segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Querem mais uma vez alterar nome de rua. É pisar na história

“A lembrança é uma honra; o esquecimento uma vergonha”.

Há alguns dias, em conversa, um político na Laguna se manifestou pela alteração do nome da rua Luiz Severino Duarte para “Curvas do Iró”.
Se esse projeto de lei for proposto – espero que não - e aprovado pela Câmara de vereadores, mais uma vez um nome de nossa história será riscado, apagando-se lembranças de um antepassado que em algum momento, pelo seu trabalho e exemplo, serviu à Laguna e sua gente e bem por isso foi homenageado.
Rua Luiz Severino Duarte atravessa o costão da Praia do Iró.
Nos últimos tempos, parece que virou moda na Laguna trocar nomes de logradouros públicos. Eu não sei se é falta do que fazer de certos políticos ou se é puro desconhecimento dos nossos antepassados. Ou ambas as alternativas. Trocar nomes de logradouros, além de falta de respeito, é pisar na história da cidade e em seus vultos.
Se sua excelência não sabe quem foi Luiz Severino Duarte, tomo a liberdade de mostrar em algumas linhas.
Vejamos:

Quem foi Luiz Severino Duarte
Luiz Severino Duarte ou Luizinho como era carinhosamente conhecido por todos, deixou sua cidade natal, Jaguaruna, nos últimos anos da primeira década do século XX e aqui veio se estabelecer.
De espírito progressista, triunfou no comércio da Laguna, iniciando com tecidos e logo ampliou os negócios, entrando no ramo armador e exportador. Era o acionista maior da empresa de Navegação Santo Antônio.
Numa propaganda de seu estabelecimento comercial, a Casa Luiz Severino & Cia, podemos observar que foi fundada em 1913:
Numa crônica publicada no jornal Sul do Estado, de 12 de novembro de 1982, o músico e colunista Agenor Bessa salientou: “Nenhum lagunista foi tão bom lagunista quanto Luiz Severino Duarte”.

Tão logo aqui se estabeleceu se inseriu à sociedade lagunense, sempre dedicado às causas da terra que resolveu adotar, viver e investir.
Em pouco tempo tornou-se presidente do Clube de Regatas Almirante Lamego e foi também escolhido presidente da Associação Comercial da Laguna.

Diz Bessa:
“Neste cargo teve a oportunidade de fazer sentir a todos o quanto possuía de espírito público, pois defendeu não só o nosso comércio como toda a comunidade e, na questão da Barra, chegou a ser ameaçado por certo engenheiro, tal a veemência como abraçou a nossa causa”.

Foi também juiz substituto da Comarca da Laguna durante muitos anos; um dos benfeitores e membro da comissão, na qualidade de tesoureiro, da construção, ao lado da matriz, do prédio São Vicente de Paula, mais conhecido como prédio dos Vicentinos. Foi um local de tantos serviços prestados à comunidade lagunense, servindo como palco de peças teatrais, formaturas, aulas de catequese, sede de reuniões para grupos de jovens (JUC), alcoólicos anônimos, e mais recentemente, o Conservatório Lagunense de Música.

Luiz Severino Duarte foi um dos primeiros a construir casa de veraneio no Mar Grosso.
Quando do governo do prefeito Giocondo Tasso, necessitando a municipalidade de abrir uma via através das encostas do Iró, Luiz Severino Duarte doou ao município uma área de terras de 900 m2 para que a prefeitura pudesse abrir a então rua projetada que hoje leva merecidamente seu nome.
Trouxe os irmãos e também os Candemil
Luiz Severino Duarte trouxe também para Laguna seus irmãos para auxiliá-lo, aumentando assim o quadro de sócios de sua empresa.

E assinala Agenor Bessa:
“Trouxe também outros bons cidadãos como Sady Candemil (pai do atual prefeito Mauro Candemil) e João Wendhausen, elementos utilíssimos não só na firma, mas de muito valor na sociedade, onde conduziram-se com a dignidade e a confiança que os diretores neles depositavam”.
“Como Laguna deve a Luiz Severino Duarte!”, ressalta Bessa.
Com o aumento das exportações na década de 20, Sady Candemil “também atingido pelo entusiasmo”, separou-se da firma Severino Duarte e fundou sua própria casa comercial, juntamente com outros sócios e mais seu irmão José Candemil da Silva, que trouxe da vizinha Imaruí.
Posteriormente trouxe para morar com ele seus irmãos: Carmen, Alda, Ruth, Prudência, Zulma, Dinorah, Maria da Glória, Haroldo e Euclides.
Alda (tia do atual prefeito) casou-se com Ido Severino Duarte (irmão de Luiz Severino Duarte) e tiveram dois filhos, Regina e Aldo.

Notaram como as famílias se enlaçam na Laguna e acaba todo mundo em algum nível de parentesco na árvore genealógica? 
Já houve quem disse que na Laguna as pessoas ou são parentes, amigas ou afins.

Pois bem. Na sala da frente de sua residência, a hoje chamada Casa Candemil – Arquivo Público (que se encontra vergonhosamente fechado, com seu acervo deteriorando-se), situada entre a Travessa Manoel Pinho e Fernando Machado (Rincão), funcionava o escritório da Empresa Lagunense de Navegação. 
Era uma sociedade formada por João Thomaz de Souza, Pinho & Cia e Sady Candemil & Cia, proprietários dos navios “Laguna” e “Adelaide”. Operava no ramo de exportação de cereais, farinha, madeira, camarão seco, entre outros produtos.

Mas voltemos a Luiz Severino Duarte:
Em 13 de junho de 1920, num terreno baldio entre as ruas Tenente Bessa e Duque de Caxias, Luiz Severino Duarte inaugurou sua residência, um verdadeiro palacete, um dos prédios mais bonitos e pomposos da Laguna, no estilo eclético. A alta sociedade da Laguna prestigiou o evento, abrilhantado pela Banda Amor à Pátria, de Jaguaruna, cidade natal do proprietário e entidade musical da qual foi membro na juventude.
Luiz Severino Duarte era casado com Francisca Barreiros Duarte. O casal não teve filhos.
Francisca era irmã de Francisco, Geraldino, João, Maria Barreiros e de Thomázia Barreiros da Silva casada com Antônio (Totônio) Batista da Silva, pais de Judith Batista (Remor).
Numa charrete nas areias entre a Praia do Mar Grosso e Iró, Luiz Severino Duarte com sua esposa Francisca Barreiros Duarte e algumas crianças, provavelmente sobrinhos do casal. Ao fundo, na elevação do Morro, sua casa de veraneio. Foto: Arquivo Marega.
 Quando dos falecimentos de Francisca e posteriormente de Luiz Severino, seus bens, aí incluído o palacete no centro da cidade, ficaram para sua sobrinha Judith Batista Remor e seu marido Carlos Alberto Remor, de saudosas memórias. Proprietários que sempre trataram com zelo e carinho o familiar imóvel. Pais de Aurélio, Luiz Carlos, Rogério, Antônio Carlos e Maria Helena Remor.
Tenho certeza que muitos ainda se lembram do Antônio Carlos (Totá), um dos filhos do casal, caminhando no varandão do imóvel balbuciando rezas ou dedilhando lindos acordes ao piano na imensa sala do casarão.
Mais tarde o palacete foi adquirido pela Celesc e onde ainda hoje funciona o escritório da empresa.

Em 1978, a homenagem
Em 4 de abril de 1978, o vereador Leandro José Crippa, o Juca, tio do atual vereador Peterson (Preto) Crippa da Silva (PP), apresentou projeto de lei (nº 16/78) denominando de Luiz Severino Duarte “a via pública do bairro Mar Grosso, tendo início na terminação da avenida senador Galotti com seu término na avenida da Praia do Iró” (hoje Cláudio Horn).
Na justificativa ao projeto o vereador Juca Crippa,  informou:

“Luiz Severino Duarte pertenceu ao honrado comércio lagunense durante mais de cinquenta anos; fez parte da Empresa de Navegação Santo Antônio Ltda., que mandou construir no estaleiro desta cidade, o iate a motor “Santo Antônio” que foi o orgulho da construção naval da Laguna e que serviu durante 24 anos no transporte das riquezas produzidas nesta região.
Foi Juiz substituto da Comarca da Laguna durante muitos anos merecendo menções honrosas de Juízes e Corregedores pela maneira justa e equilibrada no desempenho de seu cargo; foi presidente da Associação Comercial, a qual serviu com muita dedicação e acerto; fez parte da Comissão construtora do Prédio São Vicente de Paula, na qualidade de tesoureiro e benfeitor.
Em 1920 quando poucos lagunenses acreditavam no futuro da Laguna ele teve a coragem de mandar construir, nesta cidade, uma das mais belas residências que, ainda hoje, embeleza o centro da cidade.
Finalmente, foi ele que, através de seu amigo Carlos Alberto Remor, fez doação de uma área de cerca de 900 metros quadrados de terra para que a Prefeitura pudesse rasgar a Rua Projetada o que se propõe seja dado o nome desse benemérito lagunista”.

O Projeto de Lei foi aprovado por unanimidade pelo Legislativo. Em poucos dias, em 28 de abril de 1978, o prefeito Mário José Remor sancionou a Lei nº 15/78, dando a denominação de Luiz Severino Duarte à citada rua.
Se a mudança de alteração de nome da via for proposta e aprovada pelo Legislativo lagunense, mais uma vez será pisar em nossa história e desrespeitar a memória de nossos antepassados.

5 comentários:

  1. Também sou contra esses botocudos que se preocupam com coisas que vem a ferir nossa história. Há anos conheci certa pessoa que arrancou uma placa existente na antiga BR 101 e que dizia: Limite dos municípios Laguna / Tubarão. A placa estava mal colocada em m relação a realidade. Carlos Araujo Horn

    ResponderExcluir
  2. GRANDE vALMIR ESSE mENINO vALE oURO ESTE ERA PRA SER NOSSO SECRETARIO DE CULTURA.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde!
    Não tem mais nada que fazer no Legislativo de Laguna? Projetos, melhorias, mobilidade, saneamento... Ainda dá tempo. Isso, sem falar no Plano Municipal de Saúde... Já está pronto? É mesmo Período do PPA...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha prezada, eu não duvido que o projeto de lei para alteração possa partir até do Executivo.

      Excluir