terça-feira, 14 de abril de 2015

Nota de falecimento +

Faleceu no final da tarde de hoje, em Florianópolis, Sérgio Martins Nacif, aos 78 anos, vítima de infarto.
Eis uma notícia que tristemente não gostaria de escrever.

Há poucas semanas, quando do velório da professora Natércia Faria Ferreira, aqui esteve com a esposa Isabel, e conversamos por alguns minutos. Era leitor assíduo deste Blog e sempre salientava isso com todos de seu relacionamento, principalmente os conterrâneos na capital do estado ou quando me encontrava.

Foi meu professor de Física no CEAL e escrevi em 2011 uma crônica sobre ele, relembrando fatos, nomes e histórias.
No mesmo dia me ligou agradecendo as palavras elogiosas (quem tem berço é outro nível) e passamos mais de uma hora ao telefone. Era um gentleman no trato com as pessoas. Inteligente, sincero, conquistava a todos com seu jeito amigo e espontâneo de ser. Sempre ao seu redor formava-se uma rodinha de amigos querendo compartilhar seus conhecimentos, conversas e risos.

Meus sentimentos aos familiares e amigos, em especial aos seus filhos e esposa Maria Isabel, também ela minha professora de Química.

Não sei ainda o horário de velório, sepultamento e local. Logo mais informo.
PS: Atualizando às 10 horas: Soube agora que corpo do professor Sérgio será cremado no início desta tarde no crematório de Camboriú em cerimônia restrita aos familiares.

*** 
Transcrevo abaixo, a matéria que escrevi sobre o professor Sérgio, publicada em 22/05/2011 na primeira fase aqui do Blog.
É minha humilde homenagem a um professor de gerações. E que nos ensinou muito.


Professor Sérgio Martins Nacif
Continuando a série sobre professores que passaram pela minha vida, relembro hoje o mestre Sérgio Martins Nacif.


O conheci bem antes do CEAL, quando vez ou outra aparecia na oficina de meu pai para, além de reparos em sua televisão - final da década de 60 e começo da de 70 - conversar sobre eletricidade e eletrônica. Entender mais um pouco, na prática, o que ministrava na teoria.
Casado com a também professora de Química Maria Isabel (Bellaguarda) Nacif, professor Sérgio era funcionário, economista da Codisc, a Companhia de Distritos Industriais de Santa Catarina, criada na administração do governador Konder Reis, com instalações no andar térreo do Colégio Stella Maris e depois transferida para Florianópolis, no prédio do ARS.

Filho de dª Sueli e do “seu” Salum Nacif, um dos homens que sempre admirei por sua inteligência,  trabalho e dedicação à cultura da Laguna.
Salum Nacif, pesquisador, maçom, junto com seu grande amigo projetista e escritor Wolfgang Ludwig Rau, e apoio do prefeito Mário José Remor, foram responsáveis pela criação e implantação da quase totalidade de monumentos, bustos e estátuas que ornamentam Laguna, preservando a história e homenageando a memória de nossos antepassados.
Entre eles o Monumento ao Tratado de Tordesilhas, a Estátua de Brito Peixoto, Busto de Jerônimo Coelho e Monumento à maçonaria, e o Busto de Garibaldi, no Jardim Calheiros da Graça, na Praça Vidal Ramos. Salum foi diretor da Rádio Garibaldi, no tempo em que Luiz Paulo Carneiro (seu genro) era proprietário da emissora.

Professor Sérgio ministrava Física no Cientifico do CEAL, ali por 1976, 77, num tempo em que o curso Científico era um verdadeiro e valioso pré-vestibular, com aulas valiosas para o exame que se anunciava breve para todos nós. Isso numa época em que não existiam cursinhos específicos em Santa Catarina. Era a nossa Laguna sempre pioneira.
Não era fácil cursar o Científico, como vocês podem pensar. Matemática, Física, Química, Biologia, Inglês e Português eram os terrores de muita gente. Porque era puxado.

Mas como me disse uma professora dia desses, quando a elogiei por aqueles tempos:
- Nós éramos bons professores, é bem verdade, mas vocês também eram ótimos alunos, atenciosos, educados e interessados, tão diferentes da grande maioria dos de hoje em dia.

Penso que é verdade e modestamente reconheço (reconhecemos?).
Tanto era verdade e os ensinamentos regiamente aproveitados, que a maioria de nós alunos foi aprovada nos primeiros vestibulares, nas mais diversas localidades. Houve quem fosse para a UFSC, em Florianópolis, a grande maioria, como foi o meu caso; mas alunos também partiram para Curitiba, São Leopoldo, Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro e hoje são profissionais por esse Brasil afora. Tantos nomes, tanta gente por aí, tantos valores...

As aulas de Física eram aos sábados pela manhã, quando duas turmas eram unidas numa mesma e grande sala. Começava às sete e meia. Isso mesmo! Praticamente de madrugada e se estendiam até ao meio-dia e meia com um pequeno intervalo de quinze minutos que na maioria das vezes pedíamos para cancelar.
Hoje seríamos conhecidos como “cdf”, “caxias” e outras “coisitas más”. Naquela época,  o mau aluno, o desinteressado, o não estudioso, era execrado da turma, não se criava no meio. As meninas corriam dele.
Hoje em dia, com a atual inversão de valores, o mau aluno é exemplo pra galera e até recebe elogios e homenagens. O estudioso, o educado, o atencioso passa por babaca, por tolo, por otário.

Mas pensam vocês que por causa da disciplina, do dia da semana e da carga horária, o pessoal cabulava? Engano. Eram as aulas mais concorridas do CEAL e havia até quem chegasse mais cedo em busca das primeiras carteiras para se sentar.

Professor Sérgio Nacif sempre foi um cavalheiro, atencioso, inteligente, conversador e bem humorado. Era tricolor de coração, mas sem exageros. Tornava suas aulas agradáveis, dando exemplos da Física no dia a dia de nossas vidas e bem por isso gravava em nossas mentes as fórmulas dos problemas que apresentava em classe. E não cansava de repetir uma explicação, retornar a um detalhe despercebido, clarear uma solução não bem entendida.
Isso tudo com sorrisos, sem discursos histriônicos, sem humilhar o aluno, na classe e na educação. E sem distinção de cor ou condição sócia-econômica.

Bem depois, cada um seguiu seu caminho, como é próprio da vida.
Em 1995, quando lancei o jornal Tribuna Lagunense, professor Sérgio, já aposentado, foi um dos primeiros a assinar a publicação, levando até lá em casa o valor da assinatura.
Gesto que me marcou porque sabia eu que mais do que a assinatura do periódico era o apoio que ele me dava na luta pelos interesses da nossa Laguna.

Professor Sérgio com sua querida Maria Isabel, reside na capital do estado, mas posso afirmar que é morador do mundo, sempre viajando em busca de outras culturas e descobertas. Caminhante de muitas estradas. E é leitor aqui do Blog, o que muito me honra.
Finalizo este texto, que já vai longe, para agradecer aos ensinamentos do meu eterno professor Sérgio Martins Nacif.

Muito obrigado.

7 comentários:

  1. Meu professor, amigo, companheiro de CODISC e de maravilhosas conversas na época de Laguna e Florianópolis; pessoa fabulosa! Que sua passagem à Pátria Espiritual seja feita com muita paz e tranquilidade.Ele merece esta bela matéria elaborada por você, grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Laguna e em especial a Escola de Ensino Médio Almirante Lamego ( CEAL) acorda com muita tristeza , com o falecimento do nosso querido e eterno professor Sérgio Martins Nacif. Em nome da direção , professores e funcionários nossas condolências à todos seus familiares. Diretor Danilo Prudêncio Costa.

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto Walmir. Professor Sérgio merece todo o reconhecimento de todos nós, seus alunos. Um homem de bem que dignificou o ofício de transmitir conhecimento e formar platéias de alunos admiradores do seu talento. Um abraço para Isabel e família neste momento de tristeza. Laguna perde um filho de muito valor! Rachel Pinho

    ResponderExcluir
  4. Ao Mestre com carinho💐 Vá com Deus🙏🏼
    Sentimentos à família!

    ResponderExcluir
  5. Mestre Amigo Deus te receba fica em Paz ! Saudades ! Abracos D. Isabel tbem Mestre amada !

    ResponderExcluir