coração ingênuo, que quase sempre tudo estraga, porque sem o uso conjunto da razão.
Pois bem. Hoje, passadas muitas luas, com atos e fatos acontecidos na vida da gente, constato que o Dr. Norberto tinha inteira e sobeja razão naquele conselho e palavras inspiradas. Terá sido pelo mundo espiritual?
Sábio ele. Burro eu.

Aprendi a lição?

Um comentário:

  1. LOUREIRO PACHECO DA LAPA23 de maio de 2014 12:02

    POR AQUÌ, GAÙCHO ALÈM DE APERTAR A MÂO COM FORÇA E ENTUSIASMO, TAMBÈM MANDA OLHAR FIRME NOS OLHOS, ENCARANDO O[a] ASSIM NOTARÀ E TRANSMITIRÀ A SINCERIDADE RECÌPROCA.

    ResponderExcluir